Chineses Fortalecem Parceria Com a Agência Espacial Brasileira

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (29/11) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que uma Comitiva Chinesa esteve na manhã de hoje na sede da agência para discutir o fortalecimento da parceria espacial Brasil-China.

Duda Falcão

Chineses Fortalecem Parceria Com
a Agência Espacial Brasileira

Coordenação de Comunicação Social – CCS
29/11/2016


O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Braga Coelho, recebeu na manhã desta terça-feira (29.11) em seu gabinete a visita de uma delegação chinesa da empresa China Satellite Launch and Trackking Control General (CLTC), chefiada pelo senhor Wu Shuangtie. Durante o encontro, os países repassaram a cooperação bilateral na área de TT&C e discutiram o aprofundamento da parceria que futuramente colocará em órbita o satélite Sino-Brasileiro de Observação da Terra – o Cbers- 4A.

O satélite Cbers-4A garantirá fornecimento contínuo de imagens ao Brasil e a China, bem como a outros países. Após 18 anos de parceria completados em 2007, o Brasil passou a ser um dos grandes distribuidores de imagens orbitais do mundo. A previsão é que o satélite seja colocado em órbita em 2018. A construção de mais dois satélites, Cbers 5 e 6, está em discussão no âmbito do Plano Decenal de Cooperação Espacial Brasil-China 2013 – 2022.

O Cbers-4A levará a bordo três câmeras, sendo uma chinesa e duas brasileiras. A câmera Multiespectral e Pancromática de Ampla Varredura (WPM) é desenvolvida pela China para obter imagens com resolução espacial de 2m na banda pancromática e de 8m nas bandas multiespectrais, com largura de faixa imageadora de 92 km.

As câmeras brasileiras serão réplicas da WFI e da MUX que estão a bordo do Cbers-4, lançado em dezembro de 2014. “Equipamentos e peças remanescentes dos Cbers-3 e 4 serão utilizados no Cbers-4A, mas precisamos contratar na indústria partes do satélite com base no projeto dos anteriores”, explica Antônio Carlos Pereira Junior, gerente do projeto Cbers-4A.

Imagens - No Cbers-4A, a câmera WFI terá resolução espacial de 55m, com largura de faixa imageadora de 684 km, enquanto a câmera MUX terá capacidade de prover imagens com resolução espacial de 16m, com largura de faixa imageadora de 95 km.

As imagens obtidas com a MUX a bordo do Cbers-4 já estão disponíveis aos usuários no catálogo on line do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Com o Cbers-4A, o Brasil garante a continuidade do fornecimento de imagens.  para monitorar o meio ambiente, verificar desmatamentos, desastres naturais, a expansão da agricultura e das cidades, entre outras aplicações.

A MUX, primeira câmera para satélite totalmente nacional, é um dos projetos espaciais mais sofisticados realizados no país. Assim como os demais equipamentos, partes e componentes do satélite que couberam ao Brasil na parceria sino-brasileira, a câmera é de responsabilidade do Inpe por meio de contratos com a indústria nacional.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentários

  1. Que bom.Porém é muito pouco em vista do potencial que esta parceria tem para se estender a muitos outros setores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Unknown!

      Já disse isso aqui em diversas oportunidades (não só a parceria BRASIL-CHINA bem como a BRASIL-ALEMANHA), mas a verdade é que não só falta visão a essa gente, na realidade a função maior deste órgão inócuo (uma tremenda piada como Agencia Espacial) é infelizmente atuar como uma agencia de propaganda e de cabide de emprego para apadrinhados, e pelo visto não deve esta fazendo seu serviço direito, pois foi recentemente rebaixada pelo Governo TEMER.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022