quinta-feira, 30 de março de 2017

Seminário do CEMADEN Avaliará Alertas

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada na edição de Fevereiro e Março do ”Jornal do SindCT“, destacando que Seminário do CEMADEN avaliará no início de abril alertas de Desastres Naturais.

Duda Falcão

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

MONITORAMENTO DE RISCOS DE DESASTRES NATURAIS

Seminário do CEMADEN Avaliará Alertas

Nas mesas-redondas e plenárias as defesas civis apresentarão
experiências locais de monitoramento, alerta e resposta a
desastres naturais (deslizamentos,  inundações eenxurradas).
Trata-se, portanto, de aperfeiçoar o sistema operado pelo Centro.

Shirley Marciano
Jornal do SindCT
Edição nº 55
Fevereiro e Março de 2017

Giba/Ascom-MCTI
Sala de Situação do CEMADEN.

Entre os dias 4 e 6 de abril, o Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (CEMADEN), sediado no Parque Tecnológico de São José dos Campos-SP, promove o I Seminário Nacional de Avaliação dos Alertas.  O evento, que contará com a presença de pesquisadores, representantes de instituições federais da área de monitoramento, e equipes que trabalham nos órgãos de Defesa Civil estaduais e municipais, tem o objetivo de avaliar o conteúdo dos processos de disseminação dos alertas de desastres naturais emitidos pelo CEMADEN e discutir as perspectivas de aprimoramento desses alertas.

O seminário do CEMADEN — órgão ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) — conta com as parcerias do Centro Nacional de Gerenciamento  de Riscos  e Desastres (CENAD), do Ministério da Integração Nacional e do Conselho Nacional de Gestores Estaduais de Proteção e Defesa Civil  (CONGEPDEC).  A programação é estruturada  em palestras técnico-científicas sobre monitoramento e prevenção de riscos  de desastres  naturais e, principalmente, em mesas-redondas para a discussão sobre temas relativos aos alertas emitidos pelo Centro.

Nas mesas-redondas e plenárias as defesas civis apresentarão as experiências  locais, avaliações e discussões sobre monitoramento, alerta e resposta a desastres naturais, finalizando com propostas para o aprimoramento dos alertas de risco de deslizamentos,  inundações e enxurradas.  Trata-se, portanto, de aperfeiçoar o sistema, que já executa um importante trabalho de prevenção de desastres, tendo como meta finalística a preservação de vidas. Além disso, durante o seminário, também será tratada a questão de integração de dados observacionais, mapeamento de áreas de risco e registros de desastres naturais para a melhoria do sistema de monitoramento e alertas.

Treinamento

Nos dias 6 e 7 de abril, após o evento, o CEMADEN oferecerá um treinamento aos técnicos de defesas civis estaduais e municipais sobre uso de dados ambientais para fins de monitoramento de risco de desastres naturais.  As inscrições para o treinamento serão feitas na mesma ficha de inscrição ao evento. Quem tiver interesse em participar pode obter mais informações sobre o I Seminário Nacional de Avaliação dos Alertas em um site específico do evento, dentro do Portal do CEMADEN, no endereço  http://www.cemaden.gov.br/i-seminario-de-avaliacao-de-alertas-do-cemaden.

Ainda de acordo com a assessoria de imprensa do CEMADEN, o intercâmbio de informações técnicas e científicas possibilitará avanços e aprimoramentos no eixo “Monitoramento e Alerta” do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Respostas a Desastres Naturais, formulado em 2012. Isso porque o encontro tem como foco uma troca de experiências entre as defesas civis locais.

“A troca e retorno das Defesas Civis ao CEMADEN — no feedback da situação e ações decorrentes dos alertas recebidos — contribuirão para o conhecimento e avaliação da consistência e qualidade dos dados monitorados e emissão eficaz dos alertas. Essa comunicação contínua e sistematizada do retorno sobre os alertas emitidos entre Defesas Civis e CEMADEN possibilitará a construção da integração necessária à atuação sinérgica dos diversos  órgãos brasileiros, que atuam no gerenciamento de risco de desastres dos níveis  federal, estadual e municipal”, afirma o CEMADEN.

Atualmente, para a emissão dos alertas, o CEMADEN adota o disposto no Protocolo de Ação Integrada entre o CEMADEN e o CENAD, em conformidade com o estabelecido nas Portarias 314, de 17/10/2012 (DOU 203, 19/10/2012, Seção 1, p. 26-27) e 149, de  18/12/2013 (DOU 249, 24/12/2013, Seção 1, p.  60), de ação integrada entre  Agência  Nacional  de Águas  (ANA), CEMADEN, CENAD  e Companhia  de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) -Serviço  Geológico do Brasil.

Criação

O CEMADEN foi criado em julho de 2011, pelo  Decreto  Presidencial  7.513, meses após uma nova tragédia na região serrana do Rio de Janeiro, quando  cerca de mil pessoas morreram em decorrência de deslizamento de terras após fortes chuvas. Em vista do maior desastre climático já registrado no país, o governo Dilma Rousseff definiu a criação do CEMADEN, que tem o objetivo de monitorar e emitir alertas de risco que permitam evitar desastres naturais, salvaguardar vidas e diminuir a vulnerabilidade social, ambiental e econômica decorrente desses eventos.

Para consolidação do Sistema Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, o CEMADEN foi criado com intuito de, em parceria com várias instituições, implementar, complementar e consolidar a rede de instrumentos meteorológicos,  hidrológicos e geotécnicos de monitoramento ambiental. O CEMADEN opera 24 horas por dia, sem interrupção,  monitorando em todo o território nacional as áreas de risco de 958 municípios classificados como vulneráveis a desastres naturais. Entre outras competências,  envia  os alertas de desastres naturais ao CENAD, auxiliando o Sistema Nacional de Defesa Civil.

Desde dezembro de 2011, quando começou a operar a Sala de Situação (ou Operação) no monitoramento dos municípios, até o início de fevereiro de 2017, o CEMADEN já emitiu cerca de 6.800 alertas. Desse total de alertas de riscos de deslizamentos, inundações ou enxurradas, foram emitidos cerca de 200 alertas em nível muito alto, 1.400 em nível alto e 5.200 em nível moderado.


Fonte: Jornal do SindCT - Edição 55ª – Fevereiro e Março de 2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário