Testes Elétricos do Satélite Amazonia-1 Indicam Êxito do Satélite Brasileiro

Caro leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (25/04) no site oficial do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que Testes Elétricos do Satélite Amazonia-1 realizados no LIT indicam êxito do satélite brasileiro.

Duda Falcão

NOTÍCIA

Testes Elétricos do Amazonia-1
Indicam Êxito do Satélite Brasileiro

Por INPE
Publicado: Abr 25, 2018

São José dos Campos-SP, 25 de abril de 2018

Projeto dos mais inovadores da engenharia espacial brasileira, o satélite Amazonia-1 está passando por testes para provar que está apto a cumprir sua missão em órbita. Pela primeira vez, equipamentos, estrutura e todos os sistemas que compõem o satélite estão montados na mesma configuração de voo e colocados em funcionamento juntos, durante os testes que vêm sendo realizados com sucesso desde o início do ano no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Esta é a última fase de verificação do satélite e antecede a integração do modelo de voo.

No Laboratório de Integração e Testes (LIT/INPE), em São José dos Campos (SP), engenheiros e especialistas estão avaliando o desempenho do primeiro sistema espacial de alta complexidade integralmente projetado, montado e testado no Brasil. O Amazonia-1 possui mais de 70 equipamentos, que estão interligados por mais de 6 quilômetros de fios e 16 mil pinos de conectores.

"Tudo que está sendo integrado já foi verificado e aprovado nos ensaios realizados separadamente e, também, em testes que verificam o funcionamento de cada equipamento e subsistema em relação aos outros que formam o satélite", diz Adenilson Roberto da Silva, engenheiro do INPE que coordena o projeto. "Com a finalização desses testes podemos dizer que alcançamos um novo patamar".

Com o Amazonia-1, o Brasil passa a dominar o ciclo completo de desenvolvimento deste tipo de satélite, desde o projeto até a integração e operação em órbita. O projeto impulsiona a indústria aeroespacial do Brasil, sendo nela investidos por volta de 70% dos recursos alocados no programa.

Quando estiver em órbita, a 750 quilômetros de distância da Terra, o satélite passará de 4 a 5 vezes por dia sobre o Brasil e terá a capacidade de imagear qualquer ponto do planeta a cada cinco dias. Assim, será possível obter imagens que vão auxiliar no controle do desmatamento, na previsão de safras agrícolas, no monitoramento de zonas costeiras e no gerenciamento de recursos hidrográficos, entre outras aplicações.

A missão Amazônia-1 compreende ainda um importante objetivo do ponto de vista tecnológico, que é a validação em voo da Plataforma Multimissão (PMM)

Desenvolvida pelo INPE, a PMM é capaz de se adaptar a diferentes cargas úteis aplicadas em missões diversas, compatíveis com satélites da classe de 500 kg, como as meteorológicas, científicas e de sensoriamento remoto, entre outras. A reprodução da PMM para uso em missões futuras trará reduções significativas de prazos e custos para seus programas, uma vez que significativa parte do processo de qualificação não será necessária.

"Produtos desenvolvidos para o Amazonia-1 poderão ser adaptados e até aperfeiçoados para futuros projetos de satélites brasileiros. A capacitação industrial proporcionada pelo Amazonia-1 poderá beneficiar outros setores estratégicos para o Brasil, como geração de energia, telecomunicações, aeronáutica e defesa", destaca o engenheiro do INPE.

Os testes no modelo elétrico do Amazonia-1 devem estar concluídos até outubro deste ano e o modelo de voo no primeiro semestre de 2019. Em paralelo, prepara-se o processo licitatório internacional para viabilizar a contratação do veículo lançador do satélite. A partir da contratação do lançador, é estimado em aproximadamente dezoito meses o tempo necessário para seu lançamento.

Mais informações:

Satélite brasileiro em teste no INPE.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentário: Caro leitor esta é realmente uma grande notícia. O Satélite Amazônia-1 com o fim do Programa do VLS tornou-se a mais antiga novela do Programa Espacial Brasileiro e olha que não são poucas. Recentemente recebi através do nosso grupo “PEB em Debate” no Zap, a informação fidedigna de que realmente esses testes foram muito bem sucedidos, confirmando assim essa nota do INPE, e que o projeto está avançando finalmente. Porém, com tudo que está acontecendo no PEB e no país, dificilmente este satélite será lançado no prazo previsto, fora o fato da contratação de seu lançamento sequer ter sido feito ainda. Vamos aguardar.

Comentários

  1. Mas o que me dói profundamente é não termos um lançador de satélites.

    ResponderExcluir
  2. Brasil poderia arrumar uma parceria séria com a Índia ou Israel para a conclusão de um lançador feito sob medida para os satélites brasileiros que acho nunca serão exageradamente grandes a ponto de necessitar de uma foguete também muito grande.Acho que o bilhão gasto na ACS,se é que foi gasto com ela mesmo compraria um projeto de alguém e aceleraria o programa substancialmente.

    ResponderExcluir
  3. Não entendo uma coisa Duda, como pode dizer a nota do INPE que o Brasil passa a dominar o ciclo completo de desenvolvimento deste tipo de satélite se a PMM foi desenvolvida e fabricada na Argentina pela Invap??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá MarcTeen, tudo bem? Faço parte desse projeto e permita-me corrigir sua afirmação.

      A PMM nasceu no INPE em meados de 2000, como uma continuação natural da experiência adquirida com os SCD e CBERS. O projeto de toda a plataforma é nacional e nossa indústria desenvolveu uma quantidade enorme de equipamentos. Alguns tiveram mais sucesso que outros, como é de se esperar em qualquer novo desenvolvimento tecnológico.

      Com relação a um dos subsistemas, que chamamos de ACDH (AOCS+OBDH, ou seja, controle de atitude e órbita + supervisão de bordo), o INPE e AEB tentaram por duas ou três vezes contratar a indústria nacional para sua fabricação, sem sucesso - por questões jurídicas, até onde sei. O Brasil já sabia fazer o OBDH, mas ainda não havia dominado completamente a tecnologia de AOCS.

      Decidiu-se então firmar um acordo de cooperação com a Argentina para a fabricação desse subsistema, que eles aprenderam a desenvolver com a NASA. Quando desse acordo (firmado entre os governos e executado pelo INPE e INVAP), todas as especificações e projeto geral do subsistema ACDH já estavam prontas no INPE, e os sensores e atuadores (creio que todos) necessários já se encontravam disponíveis no Instituto. Faltava-nos o 'know-how' da fabricação e testes do AOCS. Engenheiros brasileiros participaram do desenvolvimento do ACDH com os argentinos, havendo aprendido muito no processo.

      Hoje estamos em condições, para um Amazonia-2 por exemplo, de fazer um ACDH totalmente nacional. Em minha opinião, não há mais grandes obstáculos técnicos a isso, é preciso "apenas" vontade política.

      Em suma: a PMM não foi feita pelos argentinos, e mesmo o ACDH foi desenvolvido em parceria, na qual aprendemos aquilo que nos faltava.

      Concordo com o Duda que o desenvolvimento da PMM vem sendo muito demorado (quase sempre por questões de ordem burocrática/política), mas apesar dos pesares, e com muito esforço, estamos chegando na reta final desse satélite, e da Plataforma como um todo. Ainda há muito o que fazer, mas praticamente todas as dificuldades a serem superadas agora serão técnicas - e para essas, sempre há solução :).

      Espero ter contribuído um pouco para a discussão.

      Excluir
    2. Olá MarcTeen Ch.!

      Olha eu ia lhe responder quando retornasse do meu pedal, mas foi bom que o Fabrício lhe respondesse, pois como o mesmo disse, ele faz parte desse projeto.

      Fabrício está corretissimo em tudo que disse e nunca, em momento algum, a PMM foi desenvolvida pelos Argentinos, sempre foi um projeto brasileiro, ta certo?

      A única participação argentina foi no desenvolvimento conjunto do subsistema citado pelo Fabrício, tá ok amigo??

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  4. Prezados Fabrício e Duda, muito obrigado pela suas rápidas e tão claras respostas! Acho que a minha confusão vem de longe principalmente por causa do barulho que o Sindct fez ao respeito com as denúncias de desnacionalização da PMM, etc. Agora ficou tudo mais claro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial