quinta-feira, 24 de maio de 2018

Oficiais Conhecem as Diretrizes da Política Espacial Brasileira em Palestra na AEB

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (23/05) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que militares do Curso de Geointeligência para Oficiais da Escola de Inteligência Militar do Exército (EsIMEx) estiveram na sede as agencia para conhecerem as diretrizes da Política Espacial Brasileira.

Duda Falcão

INSTITUCIONAL

Oficiais Conhecem as Diretrizes
da Política Espacial Brasileira

Coordenação de Comunicação Social (CCS)
Publicado em: 23/05/2018 17h50
Última modificação: 24/05/2018 07h30

Foto: Valdivino Jr/AEB

Militares do Curso de Geointeligência para Oficiais da Escola de Inteligência Militar do Exército (EsIMEx) participaram, na manhã de terça-feira (22.05), de uma palestra sobre Política Espacial e diretrizes do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE). O encontro aconteceu na sede da Agência Espacial Brasileira (AEB), em Brasília (DF).

O evento faz parte da programação do curso de especialização, organizado pela EsIMEX, que objetiva habilitar sargentos para interpretar imagens e informações geográficas do Sistema de Inteligência do Exército.

A palestra foi ministrada pelo coordenador de Acompanhamento e Avaliação da Diretoria de Política Espacial e Investimentos Estratégicos (DPEI), Cristiano Augusto Trein, que apresentou detalhadamente a importância de o Brasil ter um Programa Espacial, bem como as aplicações desenvolvidas em benefício da sociedade.

“Os programas espaciais somente têm legitimidade quando trabalham em benefício da sociedade. Por isso, os projetos na área têm que apresentar resultados. Temos que ser pragmáticos e buscarmos coerência entre os diferentes projetos do programa espacial, além de precisarmos elevar a visibilidade do programa junto à sociedade civil e aos tomadores de decisão”, ressaltou Cristiano.

As dificuldades que o programa enfrenta nos últimos anos, como contingenciamento de recursos, orçamento não compatível com as demandas do País, além da desigualdade de recursos em relação a outros países foram temas abordados pelo palestrante.

“Essa palestra é uma atividade de extrema importância para a nossa formação. Nosso trabalho depende de imagens de satélites como as oferecidas pelo Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres. Com essas informações produzimos conhecimento na área de inteligência do Exército”, afirmou o Tenente Coronel Cristiano.

O curso de especialização dos militares tem duração de um ano e oito meses, distribuídos em atividades presenciais e a distância. Este ano serão formados dez sargentos de vários estados.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Veja bem leitor, eu até acho que essas ações realmente têm de serem realizadas, não discuto isso. Porém para conhecerem o que mesmo? Ora leitor, faça-me uma garapa, qual é mesmo a Politica que o país tem para o setor espacial? Esta piada que está aí em vigor? Tenha santa paciência. E outra leitor, visite sites de agencias espaciais de verdade (NASA, ESA, JAXA, ISRO, ROSCOSMOS, e até mesmo o CONAE, dentre outras) e vejam como uma agencia espacial de verdade faz as coisas acontecerem. Infelizmente essa AEB, sob o comando de uma banana esta fadada a desaparecer, ou virar um departamento insignificante do próprio MCTIC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário