sábado, 3 de setembro de 2016

O Caso da Extinção da MECTRON - Parte 5

Olá leitor!

Dias atrás, antes de postar minha ultima atualização sobre o caso da MECTRON, fui contatado via e-mail por uma pessoa que se diz ligado diretamente com este caso, mas que me pediu para não divulgar o seu nome, coisa que não concordo (infelizmente nem todos são um Edward Snowden da vida), mas tenho de respeitar o seu desejo.

Bom leitor, após me certificar da existência desta pessoa com as minhas fontes, e de pensar muito sobre isto, resolvi então postar as informações que me foram passadas, mas que fique bem claro que eu não tenho a menor certeza de que a pessoa que me enviou essas informações seja realmente quem diz ser, portanto não se pode descartar a possibilidade de serem informações plantadas.

Bem caro leitor o suposto informante iniciou seu e-mail fazendo um agradecimento ao Blog BRAZILIAN SPACE pela divulgação do caso MECTRON, pois segundo ele isto tem sido de grande valia para todos da região de SJC, já que se por um lado ficam sabendo das decisões do mercado, por outro influencia de certa forma a ODEBRECHT e os órgãos públicos na tomada de decisões. Diante disto, esta pessoa resolveu tomar a iniciativa de entrar em contato conosco e compartilhar com o Blog algumas informações se seu conhecimento sobre o desfecho do caso MECTRON, principalmente no que diz respeito à área do Projeto Link BR2.

Segundo ele atualmente nesta área do projeto em questão (vendida a AEL) existem aproximadamente 120 empregados, mas apenas 15 deles manterão seus postos de trabalho, isto é, caso aceitem a mudança deles para Porto Alegre. Já os outros funcionários serão todos demitidos pela MECTRON durante o mês de agosto e setembro.

A fonte continua dizendo ter chegado ao seu conhecimento de que a empresa RAFAEL ofereceu condições melhores para ODEBRECHT, inclusive se comprometendo a manter o emprego de todos os funcionários, além de manter o projeto em São Jose dos Campos. Porém a ODEBRECHT não deseja aceitar a proposta, já que o seu objetivo é mandar todos os funcionários embora.

Ainda segundo o mesmo, a empresa RAFAEL voltou para briga e irá formar uma EED com a empresa STEFANINI, para assim (na visão do mesmo) garantir o controle brasileiro e a segurança nacional, além de somar experiência e capacitação da STEFANINI (empresa desenvolvedora de software certificada CMMI nível 5), a equipe da MECTRON que será mantida, e mantendo também a mesma solução técnica que foi vencedora da licitação e que está atualmente contratada.

No entendimento da fonte essa proposta da AEL é um grande desrespeito aos trabalhadores e um crime contra o Brasil por passar informações secretas para Israel e tirar emprego de trabalhadores brasileiros usando o dinheiro que poderia sustentar varias famílias para comprar produtos prontos e estrangeiros, sem dizer no desemprego enorme na região.

A fonte finaliza dizendo que nesse cenário, seria importante para o caso a influência do Blog sobre esse assunto dando continuidade nas informações sobre a extinção da MECTRON e os seus prejuízos, tudo isto para assegurar o uso do dinheiro do Governo Brasileiro para pagar salários dos brasileiros.

Opinião do BLOG

Bom leitor, diante destas informações (se verdadeiras forem) eu estou estarrecido, pois fica claro para mim que ambos os lados estão mais interessados em defender os seus interesses, e um deles (na nossa visão o mais perigoso) usa a desculpa de está se cometendo um crime contra o Brasil (o que é verdade), mas tendo a clara intenção de manter empregos, mesmo que o crime mude de casa.

Caro leitor, a MECTRON é uma empresa estratégica de segurança nacional, o projeto do Link BR2 é uma conquista do povo brasileiro e como tal tanto a empresa como os seus projetos devem ser mantidos sobre o controle 100% brasileiro. Qualquer decisão contrária é crime contra o patrimônio cientifico e tecnológico brasileiro e seus responsáveis, num país sério, seriam responsabilizados criminalmente por seus atos. Em nossa opinião, constitui um crime inafiançável e deveria ser pago com a morte, para assim dar o exemplo (Estou sendo radical??? No Território de Piratas em que vivemos a falta de decisões firmes e radicais, quando necessárias, é que nos colocou nesta situação). Afinal, colocar esta escoria na cadeia e continuar alimentando vermes que, diante de nosso inseguro sistema carcerário, poderiam mesmo da cadeia causar ainda mais prejuízos a Sociedade Brasileira, exemplos não faltam.

Não queremos dizer com isto que os empregos (não só dos 120 funcionários do Projeto Link BR2) não sejam importantes e que não devam ser mantidos (são funcionários altamente especializados) muito pelo contrário, mas os mesmos não devem ser usados como desculpa para soluções que envolvam empresas estrangeiras, pois como disse acima, estamos falando de uma empresa estratégica de segurança nacional.

Soluções existem, basta que o governo reconheça a importância estratégica da MECTRON e que junto com a iniciativa privada do país encontre uma solução, mantendo não só a empresa como também os seus funcionários. A opção da AEL e a suposta opção da RAFAEL são criminosas e inaceitáveis.

Duda Falcão

4 comentários:

  1. O Programa Espacial Brasileiro já nasceu contaminado pela desconfiança. O Brasil é fruto do descobrimento "indireto" do português Álvares Cabral, A Independência é coisa de Dom Pedro I e a Declaração da República foi mais coisa militar do que política. Depois, por seguidos anos e décadas, os problemas continuaram sendo os mesmo e as desculpas idem. Deixa Israel cuidar do que sabem muito bem fazer e parem de encher o saco com as sempre desculpas esfarrapadas de que estamos sendo espionados. Para ser corrupto não precisa espionar brasileiro; esta é uma técnica, internacionalmente, conhecida.

    ResponderExcluir
  2. Vc posta qquer informacao!??? Sendo falsa ou verdadeira??? Coloca ai Parte 6 - a Mectron nao vai ser vendida!!!!

    ResponderExcluir
  3. Duda

    O que mais me chama a atenção em todo esse caso é que a Odebrecht/Mectron se comporta como se os projetos fossem dela e, portanto, teem o direito de fazerem o que quiserem - inclusive doá-los a quem entender. Entretanto, seus projetos foram contratados pelo governo Brasileiro e portanto pertencem ao Brasil. Onde está o governo nisso tudo ?? Você reparou que em nenhum dos seus posts sobre o caso MECTRON é mencionada qualquer participação decisória de qualquer órgão público (princialmente o DCTA) ?
    Um problema dessa monta não pode ser conduzido como se nada estivesse acontecendo... Governo Brasileiro manifeste-se!

    ResponderExcluir
  4. Uma das condicoes pra que o projeto seja vendido eh o aval das forcas armadas... Sem ele nao ha venda!!!

    ResponderExcluir