segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Diretor da AEB Vai a Alemanha Discutir Projeto do Motor L75

Olá leitor!

Diário Oficial da União (DOU) de hoje (10/10) publicou um interessantíssimo despacho do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), autorizando o diretor da Diretoria de Transporte Espacial e Licenciamento da nossa Agência Espacial de Brinquedo (AEB) a viajar para Munique, na Alemanha, a fim de participar de reuniões entre o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e a Agência Espacial Alemã (DLR), sobre a execução bilateral na área de desenvolvimento dos projetos do motor L75 e motores de lançamento (Projeto CASSIS). Abaixo segue o despacho como publicados no DOU.

“Ministério da Ciência, Tecnologia,
Inovações e Comunicações

GABINETE DO MINISTRO

DESPACHOS DO MINISTRO
Em 7 de outubro de 2016

Afastamentos do País autorizados na forma do Decreto nº 1.387, de 07 de fevereiro de 1995:

MARCO ANTÔNIO VIEIRA DE REZENDE, Diretor da Diretoria de Transporte Espacial e Licenciamento da AEB, participar nas reuniões de alto nível de trabalho entre a Agência Espacial Brasileira (AEB), Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e a Agência Espacial Alemã (DLR), sobre a execução bilateral na área de desenvolvimento dos projetos do motor L75 e motores de lançamento (Projeto CASSIS), em Munique/Alemanha, no período de 15/10/2016 a 23/10/2016, trânsito incluído, com ônus para a AEB., Art. 1º, inciso V.

GILBERTO KASSAB
Ministro de Estado”

Bom leitor, o Blog não tem a mínima ideia do que seja esse Projeto CASSIS, mas aparentemente tem algo haver com desenvolvimento de motores, ou talvez alguma iniciativa na área educacional (puro palpite), enfim...

O importante aqui é que as atividades entre o DCTA/IAE e o DLR relativas ao desenvolvimento do motor-foguete líquido L75 (suponho que os testes a quente do motor em instalações do DLR) parecem esta em andamento, se não efetivamente, pelo menos a nível de reuniões.

Duda Falcão


Fonte: Diário Oficial da União (DOU) - Seção 2 - pág. 05 - 10/10/2016

24 comentários:

  1. brazilian space , Duda Falcão , gostaria de uma explicação sobre o Projeto do Motor L75 ?
    .
    minha grande Dúvida é , esse Motor L75 é Brasileiro ou Alemão ou ainda será desenvolvido entre Brasil e Alemanha ?

    agora fiquei na Dúvida, até essa nova notícia , achava que o Motor L75 era 100% Brasileiro.

    gostaria de uma explicação sua e/ou de qualquer outro Leitor , obrigado a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Stone Vox!

      O motor é brasileiro, mas como não há no Brasil uma banco de provas para testes a quente (infelizmente o do IAE é para motores até 20 kN) foi necessário estabelecer uma acordo com o DLR para testa-lo na Alemanha. Nada além disso, pelo menos que tenha sido divulgado.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
    2. Sendo a parceria com o DLR exitosa e atendendo as necessidades atuais, servindo também para economizar tempo (que já se gastou muito) e dinheiro (que se tem pouco), melhor deixar para construir banco de provas quando as condições estiverem melhores.

      Saudações.

      Excluir
  2. Obrigado ! , Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    Puxa! , o Brasil faz um Motor Foguete no Brasil e não pensa em construir um banco de provas para testes a quente, parece Piada Portuguesa ! , o PEB , vamos fazer o quê , o jeito é esperar esse teste lá mesmo na Alemanha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que os argentinos não dispõem de instalações para tanto?

      Excluir
  3. Segundo nível do VLS

    Motores 1 propulsor S 43

    Propulsão...... 320,6 kN

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Stone Vox!

      O S43 é um motor foguete de propulsão sólida e para isso temos a Usina Coronel Abner, onde esses motores são testados. Para motores foguetes líquidos é necessário outro tipo de equipamento que no Brasil ainda não existe. O IAE tem um banco de provas a quente para motores foguetes líquidos, mas sua capacidade é apenas para motores até 20 kN, bem abaixo dos 75 kN deste motor em desenvolvimento, tá ok??? Existe um projeto no IAE para se construir um banco de provas para motores liquidos ate 100 kN, mas até agora o mesmo não saiu do papel. Bom é isso

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  4. Esperamos que o IAE construa o mais rápido possível, o projeto no IAE para se construir um banco de provas para motores liquidos ate 100 kN

    ResponderExcluir
  5. Os argentinos não dispõem de instalações para testar tais propulsores? Caso afirmativo por que não colaborarmos com eles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Unknown!

      Dispõem sim, mas não para motores deste porte. Além do mais a parceria exitosa na área de foguetes do IAE com o DLR remota ao final dos ano 60 do século passado, portanto ficou mais fácil realizar os testes nas instalações alemãs.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
    2. Prezado Duda, o banco de provas de motores que a Argentina tem na região sul de Buenos Aires foi desenhado para motores de mais de 300 kN !!! Motores foguetes líquidos de 120kN já tem sido testado com sucesso lá (veja só http://i.imgur.com/baMzCOU.jpg ; www.youtube.com/watch?time_continue=29&v=YIhGl1Cqeqs). Um abraço!

      Excluir
    3. Você colocou um link de uma foto e de um vídeo. Não vi nenhum banco de provas em nenhum dos dois.

      Saudações!

      Excluir
    4. Faltou agregar que a Argentina ainda não desenvolveu nenhum motor com turbo-bomba. Os bancos de teste para este tipo de motor (caso do L75) é específico.

      Saudações novamente.

      Excluir
    5. A foto é do resultado do teste do motor de 12 toneladas-força (sem turbo-bomba) e no video dá para ver o banco de provas (http://i66.tinypic.com/oi7kwi.jpg). Há uns meses atrás o motor de 30 toneladas-força (300kN e COM TURBO-BOMBAS!!!!)estava sendo testado no mesmo banco de provas. abraço

      Excluir
    6. Continuo sem ver o que você está dizendo. Não imagine coisas, nem as invente! Não há nenhum motor de 300kN em teste, menos ainda com turbo-bomba.

      Saudações.

      Excluir
  6. Cara, se o fato dos argentinos estarem mais avançados no tema de propulsão líquida não é do seu agrado, não é minha culpa..ok? Eu não invento. Vc poderá começar a se informar um pouco melhor no tema neste link: http://brazilianspace.blogspot.nl/2016/09/el-presidente-argentino-mauricio-macri.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro, se eu fosse mal informado não estaria afirmando que não existe motor de 300kN em teste na Argentina, menos ainda com turbo-bomba. Portanto, o mal informado é você.

      Sds.

      Excluir
    2. O que você dizer ¨O Observador¨, o que você dizer...

      Excluir
  7. O Observador, a foto que o, MarcTeen Ch, quer mostrar é essa

    http://tinypic.com/view.php?pic=oi7kwi&s=9#.V_94i9R941o

    o Link que ele post tem um erro, é só retirar o i66. do link que funciona a postagem da foto relativa a informação dele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É claramente um bando de teste para motores pressurizados, não para motores com turbo-bombas que é anos-luz mais complexo.

      Sds.

      Excluir
    2. Cara, o seu já é un caso sério de negação...

      Segundo o dicionário da língua portuguesa , a negação é um mecanismo de defesa do ego. O sistema da negação pode ser um mecanismo psicológico positivo que nos permite recusar a realidade dolorosa, cobrindo as "feridas", e assim continuar em frente, efeito idêntico a um “amortecedor” psicológico. A verdade é dolorosa porque abre a porta das "feridas" que estão encobertas pelas mais diversas formas de racionalização e justificação e, em último caso, mentiras.

      Excluir
  8. podemos até brincar da situação e afirmar que o programa espacial da Argentina está mais adiantado que o do Brasil, devido que a Argentina não Quilombolas para invadir a Base de Lançamento, aqui no Brasil a Base Brasileira é entre Vilas e assentamentos de Quilombolas, assim fica complicado ter sucesso do PEB.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ter quilombolas e uma pequena comunidade "perto" ("perto" é modo de dizer, porque estão bastante afastados) em nada influencia em nosso programa estar mais ou menos atrasado a qualquer outro. O que nos falta é um projeto, com foto e objetivos com começo, meio e fim.

      Sds.

      Excluir
  9. O Observador, " Ter quilombolas e uma pequena comunidade "perto" ("perto" é modo de dizer, porque estão bastante afastados)" , passa longe de comparar a NASA com a AEB , mas vamos comparar a Base de Cabo Canaveral com o CLA , nossa!!!!! , O Observador , a NASA jamais usaria um território de lançamentos de Foguetes, " SATURNO V " com algumas pequenas comunidades por perto , e nem bastante distante como você se refere, o sítio de Cabo Canaveral é inteiramente Militar da Aero-Náutica, vamos equalizar as medidas, se um Foguete tipo SATURNO V , Explodir o 1° e/ou 2 estágio no seu Lançamento , não iria sobrar nenhuma QUILOMBOLAS a Kilômetros de perto ou bastante distante, segundo suas medidas de segurança do sítio do CLA.

    ResponderExcluir