Estação Espacial Chinesa Deve Reentrar na Atmosfera nas Próximas Semanas


Olá leitor!

Segue abaixo a nota postada dia (07/03) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), informando que a Estação Espacial Chinesa "Tiangong-1" deve reentrar na atmosfera nas próximas semanas.

Duda Falcão

Estação Espacial Chinesa Deve Reentrar
na Atmosfera nas Próximas Semanas

Coordenação de Comunicação Social
Colaboração do Tecnologista Ademir Xavier
Publicado em: Brasília,
07 março de 2018


Lançada em órbita em setembro de 2011 com o objetivo de aperfeiçoar as tecnologias de aproximação e acoplamento de naves espaciais, a Estação Chinesa Tiangong-1, com 10 metros de comprimento, três de largura e 8,5 mil quilos de metal, deve cair na Terra no início de abril deste ano. A margem de erro de aproximadamente 20% na determinação da data de sua reentrada na atmosfera decorre de inúmeras incertezas, sendo o efeito do atrito atmosférico na trajetória atual desse objeto a principal delas.

O módulo espacial foi alvo de diversas missões com e sem tripulação, e deveria ter sido derrubado de forma segura em 2013, mas continuou em operação até março de 2016. No mesmo ano, a China admitiu ter perdido o seu controle, acrescentando que não conseguiria controlar a sua reentrada na atmosfera.

Embora especialistas inicialmente afirmassem que a Tiangong-1 provavelmente queimaria na atmosfera no fim de 2017, comunicados posteriores da Agência Espacial Europeia (ESA), e da Aerospace Corporation, instituto norte-americano que fiscaliza atividades espaciais, registraram, respectivamente, que sua reentrada ocorreria na segunda quinzena de março, ou no início de abril.

Tiangong-1 poderá cair em qualquer ponto da área verde do mapa.

Segundo a Aerospace Corporation, “a probabilidade de uma pessoa aleatória (como, por exemplo, você) ser atingida pelos destroços da Tiangong-1 é um milhão de vezes menor do que a de ganhar no Powerball [um jogo de loteria típico dos EUA]”. Lixo espacial cai na Terra com bastante frequência, e o módulo chinês só está sendo acompanhado por astrônomos porque é um pouco maior que a média.

Questões sobre a reentrada da Tiangong-1

1 – O objeto pode cair na minha casa?

É improvável que detritos dessa reentrada atinjam qualquer pessoa ou danifiquem propriedade(s).  O único caso conhecido em toda história da exploração espacial é de uma pessoa em Oklahoma, Estados Unidos, que foi atingida em 1996 sem qualquer ferimento ou danos.

2 – Existem materiais perigosos a bordo?

É possível que materiais tóxicos ou corrosivos existam a bordo, como é o caso da hidrazina. Tais materiais podem sobreviver à reentrada. Por isso, jamais toque ou se aproxime de qualquer objeto ou detrito espacial que tenha caído em sua proximidade. Por segurança, evite aproximar-se ou inalar qualquer vapor que dele se desprenda.

3 – A reentrada da Tiangong-1 será controlada?

A Agência Espacial Chinesa já admitiu que não conseguiria controlar a reentrada desse módulo espacial na atmosfera. Não há informação suficiente para  saber se a entrada seria controlada de alguma forma.

4 – Essa estação espacial chinesa é a maior que já caiu?

Não. O maior objeto que já caiu na Terra feito pelo homem foi a Estação Espacial MIR que tinha massa de 120 mil quilos. Sua reentrada ocorreu em 23 de março de 2001. Em comparação, a Tiangong-1 tem 8.500 kg.

5 – Sendo uma estação espacial, existem pessoas a bordo?

Não, não existem pessoas a bordo da Tiangong-1. A última missão tripulada a utilizar as instalações da Tiangong-1 ocorreu em junho de 2013.

6 – Será possível ver a reentrada?

Dependendo de onde ocorrer a queda e onde você estiver será possível ver, mesmo de dia, a reentrada da Tiangong-1. Como ela ocorre acima da camada de nuvens, o céu não poderá estar nublado. Entretanto, apenas alguns dias antes da reentrada será possível saber onde ela cairá com maior exatidão. Caso você queira acompanhar a trajetória desse módulo em tempo real, clique aqui

7 – Com será vista a reentrada da Tiangong-1?

Dependendo do momento do dia ou da noite, bem como céu limpo, a reentrada aparecerá como vários linhas brilhantes cruzando o céu em uma mesma direção. Como o objeto é grande, serão vistos vários riscos juntos na reentrada, sendo que alguns deles poderão atingir o solo.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentários

  1. Deveria ter um programa de destruição desses objetos com uso de mísseis afim de fragmentados facilitando sua desintegração na atmosfera.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial