quarta-feira, 24 de junho de 2015

China Quer Produzir de Foguetes Até Carros Elétricos no Brasil

Olá leitor!

Segue abaixo mais uma artigo postado ontem (24/06) no site do “defesanet,com”  destacando que a China quer produzir Foguetes e Carros Elétricos no Brasil.

Duda Falcão

COBERTURA ESPECIAL - BRASIL – CHINA - TECNOLOGIA

China Quer Produzir de Foguetes
Até Carros Elétricos no Brasil

Júlio Ottoboni
24 de Junho, 2015 - 10:30 ( Brasília )


O Parque Tecnológico de São José dos Campos e o governo da China selaram uma parceria de cooperação tecnológica que deve envolver diversos setores produtivos, desde o automotivo até o espacial. O entendimento ocorreu durante a visita de uma comitiva liderada pelo ministro de Ciência e Tecnologia chinês, Wan Gang, ao Parque Tecnológico da cidade no último final de semana.

A China quer entrar como parceira integral do programa espacial brasileiro, pois já produz a série CBERS e pretende ocupar o lugar deixado pela Ucrânia e produzir os foguetes lançadores. O encontro no Vale do Paraíba evidenciou o interesse no desenvolvimento e a produção de veículos elétricos.

A delegação chinesa foi recebida pelo diretor geral do Parque Tecnológico, o ex-ministro da ciência, tecnologia e inovação Marco Antonio Raupp. Também participaram da reunião o presidente da AEB (Agência Espacial Brasileira), José Raimundo Braga Coelho e representantes da Boeing, da Embraer e da empresa chinesa BYD, líder mundial em produção de baterias e que também desenvolve veículos elétricos.

Durante a visita, a comitiva chinesa apresentou a política de parques tecnológicos do país, criada por Raupp no começo dos anos 2000, e as perspectivas de cooperação com o Brasil. O diretor do Parque de São José mostrou a estrutura disponível em São José e a evolução tecnológica da cidade desde a década de 60, além de lembrar que a China já mantém uma parceria com a cidade, por meio do INPE, na produção de satélites.

Como existe o interesse na área de veículos elétricos, segmento que a China é um dos países líderes nessa tecnologia, o encontro potencializou esse tema. É dado como certo que a fábrica da GM deixará a região até 2017, conforme seu planejamento mundial.

A empresa de capital misto Urbam, que é controlada pela prefeitura de São José,  tem um projeto para desenvolvimento de um carro elétrico para prestação de serviços públicos. O projeto, batizado de Muriqui, foi apresentado aos chineses durante a reunião.

“Nós temos várias trocas bilaterais profundas. Há interesse governamental de fazer negócios com vocês. Agora temos que escolher a direção correta dos projetos”, afirmou Wan Gang, antes de sinalizar que "muitas empresas chinesas têm grandes expectativas em relação a investimentos no Brasil."

O ministro chinês convidou o diretor do Parque, o prefeito e empresários locais a visitarem a China em setembro, quando será realizada uma conferência sobre parques tecnológicos no país.

Brasil e China assinaram no dia 19 de junho, em Brasília, um memorando de entendimento (MdE) entre MCTI e o Ministério da Ciência e Tecnologia da China (MOST) para cooperação bilateral em ciência, tecnologia e inovação (CT&I) na área de parques tecnológicos. "Este acordo constitui um marco legal para nossa colaboração tecnológica. Temos agora amparo para ações concretas", finalizou Raupp.



Comentário: Bom leitor, tanto no que diz respeito ao interesse chinês em relação aos foguetes lançadores, bem como em relação aos carros elétricos, vejo essas possíveis parcerias com grandes resalvas, não por acreditar que não seja possível se realizar parcerias nessas áreas de forma interessante, complementares e proveitosas para o Brasil, mas por achar que com esses energúmenos nos representando,  os chineses certamente levarão vantagem nas negociações e o Erário Publico Brasileiro, bem como o futuro tecnológico do país, acabarão penalizados em médio e longo prazo. Fora o fato de que as iniciativas nacionais em curso nessas áreas poderão acabar preteridas pelas acordadas com os chineses, como ocorreu com o VLS-1 e em outros exemplos. Convido o leitor a dar a sua opinião sobre este assunto e também aproveito para agradecer publicamente ao leitor Felipe Dias o envio deste artigo.

18 comentários:

  1. Eu também vejo com ressalvas porque está parecendo trocar 6 por meia dúzia e não tem nada nestes tipos de acordo que parece querer mudar esse marasmo em relação ao nosso programa de lançador nacional, mas espero estar errado.

    abç,
    Felipe Dias

    ResponderExcluir
  2. alguem pode informar sobre a China em ocupar o lugar deixado pela Ucrânia e produzir os foguetes lançadores, a Ucrânia deixou o projeto ACS no Brasil ?
    .
    essa informação é verdadeira ?
    .
    alguem tem a fonte dessa informação ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo!

      Respondendo as suas perguntas:

      A Ucrânia deixou o projeto ACS no Brasil ?

      R: Não, apesar de parte da mídia brasileira e internacional dar como certo o fim deste acordo desastroso que gerou a ACS, não houve ainda por parte do desgoverno da "Ogra" um anuncio oficial do destrato.

      Essa informação é verdadeira ?

      R: Qual informação? A da China ter interesse em ampliar suas atividades espacias com o Brasil, ai incluindo atividades na área de veículos lançadores? É possível, já que para os chineses seria uma grande oportunidade comercial e mais um bandeira plantada em território sul-americano.

      Alguém tem a fonte dessa informação ?

      R: A forte da informação é o jornalista Julio Ottoboni do conceituado website Defesanet.com.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  3. Eu acredito que todas parcerias são bem vindas, contudo, como já ressaltado pelo Blog, o Brasil sempre sairá perdendo. Deveria-se criar vergonha na cara e assumir de vez o PEB com gosto, investir por conta própria, e assim conseguir acesso a tecnologias e ao espaço. Digo isso sonhando, claro. Para mim o único país que não confio nem um pouco são os EUA. Sempre estão enganando, espionando, se intrometendo e se vangloriando. Detesto essa nação e sua política externa.

    ResponderExcluir
  4. eu sou o Anônimo 1 , o Anônimo 2 respondeu por segundo , então minha 1° pergunta é ; se a China pretende montar uma parceria com o Brasil, gostaria de saber onde seria essa nova Base ?
    .
    1° seria na base de lançamento do VLS-2 ?
    .
    2° seria no Sítio da ACS ?
    .
    3° ou seria em outra área da Península de Alcântara , exemplo nas áreas dos Quilombolas ?
    .
    4° ou na última possibilidade , criar um Novo Centro de Lançamento fora de Alcântara ?
    .
    -- eu pergunto isso , porque os Rússos também querem criar uma parceria com o Brasil , a Índia recentemente se mostrou com vontade .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Stone vox!

      Nenhuma das recentes matérias sobre as possíveis cooperações com a Rússia, a Índia e China divulgaram detalhes, só divulgaram que conversas estão sendo realizadas entre esses energúmenos do desgoverno desta debiloide e representantes desses países. O que de real vai ser negociado, como vai ser negociado, com quem será negociado ou não, são detalhes ainda não divulgados.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
    2. Olá Stone Vox!

      Não tenho informações sobre o que me perguntou.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  5. já eu acho que devido a localização próxima do equador , valoriza o território brasileiro de poder ter uma área de lançamentos com custos reduzidos, acredito que seja essa possibilidade rentável em outros países se interesse em fazer parceria com o Brasil

    ResponderExcluir
  6. bem que o Brasil poderia alugar algumas áreas/sítios de lançamento a países com tecnologia Aeroeapacial mais avançado e em troca ganharia divisas comercial do aluguel e de cada lançamento do país ou empresa contratada.

    ResponderExcluir
  7. Traição deste governo..
    a China vem inteiramentencom força em todas nas áreas para dominar a america Latina!
    O brasil não precisa disso!

    ResponderExcluir
  8. Substituir a Ucrania ....
    China construir lançadores no Brasil ....
    Custo Brasil vs custo chinês ...
    Está mais para pegadinha do Mallandro do que qualquer coisa.

    ResponderExcluir
  9. iurikorolev e Antonio Alves de Silva Bodopita e Anônimo , essa notícia fica explícito qual o motivo do Governo Brasileiro não investir a quantidade certa para desenvolver nossa Indústria aeroespacial e tornar possível o PEB, os estrangeiros estão manipulando o Governo e as Forças Armada com propina em Dólares e euros por trás do pano.

    ResponderExcluir
  10. a verdade é que cada lançamento bem sucedido custam em torno de US$ 10.000.000 à US$ 50.000.000 de Dólares e os poucos países que tem a tecnologia não querem que outros países ingresse nessa área super lucrativa de poucos.

    ResponderExcluir
  11. Alguém pode me responder: Me façam uma grapa, ou um suco de maracujá, para ficar bem calmo!!!. Porque os representantes da BOEING estão se entrometendo de enxeridos nesta reunião?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hummmmmm, parabéns presidente Cássio, finalmente alguém percebeu a parte da notícia mais significante e preocupante. Creio que até os chineses fizeram este questionamento.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  12. os Chineses querem ser os primeiros a fabricar carros Elétricos no Brasil , se demorar muito os Japoneses vão pegar o lugar, porque os japoneses já estão produzindo carros Elétricos no Japão desde 2014

    ResponderExcluir
  13. já eu fico imaginando , como ficará a Indústria do Petróleo depois que a nova Era começar a se consumar aqui no Brasil e no Mundo , como ficará a Petrobras ?

    ResponderExcluir
  14. esse é o Motivo Obvio que a OPEP vem diminuindo o Preço do Barril do Petróleo , a OPEP está com medo da nova Era Automotiva , os Carros Elétricos estão chegando aos pouco e a OPEP vai levar um tombo Gigantesco e junto a PETROBRAS vai ter que mudar de ramo !.

    ResponderExcluir