quinta-feira, 4 de junho de 2015

Alunos de Engenharia Aeroespacial da UFMG Se Destacam no Ciência Sem Fronteiras

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria um pouco antiga, é verdade, mas bastante interessante que foi postada dia (11/04) no site “em.com.br”, destacando que Alunos de Engenharia Aeroespacial da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) estão se destacando no “Programa Ciência Sem Fronteiras” do governo.

Duda Falcão

Alunos de Engenharia Aeroespacial da UFMG
Se Destacam no Ciência Sem Fronteiras

Estudantes lideram a participação em intercâmbios na área,
à frente de outros centros de referência

Márcia Maria Cruz e Landercy Hemerson
Postado em 11/04/2015 - 06:00
Atualizado em 11/04/2015 - 07:21

Fotos: em.com.br
Rodrigo Amorim Torres e Julliardy Matoso: experiências nos Estados
Unidos e na Hungria deram base para criar empresa de monitoramento aéreo.

Se o inventor mineiro Alberto Santos Dumont conquistou o mundo ao fazer o primeiro voo em seu 14 Bis, conterrâneos seus têm ido aos quatro cantos do planeta levando o mesmo sonho de desafiar a gravidade. Alunos do curso de engenharia aeroespacial da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) são destaque do programa Ciência sem Fronteiras: dos 373 intercâmbios da área aeroespacial, 71 são de estudantes da instituição mineira, superando outras universidades de referência, como o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), com 37. Da primeira turma, que ingressou no curso criado em 2009, 90% tiveram experiência no exterior.

Os voos podem ir mais longe. Sem recursos para o desenvolvimento de grandes projetos aeroespaciais, a Agência Espacial Brasileira (AEB) tem identificado vagas disponíveis em diversas instituições do exterior, que possam qualificar os universitários por meio do Ciências sem Fronteiras. Entre as instituições internacionais selecionadas pela agência brasileira para receber estudantes estão ASI/Itália, CNES/França, CSA/Canadá, DLR/Alemanha, JAXA/Japão, NASA/EUA, ROSCOMOS/Rússia e NSAU/Ucrânia. Entre os participantes, um dos destaques é o estudante Mateus de Oliveira, de 22 anos, que participa de projeto desenvolvido pela Saint Louis University, nos Estados Unidos, patrocinado pela NASA.

Os amigos Julliardy Matoso e Rodrigo Amorim Torres, ambos de 23, fazem parte do grupo que estudou em universidades no exterior. No nono período, Julliardy atrasou um pouco sua graduação para passar um ano e três meses na Universidade Budapest Tecnology, em Budapeste, na Hungria. Como uma das experiências mais importantes em sua formação, o período no exterior possibilitou contato com que é produzido na Europa. “É uma experiência profissional e pessoal inigualável. Pude ver como funcionam as coisas em outra universidade e também fiz estágio”, disse. Ao retornar ao Brasil, o jovem resolveu dar asas ao seu lado empreendedor. Juntamente com Rodrigo, criou a Advantage, empresa de monitoramento aéreo. Atualmente, a iniciativa está na incubadora do Centro de Estudos Aeroespaciais (CEA) da UFMG.

Rodrigo escolheu a Universidade Aeronáutica Embry-Riddle, no Arizona, nos Estados Unidos. Foi em meados de 2012 e voltou um ano depois. “Foi uma experiência única. Foi bom para vermos métodos de ensino, culturas diferentes”, disse. Mas engana-se quem pensa que o intercâmbio serve apenas para ressaltar a qualidade de outros países. Os jovens puderam comprovar que estudam em uma universidade com padrões internacionais em nível de excelência. “É bom, para vermos que somos tão capazes quanto o pessoal lá fora. Às vezes, tendemos a pensar que não somos”, atesta Rodrigo.

Julliard lembra que os colegas e professores ficavam encantados ao saber que o curso de engenharia conta com laboratório em que são executados os projetos de aeronaves. “Não é comum ter laboratórios como o nosso, para que o próprio aluno participe da fabricação de aviões. Um espaço em que o próprio aluno projeta e constrói”, disse. Os países mais procurados por estudantes como ele são Estados Unidos, França, Reino Unido e Alemanha. Tem crescido também o interesse pela Suécia, devido ao acordo para a fabricação dos caças GRIPEN, da empresa SAAB, que vão proteger o espaço aéreo brasileiro.

De acordo com o painel de controle do programa Ciências sem Fronteiras, 373 alunos de universidades brasileiras participaram ou ainda estão em viagens de intercâmbio no setor aeroespacial. Em Minas, a soma é de 105 estudantes enviados ao exterior. Além da UFMG, foram 16 participantes da Universidade Federal de Itajubá, 10 da Federal de Uberlândia, sete da FUMEC, de BH, e um de instituição não identificada no painel. O destino principal são os Estados Unidos, com total de 147 intercâmbios. A agência espacial do país, a NASA, este ano investiu US$ 89 milhões do seu orçamento de US$ 17,4 bilhões na divisão de educação, que incentiva as parcerias em projetos desenvolvidos por universitários.

Eduardo Medeiros e Ricardo Utsch destacam
preparação dos estudantes.

Estrutura Garante o Ensino de Excelência

Na UFMG, os laboratórios e o número de alunos fazem com que o acompanhamento dos professores seja quase individual. No CEA, a qualquer hora do dia é possível encontrar um estudante com instrumentos na mão para trabalhar em protótipos. Mas o que faz com que haja tanto êxito no programa Ciência sem Fronteiras é um conjunto de fatores. “Não é fácil destacar um motivo. Na média, nossos alunos dominam bem a língua inglesa e são muito bem preparados. No processo seletivo, a nota de corte para entrar é bem alta”, diz o professor Ricardo Luiz Utsch de Freitas, que foi coordenador do curso. Outro fator tem a ver com a natureza da área. “Um mesmo engenheiro que trabalha na manutenção de uma companhia nacional conhece os padrões para atuar em uma companhia do exterior. É intrínseca à área a cooperação internacional”, complementa o atual coordenador, Eduardo Bauzer Medeiros.

Há duas entradas anuais no curso de engenharia aeroespacial – 25 alunos por semestre, quantidade considerada compatível com a demanda do mercado. Na formação específica, o diferencial são os laboratórios de aerodinâmicas, projetos de aeronaves e ensaios em voos. Os alunos contam ainda com túnel de vento, para fazer experiência de resistência de materiais sob diferentes condições aerodinâmicas. O curso de engenharia aeroespacial tem ênfase em aeronáutica e em astronáutica. Entre as diferentes competências, visa a capacitar o aluno a projetar, desenvolver e fabricar veículos completos ou parte deles. Mas é possível também trabalhar em outras áreas, como em projetos de alternativas energéticas, como a eólica.

Entre as aeronaves desenvolvidas no CEA, duas recebem destaque e o carinho dos alunos. O primeiro modelo fabricado foi CB-Gaivota, na década de 1960, projetado pelo professor já falecido Cláudio Pinto de Barros, fundador do CEA e considerado pelo CREA-MG o engenheiro do século. Outro destaque é o CEA-308, projetado pelo professor Paulo Iscold, que já bateu quatro recordes de velocidade em sua categoria.

Mateus Oliveira: de Pará de Minas para a Saint Louis University (EUA).

Mineiro é Destaque em Projeto da NASA

Dos alunos da UFMG da área aeroespacial participantes do Ciência sem Fronteiras, o mais recente destaque é mineiro Mateus Oliveira, de 22 anos, de Pará de Minas. Em 2011, ele começou o curso de engenharia aeroespacial na universidade mineira. Em junho de 2014, seguiu para a Saint Louis University, nos Estados Unidos, onde atua em um projeto patrocinado pela NASA, denominado RASCAL. Apesar da dificuldade inicial com a língua inglesa, o jovem teve bom desempenho e passou a integrar a equipe do Laboratório de Sistemas Espaciais da instituição. Para ele, a trajetória de sucesso começou no time de aerodesign da UFMG, onde teve bom aproveitamento acadêmico e conseguiu a vaga para intercâmbio.

“A UFMG tem uma grande estrutura, com inúmeros laborátorios, projetos, professores e alunos envolvidos em contribuir para o avanço científico. Lá aprendi elaboração de projetos e construção de aeronaves radiocontroladas. Também pude aprimorar competências, como a capacidade de trabalhar em equipe e fazer apresentações técnicas em público”, avaliou.

Maria Cecilia Pereira, uma das professoras de Mateus, que leciona a matéria Introdução à Engenharia Aeroespacial e Dinâmica Orbital na UFMG, explica que o curso começou há 51 anos, quando o professor Cláudio Barros deu início a projetos na área aeronáutica. Mas foi em 2009 que ganhou o atual formato. Desde então, já se formaram três turmas. “A trajetória de astronáutica é relativamente nova, comparando com a experiência que a UFMG tem na área de aeronáutica. Atualmente, são desenvolvidos motores de foguetes em um projeto; tivemos alunos participando do projeto ‘Rumo ao Espaço’. Existe ainda uma linha de trabalho na área de otimização de sistemas espaciais e estamos iniciando um projeto apoiado pela Agência Espacial Brasileira”, descreve. A professora destaca que o programa Ciência sem Fronteiras abre oportunidades para estudantes de todas as universidades (não apenas públicas) do país.

Foi com a boa qualificação oferecida na UFMG que Mateus conseguiu boas notas em Saint Louis e chamou a atenção do professor Michael Swartwout, doutor em aeronáutica e astronáutica e diretor do laboratório de sistemas espaciais da instituição, que o ajudou a ingressar no projeto financiado pela NASA. “O RASCAL é um projeto para desenvolvimento de duas pequenas naves espaciais para aprimorar tecnologias de operações de proximidade e percepção no espaço. Meu trabalho abrange várias partes, como construção, realização de testes e documentação. Tem sido uma experiência fantástica participar de um projeto como esse. É uma grande conquista para a minha carreira e consequentemente para a UFMG”, disse. (Landercy Hemerson).


Fonte: Site em.com.br - http://www.em.com.br

2 comentários:

  1. Muito bom!

    Aqueles curtos momentos em que você ainda sente orgulho do país em que vive e esperança que dará certo.

    ResponderExcluir
  2. Ilustríssimo Senhor (a) estou promovendo o meu livro Orbe Teorum .
    Através do https://orbeteorum.blogspot.com/, com o nome do livro, o livro contem novas teorias sobre formação das galáxias e dos sistemas planetários e como a vida surgiu na Terra, com um novo enfoque topológico e metodológico de campos de partículas.
    Meus agradecimentos
    Atenciosamente
    Osmar Cesar Pires

    ResponderExcluir