segunda-feira, 20 de julho de 2015

Suíça Desenvolve Satélite Para Coletar Resíduos Espaciais

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota da postada dia (16/07) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que a Suíça está desenvolvendo satélite para coletar resíduos espaciais.

Duda Falcão

Suíça Desenvolve Satélite Para
Coletar Resíduos Espaciais

Infoespacial


Brasília, 16 de julho de 2015  O projeto Clean Space One, liderado por várias instituições suíças, desenvolveu um satélite para a retirada de detritos em órbita do planeta. Programado para ser lançado em 2018, o satélite vai recolher com uma rede cônica o satélite de pequeno porte SwissCube, que será destruído junto com o Clean Space One na reentrada na atmosfera da Terra.

Esta é uma das soluções submetidas a testes para remover resíduos perigosos a partir da órbita da Terra. O SwissCube tem vida útil de cinco anos e o desafio é assegurar que não se torne mais um exemplar de lixo espacial.

Durante os últimos três anos, os técnicos têm trabalhado neste espaço satélite de limpeza será posto em órbita para recuperar SwissCube. O ‘homem pac’ pegar o pequeno satélite e os dois se reúnem queimando na atmosfera. Até agora, os engenheiros já deu passos significativos na concepção da abordagem de sistemas e captura.

Em órbita da Terra existem diversos exemplares de lixo espacial que vão desde chips usados a ​​estágios de foguete, com formas e tamanhos variados. A uma velocidade de 7 km por segundo essas peças se tornam verdadeiros projéteis constituindo uma séria ameaça para outros satélites e para as pessoas em atividades no espaço.

Para minimizar esses riscos, a Agência Espacial Norte-americana (Nasa) monitora cada objeto com mais de 10 cm. Assim, a proposta de iniciativas como o CleanSpace One é a retirada a longo prazo de um grande volume desses detritos ameaçadores.

O SwissCube é um nanossatélite de 10 cm por 10 cm composto de partes escuras e mais claras, que refletem a luz solar de forma diferente. Segundo os técnicos, essa variação pode interferir no sistema de aproximação visual do satélite coletor. O gerente de projeto, Muriel Richard-Noca enfatiza a extrema delicadeza da missão. “Apenas um erro no cálculo pode provocar uma colisão dos dois objetos fazendo com que cada um tome uma direção no espaço”.

O desenvolvimento da abordagem de sistemas de captura passou a fase de protótipo, que envolveu a tomada de decisões fundamentais para o projeto. O próximo passo combina o desenvolvimento da primeira versão dos modelos de engenharia – que será mais precisa do que os protótipos – e vários outros testes.



Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Interessante notícia e parabéns a Suíca que demonstra com isto ter entendido que programa espacial se faz com seriedade, apresentando resultados a sua sociedade e não propagando fantasias. Enquanto isto, em certo território de piratas sul-americano, só resta à assessoria de impressa de certa agência espacial de brinquedo registrar o sucesso dos outros.  Triste, mas é a nossa realidade. Espero que esta missão suíça possa de alguma forma estimular grupos universitários brasileiros a terem novas ideias. Aproveito para agradecer publicamente ao presidente do CEFAB, Carlos Cássio Oliveira, pelo envio dessa noticia e do vídeo.

2 comentários:

  1. Interesting project Duda. However, I’m asking myself the following question:

    How many pounds of garbage this sat will collect during its life, in opposition to the pounds of waste its launcher rocket will generate.

    Regards

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hola Gustavo!

      De hecho creo que el proyecto es poner a prueba el concepto de esta tecnología y al final de la misión, los dos satélites será destruido para volver a entrar en la atmósfera.

      Saludos desde Brasil

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir