sábado, 17 de outubro de 2015

INPE Quer Novo Supercomputador

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (17/09) no site do jornal “O VALE”, destacando que o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) quer um novo supercomputador.

Duda Falcão

HOME

INPE Quer Novo Supercomputador

Equipamento ficará no CPTEC, para previsão do tempo e
estudo do clima; máquina atual está saturada

São José dos Campos
October 17, 2015 - 00:04

Foto: Divulgação
O Tupã, supercomputador do INPE que atua na previsão do tempo.

A Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara dos Deputados aprovou emenda do deputado Eduardo Cury (PSDB-SP), ex-prefeito de São José, que destina R$ 116 milhões do orçamento da União para aquisição de um novo supercomputador para o CPTEC (Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos).

Órgão do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o CPTEC recebeu a atual máquina em 2010, a Cray XT-6, apelidada de Tupã. Ela roda modelos regionais de previsão de tempo para toda a América Latina, mas está com o prazo de garantia expirado e saturada com modelos numéricos.

A previsão do INPE é que sejam investidos R$ 90 milhões no supercomputador, R$ 10 milhões em equipamentos e utilidades, R$ 10 milhões em um Centro de Dados e outros R$ 6 milhões em uma subestação de energia elétrica, totalizando R$ 116 milhões.

Aprovada, a emenda de Cury segue agora para a Comissão Mista de Orçamento, formada por senadores e deputados, que é responsável pelo exame e pela aprovação da Lei Orçamentária para 2016.

Atualização. “Em vista das mudanças climáticas e do aumento dos eventos extremos, a importância econômica e social das previsões tem aumentado”, afirmou Cury.

“É por isso que os países economicamente desenvolvidos têm aprimorado seus centros de previsão em termos de velocidade e volume de processamento”.

Segundo ele, a atualização de supercomputadores tem ocorrido a cada quatro ou até dois anos nos principais centros de previsão.

A nova máquina dobrará a resolução espacial dos modelos de previsão do CPTEC.


Fonte: Site do Jornal “O VALE” - 17/10/2015

4 comentários:

  1. Talvez esteja faltando também investimento em sistemas de coleta de dados e em desenvolvimento de melhores sistemas de previsão meteorológica, pois o que se vê atualmente é o total desencontro entre o que, por exemplo, o ClimaTempo anuncia e o que ocorre. As previsões não se confirmam e os eventos vão sendo empurrados para frente.

    ResponderExcluir
  2. Vem cá, mas para que serve um novo supercomputador sem dados de entrada? http://brazilianspace.blogspot.com.br/2015/04/cbers-4-falta-de-software-empaca-dados.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fausto!

      Os dados que esta matéria se refere são os do Satélites CBERS-4 e o INPE colhe dados de diversos outros satélites que precisam ser analisados também. Entretanto, fica a pergunta: Será que realmente seria necessário a compra de um novo Supercomputador? Talvez sim, mas na atual conjuntura não há como ter esta certeza.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  3. O Tupã, tem capacidade de 30 petaflop ( FLOP é um acrônimo em inglês para Floating-point Operations Per Second (operações de ponto flutuante por segundo), o supercomputador mais potente em operação no Brasil é o Santos Dumont que foi instalado esse ano, em Petrópolis-RJ, no Laboratório Nacional de Computação Cientifica (LNCC), ele tem capacidade de 1100 petaflop.

    Essa é uma área que o avanço de velocidade é impressionante, tornado em pouco tempo um supercomputador obsoleto, Tupã já foi top em meteorologia em nível mundial, mas já foi a muito tempo ultrapassado.

    Pelo menos na área de calculo, desenvolvimento de ferramentas e modelos de previsão do tempo o INPE é sem duvidas um dos grandes no mundo, espero que continue assim.

    Concordo com você, a situação esta critica no país, Brasilia esta igual quando se acha um ninho de ratos em um paiol, só dar uma cutucada que saem todos sem rumo tentando se salvar como se não houvesse o amanhã, dai ninguém pensa no Brasil.

    Abraços.

    ResponderExcluir