Dois Anos de Governo Bolsonaro e Tudo Continua Como Antes no Setor Espacial

Olá leitores do BS!
 
No meu ultimo dia aqui Fortaleza, onde vim para passar o Natal e o Réveillon, deitado que estou na cama do meu hotel na bela orla da Praia de Iracema da capital cearense, resolvi escrever esta pequena nota para ajudar aqueles leitores do BS ainda esperançosos em ver mudanças nas atividades espaciais do país.
 
Amigos, são dois anos de Governo Bolsonaro e apesar de não ficar em cima do muro quando digo que não me arrependo do voto que dei e daria novamente se fosse preciso, não há como negar que o Presidente Bolsonaro e o Ministro Marcos Pontes não atingiram as expectativas que se esperava de ambos no setor espacial neste período. Vale lembrar que sequer o presidente visitou a região nesses dois anos, coisa que considero inadmissível, pois passa a impressão para todos, inclusive para as Comunidades Quilombolas a sua total e completa falta de interesse na questão, o que dá ainda mais munição a ‘esquerda’ na defesa de suas ideias nefastas.
 
Volto leitores do BS a lembrar que o próprio Ministro Marcos Pontes teve em mãos um documento histórico (sabe-se lá onde esse documento foi parar) produzido pela própria Comunidade Espacial e denominado de ‘Carta de Foz do Iguaçu’ com 24 sugestões que transformariam de uma vez por todas (em médio e longo prazo) o nosso ‘Patinho Feio’ em um verdadeiro Programa Espacial.
 
Entretanto amigos para surpresa de todos que participaram da elaboração deste histórico documento, desde que o Ministro Marcos Pontes veio a receber o mesmo pouco meses antes de assumir o cargo (isto durante a realização do ‘I CAB – I Congresso Aeroespacial Brasileiro’, realizado em Foz do Iguaçu-PR em Novembro de 2018), muito pouco foi feito para o avanço do programa que crucialmente já deveria ter sido transformado em ‘Programa de Estado’, mas tudo continua basicamente como antes, um tremendo barco sem rumo, sendo esta própria falta de interesse do Governo no setor exemplificada na recusa do próprio presidente de tirar sua poupança do gabinete de Brasília e fazer o que já deveria ter feito no início do seu governo, ou seja, visitar a região e ter contato direto com as Comunidades Quilombolas.
 
Além disso, após dois anos de governo vários questionamentos sobre o que não foi feito neste período no setor (algumas ações básicas e cruciais para dar um rumo ao PEB) deveriam ser cobrados pela Sociedade ao Governo Bolsonaro. Senão vejamos algumas:
 
a) Porque o programa ainda não foi transformado em Programa de Estado, já que esse é um desejo de décadas de toda comunidade espacial séria do país?
 
b) Diante dos rumos que o setor espacial em todo mundo está seguindo, porque a AEB continua como um órgão insignificante e sob a batuta do MCTI, quando já deveria estar diretamente ligada a Presidência de República, tendo o seu presidente status de ministro? 
 
c) Cadê o programa mobilizador do VLM-1 e do Motor S-50 de suma importância se quisermos entrar definitivamente para o clube das nações que dominam o ciclo completo de acesso ao espaço?
 
d) Quem pagou a conta da cagada da Avibras com o motor S-50?
 
e) Porque o governo ainda não sentou para conversar com as startups espaciais ou a sua Associação para assim discutir com elas soluções tecnológicas para nossas ambições espaciais, mas continua com a pratica de apoiar empresas quando não incompetentes, estrangeiras ou com produtos economicamente inviáveis e as vezes até tecnologicamente defasados?
 
f) É sério, vocês que se dizem defensores do PEB vão implantar mesmo essa nova governabilidade proposta pelos militares (em sua maioria) e que teve entre os seus defensores o Brig. Vidal, já aqui abordado no Blog pelo Prof. Rui Botelho? Onde vocês estão com a cabeça, no mundo da Lua? Vocês querem engessar de vez o programa? Leiam a Carta de Foz Iguaçu, desçam do pedestal e deixem a vaidade de lado.
 
g) Cadê a tal Frente Parlamentar Mista do Programa Espacial Brasileiro (FPMPEB) e o seu presidente, o Deputado Federal Daniel Freitas???? Ela só existe para beneficiar a indústria espacial do seu estado???? Até agora tudo continua como antes no Quartel de Abrantes, como aliás eu desconfiava que seria deste que esta coisa surgiu no Congresso.
 
h) Diante dos rumos que o mundo está seguindo no espaço e dos acordos já assinados pelo Brasil com os países líderes do setor espacial no mundo (China, Índia, EUA, Japão, Rússia, etc...), porque o país ainda não se preocupou em montar o seu 'Brasonauta Corps'? Porque mesmo sendo um dos pioneiros do planeta tanto na Aeronáutica como na Astronáutica, falta sempre ao governo brasileiro uma visão estratégica de nação? Porque será, heeimmm? Reflitam um pouco sobre isso.
 
Pois então amigos leitores, poderia aqui continuar fazendo inúmeras outras perguntas, mas creio que essas são suficientes para demonstrar que o Programa Espacial Brasileiro (PEB) desde a chegada dos governos civis jamais foi um programa estratégico de verdade (somente nos discursos vazios desses energúmenos) e nada, nada, absolutamente nada parece demonstrar que será algum dia.
 
Duda Falcão

Comentários

  1. Ele alguma vez apresentou alguma proposta para o setor? Falta um programa a médio e longo prazos em todos os setores, um programa de nação. É o que falta ao nosso país.

    ResponderExcluir
  2. o único foguete que bolsonaro conhece são as balas perdidas de armas que andam desgraçando e entristecendo o pais a torto e a direita,
    ele mesmo é um buscapé desgovernado...., COM SEUS DOIS ANOS DE NULIDADES E DISPARATES ; e o nosso ministro turista do espaço ´não passa de um oportunista deslumbrado e um
    Tremendo Cara de pau, que se cala bovinamente diante do desmonte criminoso e aparelhamento militar do INPE, Alcantara provavelmente caírá nas mãos de algum americano a preço de banana, como ocorre hoje com nosso sátelite, que nos custou milhões....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Luiz Chaves,

      Ficamos sempre felizes com a participação de todos aqui no BS e você, particularmente, é um dos grandes colaboradores do debate que queremos para o PEB. No entanto, respeitando os seus pontos de vista e entendendo as suas frustrações (assim como as minhas e de tantos outros leitores) , me permita discordar de dois aspectos: Primeiramente, não acho justo o tratamento ao Marcos Pontes como turista, por mais que você esteja decepcionado com ele, com todos os seus motivos. Ele foi treinado como todos os astronautas americanos e russos foram e, assim como os americanos, pegou carona numa Soyuz para ir para a ISS e, assim como os americanos que foram de carona, não podemos dizer que ele é um turista espacial. Me desculpe, mas isso não me parece justo. Segundo, o INPE (e a própria AEB) foi dominado por quase 30 anos por pessoas que só fizeram algo do interesse delas e não do País, veja as matérias da série "O radar da discórdia" que está tudo detalhado lá. Também não acho que esteja havendo um desmonte ou militarização do INPE. O que houve foi uma pequena intervenção e um freio de arrumação grande, mas agora com o Dr. Clezio as coisas vão melhorar.

      Excluir
  3. não vai mudar nada no Brasil é assim mesmo todos políticos são uma merda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Unknown , você está certo ! , um país que o Presidente foi eleito por charlatões da bancada evangélica , onde tem pastores milionários propagando que "ÁGUA " da Torneira cura COVID - 19 e sementes de Feijão com o nome da pessoa CURA COVID - 19 pagando R$ 1.OOO,ºº por semente

      Então , o BRASIL está na UTI , a Mídia é principal veículo de Escolas da Corrupção , com 6 Novelas Diárias de segunda a sábado !

      eu só tem Esperança no BRASIL , se um dia entrar no Governo um " Revolucionário " , que rompa com todas as Políticas CAFÉ com LEITE e Geração COCA - COLA que Existem há SÉCULOS no BRASIL

      Excluir
    2. PEB, não adianta entrar um Presidente revolucionário, se o congresso que está lá continuar o mesmo. Se isto ocorrer, o tal "revolucionário" não conseguiria fazer nada.
      Como canta nosso Hino, nascemos em um berço esplêndido. Infelizmente, isto faz com que boa parte dos cidadãos sejam acomodados, querendo enriquecer sem muito esforço (não percebendo que a fonte real de crescimento É o esforço, ou seja, o caminho) e ainda por cima, sempre esperando um herói que salve a pátria (como um "revolucionário").
      O que precisamos realmente é colocar pessoas competentes comandando este país (ou as melhores opções) e não revolucionários.
      A política é uma arte criada pelos gregos e deturpada aos longos dos anos.

      Excluir
  4. Eu nunca entendi o otimismo com o governo Bolsonaro no setor espacial, independente de preferências políticas.
    O Problema do setor é falta de dinheiro no governo e não falta de vontade politica. Isto é, os gastos obrigatórios do governo (salários, previdência e rolagem da dívida) já são quase maiores que a arrecadação e os investimentos necessários ao setor espacial são gastos discricionários, não há magica não há salvador da Pátria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kaled, apenas com o consumo interno, nosso país já não consegue mais pagar os gastos obrigatórios do governo. Hoje já dependemos de investimento estrangeiro. O problema? Quando mais as contas públicas dependem de capita estrangeiro, mais as políticas de estado ficam suscetíveis a interferência estrangeira. Mas acredito que isto não é o que ocorre com nosso programa espacial. Aí eu acredito que seja sim falta de vontade política, despreparo administrativo e incompetência gerencial (onde infelizmente nós somos bem reconhecidos lá fora), e não apenas do alto escalão.

      É indispensável o segmento possuir pessoas motivadas, como o Rui, que herdou o BS e tem trazendo informações e opiniões impares a respeito do programa espacial. Mas manter a motivação é uma luta diária, quem dirá o autor do artigo, o Duda. Já trabalhei em bem mais de um projeto estatal, via empresas privadas. Honestamente, a morosidade com que as decisões são tomadas e executadas é desmotivador.

      Assim, conclui-se que o problema não está apenas em um local, como "dinheiro", mas em vários pontos. Abraço.

      Excluir
  5. tomara Deus seja mesmo o que vc diz , embora jamais tenha tomado conhecimento dos benefícios e objetivos práticos, cientificos ou vá que seja de orgulho nacional que esta ida ao espaço tenha nos dado de retorno para nossa evoluçao científica e tecnológica rumo ao espaço, talvez eu tenha sido mesmo crítico e leviano com o Ministro, é a paixaõ....não duvido sequer mesmo do preparo e escolha dele para tal missão... mas me permita desconsiderar os benefícios que ela tenha nos trazido, e nos custou... peço desculpa pela verve, de verdade.Quanto ao Inpe vou ficar junto contigo, com seu muito muito maior conhecimento da real do que acontece lá, mas que a troca grotesca que aconteceu na presidência, de um profissional altamente reconhecido, sinaliza mal, é fat;, mas pelo que vi e ouvi´em lives do Dr. Clésio compartilho sideralmente contigo a esperança de melhores dias.
    Agradeço muito também a deferência e gentileza que deu as minhas opiniões recalcadas mesmo.um abraço e Feliz Ano NOvo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vejamos o nosso PEB de 2018 à 2020 " os Lançamentos em Território Nacional "

      VS-30

      13 VS-30 V14 09.12.2018 * Al PSR 01 " BRASIL "

      ============================

      VS-30 Orion

      entre 2018 à 2020 Lançamento " Zero "

      ============================

      VSB-30

      V-27 VSB-30 31.05.2018 * Es S TEXUS 55 " Es = ESRANGE, Kiruna, Sweden "
      V-28 VSB-30 13.06.2019 * Es S ATEK/MAPHEUS 8 " Es = ESRANGE, Kiruna, Sweden "
      V-29 VSB-30 24.06.2019 * Es S MASER 14 " Es = ESRANGE, Kiruna, Sweden "
      V-30 VSB-30 15.11.2019 * Es S TEXUS 56 " Es = ESRANGE, Kiruna, Sweden "

      =============================

      VS-40

      entre 2018 à 2020 Lançamento " Zero "



      =============================

      MMerlin , lembre - se da Rússia antes de 1917 e a Rússia hoje

      Houve uma Grande Revolução na Política em 1917 na Rússia , hoje a Rússia é uma Super - Potência respeitadíssima no planeta todo

      Revolução Administrativa

      Revolução na Mídia

      Revolução Social

      Revolução Cultural

      o Brasil tem apenas 26 Estados + 1 Distrito Federal com 8.516.000,000 km² em Terras Contínuas

      os E.U.A. são formada por 48 estados e o Distrito de Colúmbia, o distrito federal da capital com 7 824 535,379 km² m *Terras Contínuas ( Excluindo Havaí e Alasca ), que estão separados da Parte Central dos E.U.A.

      seguindo a Lógica a cima , o BRASIL foi mau Dividido e possui poucos Estados em se tratando de um País Continental

      temos Micro(s) Estados como o Sergipe e Alagoas , em contra partida temos Estados super Gigantes , como o Amazonas , o Pará e o Mato Grosso

      o Brasil precisa de uma Revolução Geográfica , dividir para multiplicar , Estados muito pequenos podem se Fundir , como é o caso de Sergipe e Alagoas , e Estados como a Bahia e Minas Gerais , São Paulo , Paraná , Santa Catarina e Rio Grande do Sul , podem ser Divididos , por ser todos Extensos e no caso de Minas e Bahia serem muito Extensos , podendo ser divididos em 3 até 4 Estados .

      tendo mais Capitais no Sudeste e Sul que são Regiões mais populosas e mais desenvolvidas .

      Excluir
    2. Vai fazer uma revolução como a Russa?
      A Russia Hoje em dia tem um PIB parecido com o do Brasil.
      Uma revolução, ou mais precisamente uma revolução autoritária, é como jogar uma dado se você der sorte o déspota que assumir o poder vai ser um esclarecido e vai fazer o que você acha certo.
      Mas se você der azar o déspota vai fazer o que outra pessoa acha certo e você acha errado, o Brasil tem 200 milhões de opiniões diferentes.
      E se você der muito azar o déspota vai fazer o que ele acha certo: fazer de tudo para ficar no poder para sempre.
      Só que isso não é um jogo de dados, é um cassino onde todos os jogos são roubado em favor da casa, o déspota que vai te dizer que é um revolucionário que é diferente e que concorda com você, que o objetivo dele é concertar o Brasil, mas saiba o objetivo é sempre manter o poder.

      É a mesma coisa em democracias, quem assume o poder é sempre quem quer ser poderoso, isso é da natureza humana. A diferença entre democracias e autoritarismos é que em uma democracia você precisa agradar boa parte daquelas 200 milhões de opiniões para ter o poder, e em um autoritarismo você só precisa agradar uma meia duzia de opiniões armadas ou endinheiradas.

      Se o Brasil não tem um PEB que nos dá orgulho, não devemos sair reclamando que não ha vontade política ou ficar pedindo revolução pois se não há vontade politica é porque poucas das 200 milhões de opiniões lá fora se importam com o PEB e se acontecesse uma revolução teríamos que ter muita sorte para que o nosso déspota fosse um beato que prefere tirar dinheiro de hospitais para fazer foguetes...

      Sim um saí do governo pois acredito que posso fazer mais pela Ciência Espacial na iniciativa privada. Essa é uma opinião controversa, mas é minha e estarei feliz em discuti-la com quem quiser ouvir.

      Excluir
  6. Prezados,

    Esse artigo publicado pelo Duda (agora como colunista Ad Hoc do Blog) representa a visão dele (provavelmente de muitos concordam integralmente, ou parcialmnete e outros não), mas, pela própria natureza das componentes políticas da questão, acaba por suscitar aspectos de visões de mundo e ideológicas distintos.
    Em prol do debate, que é o que o BS se propõem, publiquei todos os comentários (réplicas e tréplicas) que não eram ofensivos e intervi quando achei necessária a postura isenta de viés político que a nova editoria se propôs.
    No entanto, sem querer ser controlador demais, acho que o debate está se encaminhando para longe do cerne e dos propósitos do BS. Por esse motivo peço que não seja dada continuidade ao debate fora do escopo do PEB, da sua gestão e das questões técnicas mais objetivas, ok?
    Respeitando todas as opiniões, as mensagens que continuarem seguindo na linha de polarização de visões de mundo e de convicções ideológicas, eu irei descartar, pois esse não o local para esse tipo de debate.
    AS demais mensagens continuarão sendo publicadas.
    Abraço a todos e obrigado por contribuirem para o debate do PEB!

    ResponderExcluir

Postar um comentário