terça-feira, 30 de junho de 2015

Vice-Presidente Destaca Parceria Espacial na Reunião da COSBAN

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (30/06) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que o Vice-presidente destaca parceria espacial com a China na Reunião da COSBAN.

Duda Falcão

Vice-Presidente Destaca Parceria
Espacial na Reunião da COSBAN

Terça-feira, 30 de Junho de 2015

O vice-presidente Michel Temer presidiu a IV Sessão Plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN), ao lado do vice-primeiro-ministro chinês Wang Yang. No encerramento da reunião, realizada no Ministério das Relações Exteriores, em Brasília, na sexta-feira (26/6), Temer declarou que “a parceria transcende o campo econômico-comercial para alcançar os campos espacial e científico-tecnológico. Brasil e China lançaram cinco satélites e planejamos lançar outros mais, com base em uma parceria que produz benefícios mútuos e promove o desenvolvimento conjunto de tecnologias”.


Os dois países firmaram recentemente um protocolo de intenções para desenvolver e lançar o sexto Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres (CBERS-4A). No Brasil, os satélites do Programa CBERS são desenvolvidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Mais informações: www.cbers.inpe.br


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentário: Sr. Michel Termer, não querendo denegrir a imagem do acordo do Programa CBERS, já que quando o mesmo foi assinado é verdade que gerava na comunidade espacial grandes expectativas seja de ordem tecnológica, científica e mesmo política para ambas as nações, mas acontece seu energúmeno almofadinha que os cronogramas desses satélites jamais foram cumpridos dentro do prazo, pouco se avançou tecnologicamente (apesar de ter havido avanços) e no mesmo período de 28 anos desse acordo, enquanto o Brasil construiu e lançou conjuntamente com a China apenas 5 satélites, a China sozinha desenvolveu e lançou no mesmo período mais de duas dezenas de satélites, de diversos tamanhos para diversos objetivos. O resultado é tão abaixo do esperado que, 28 anos depois ainda não temos a tecnologia necessária para construir sozinhos um satélite do porte do CBERS, o que é um tremendo absurdo. Enfim, já diz o ditado: "Quem com porcos se mistura, farelo come'", só que na sua posição este farelo deve ser bem gordo, né verdade?

2 comentários:

  1. Quase 30 anos de CiBERS!
    E o Brasil:
    - não sabe fazer o controle de atitude! sem isto, satélite ou uma pedra em órbita são a mesma coisa!
    - se sabe, porque não o fez ainda? porque se cala a esta situação?
    - não consegue fazer o CiBERS sozinho! se os chineses disserem tchau, será adeus ao projeto!
    - nunca colocou um satélite CiBERS por si só no espaço! aliás, creio eu, que nenhum satélite até agora!
    - não tem experiência prática das manobras necessárias!
    - fez de tudo para lançar rapidamente um CiBERS após a perda.
    - mandou gente para lá (é certo que mais para servirem de escolta aos equipamentos, pois a grande maioria não coloca a mão no satélite)! E acreditem! Até hoje não conseguimos processar imagens que o satélite manda! Mais de 6 meses e não temos processamento de nenhuma imagem!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo, não me leve a mau ! , mas como pode um País que constrói a metade de um Satélite e não consegue receber os Dados desse mesmo equipamento que o próprio construiu , fica complicado de acreditar no que você afirma a cima.

    ResponderExcluir