quarta-feira, 8 de julho de 2015

O Brasil e Mais um Ziriguidum Alemão, Será?

Olá leitor!

Tenho postado aqui em meus artigos a importância e necessidade de um país como o Brasil e de seu povo acordarem para o que estar acontecendo a nossa volta, seja internamente falando, bem como externamente, já que vivemos num mundo cada vez mais globalizado e o nosso futuro depende desta compreensão como nação independente e soberana, caso contrário estaremos condenados a sermos sempre uma nação coadjuvante e sem voz planetária.

O Brasil, uma nação rica e invejada por muitos pelo seu gigantismo e pelos seus grandes recursos naturais, infelizmente tem uma população formada na sua maioria por um povo culturalmente irresponsável, ignorante, sem identidade e compreensão de cidadania, um prato cheio para os interesses dos piratas e de seus representantes políticos populistas que comandam toda essa engrenagem para saquearem a nação e o seu próprio povo.

Também tenho aqui defendido que não há nada de mais em realizar acordos espaciais com outros países, muito pelo contrário, mesmo com os EUA, desde que seja motivado por questões exclusivamente tecnológicas, em áreas de interesse e complementares ao programa nacional em curso (ou seja, não entre em choque com o que já esteja sendo conduzido internamente), não haja contingência de recursos e principalmente seja amarrado (negociado) por pessoas preparadas e exclusivamente comprometidas com os interesses do Brasil, e não servidores públicos de moral e brasilidade discutíveis, evitando com isto que haja possíveis brechas dentro desses acordos. Lembre-se leitor, esta história de nações amigas é puro papo furado, não existe isso, existe sim interesses convergentes e numa negociação como esta, se uma das partes percebe o despreparo da outra, ou mesmo uma possibilidade de corrupção, certamente ela será utilizada para se colher o máximo de benefícios. Compreendido isto, vamos então ao motivo deste artigo.

Mas, antes de iniciarmos, gostaria de relatar a realização recente de um interessante evento ocorrido em Cracóvia, na Polônia, que será importante para a compreensão do leitor do assunto que abordaremos.

O evento em questão foi a  edição do “Congresso Europeu para Ciências Espaciais - European Conference for Aeronautics ans Space Sciences (EUCASS)”, evento este que reuniu cerca de 500 especialistas europeus, russos e chineses em quatro dias de conferencia nesta cidade do sul da Polônia.

Durante o evento leitor foi passado aos participantes que o planejamento da Agência Espacial Europeia (ESA) para depois de 2020 será trabalhar com tecnologia reutilizável, e para tanto eles precisarão de um microlançador para testar esta tecnologia em voo, microlançador que pode ser o VLM-1, mas não exatamente o brasileiro. O leitor deve estar perguntando como não Duda, não existe um acordo assinado entre o DLR e o IAE para o desenvolvimento deste lançador? Pois é, eu explico.

Lembra do Peter Tuner,  pesquisador do Centro Aeroespacial Alemão (DLR), que por muito tempo foi o diretor do DLR-MORABA (DLR - Mobile Rocket Base), que vinha muito ao Brasil como amiguinho e que agora está aposentado da Agência Espacial Alemã? Pois então, já algum tempo corre nos bastidores de que o Sr. Peter Tuner, motivado pela falta de interesse e de compromisso do Brasil com a industrialização do foguete VSB-30, e conhecedor das necessidades dos projetos europeus por um foguete como este, estaria montando uma empresa para fornecer a ESA/DLR os VSB-30 que passariam a ser produzidos na Europa pela sua nova empresa e além disso, com o intenso e conhecido interesse que o Sr. Tuner tem demonstrado pelo VLM-1, o que foi dito no EUCASS bem que poderia corresponder ao seu próximo passo.

O leitor deve perguntar: Mas Duda, não existe acordos assinados com o DLR que impediriam algo assim, há não ser com a própria concordância do IAE? Eu diria que em tese sim, mas aí leitor é que voltamos ao inicio deste artigo, quando apontamos a extrema importância de termos representantes sérios, bem preparados e comprometidos quando da elaboração e da assinatura desses acordos, bem como nas suas conduções.

Será que os alemães acharam uma brecha nos acordos do VSB-30 e do VLM-1 e querem tirar proveito da situação dando um chega para lá no IAE e no Brasil? Ou será que há mais coisas nesta história?

Vale lembrar leitor que o Dr. Luís Eduardo Vergueiro Loures da Costa era até bem pouco tempo atrás o gerente do Projeto do VLM-1, e sem qualquer explicação o mesmo deixou o cargo e atualmente está atuando como professor do ITA e também como gerente do Projeto ITASAT-1.

Recordo-me caro leitor que havia já escutado nos bastidores que a gerência do Dr. Luis Loures no Projeto do VLM-1 não era bem vista pelos alemães, pois segundo as minhas fontes a sua dedicação em defesa dos interesses do Brasil junto ao projeto iam de encontro aos interesses do DLR, interesses esses que serão melhores entendidos por você observando a foto abaixo.


O leitor pode perguntar que foto é esta Duda? Pois então, chegou em minhas mãos esta foto tirada de um mostruário do DLR, sendo a mesma bastante curiosa, afinal mostra um motor-foguete em fibra de carbono em fase de testes com um diâmetro muito semelhante ao do motor S50 do VLM-1, apesar do mesmo ser bem mais curto. Hummm leitor, será que os alemães estariam estudando motores em fibra de carbono baseados no que puderam extrair do Brasil? Vale lembrar aqui caro leitor que durante o EUCASS a ESA deixou muito claro de que a partir de agora uma de suas determinações seria o desenvolvimento desses tipos de motores.

Ora, o leitor pode perguntar, mas como pode ser isso Duda? O S50 não estava sendo desenvolvido sob a responsabilidade do IAE e em São José dos Campos? Estava sim, mas com informações técnicas compartilhadas com o DLR e talvez tenha sido este um dos motivos da saída do Dr. Luis Loures da gerência do projeto.

O leitor pode então perguntar: Duda então você está insinuando que depois de tantos anos de um acordo exitoso com o DLR, os alemães resolveram nos dar um Ziriguidum? Bom leitor eu diria apenas que existem indícios de que algo não vai bem nesta história, e que se estes indícios forem baseados na verdade, o Brasil estará sim tomando outro baile alemão. Só restará então a Sociedade Brasileira e a comunidade do setor perguntar o que houve? Incompetência, má gestão, entreguismo, corrupção, ingenuidade, enfim...

Entretanto  leitor, infelizmente para nós as coisas não param por ai, como aliás você mesmo poderá observar em nosso próximo artigo sobre o estranho e recente acordo do MCTI da debiloide com o NOAA americano. Mas isto é conversa para mais tarde.

Duda Falcão

24 comentários:

  1. esta foto acima remete a um tanque de combustível líquido e não a um motor S50 do VLM como supostamente foi imaginado no post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo!

      Em momento algum disse que era um motor S50 do VLM-1. Disse que era um motor feito em fibra de carbono (mesma tecnologia que será empregada no S50 do VLM-1, tecnologia esta que até então o DLR não dispunha) que era semelhante, apesar de não serem do mesmo tamanho. O S50 é um motor-foguete sólido e esse da foto também pelo que me foi passado e não um tanque combustível de motor líquido como disseste, apesar de não deixar de ser um tanque onde o combustível será efetivamente alojado, só que sólido e não liquido.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. Claudio Zabatonov -- Curitiba - PR , pela minha constatação da análise da foto , esse tanque está muito pequeno em comprimento quanto em diâmetro para ser de um motor-foguete do VLM , no caso do S50

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Sr. Claudio Zabatonov! Primeiro em momento algum disse que era um motor-foguete do VLM-1, disse sim que era semelhante por empregar a mesma tecnologia de fibra de carbono que o DLR até então não dispunha, apesar de não ser do mesmo tamanho (comprimento). Quanto ao diâmetro, o senhor esta enganado, é o mesmo.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  3. eu peguei como base de comparação a " cadeira " preta próxima a mesa do computador, o cilindro realmente é um tanque de substancia líquida e não sólido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que seja o mesmo anônimo do primeiro comentário de cima, e sendo assim, como já lhe disse, suas impressões estão equivocadas, pelo menos segundo a minha fonte.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  4. Se sou anônimo há uma explicação, não é? Este é um blog de opinião pessoal sua, onde você vê as coisas de acordo com seus olhos e impressões próprias, ou é um meio de comunicação para levar a informação correta? Eu lhe dei o caminho, busque a verdade e mostre ela a seus leitores. Acho até que num único post te dei mais informações do que jamais teve acesso. Sou aquela fonte que falou da Opto, lembra??? Sei muito mais do que você pode imaginar. Só estou querendo ajudar e ver nosso país crescer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo!

      Para mim injustificada, pois de minha parte sempre encarei a vida de frente, pois só assim fiz diferença e continuo fazendo. Quanto ao caminho, você não apontou nenhum, só disse o que achava, nada mais além disso.Além disso nem se quer percebeu qual era o assunto central do texto. Uma pena., enfim...

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  5. E Duda, você sabe que VLS não é para lançar nada, nem boas intenções. Pergunte para qualquer brigadeiro. O VLS é demonstrador de tecnologia e míssil balístico. É só para dizer que temos capacidade. Depois que tivermos um lançamento satisfatório o programa será abandonado. Palavras do amigo anônimo, que participa de muitas reuniões com quem decide e sabe do que fala...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Anônimo

      O VLS não é um míssil ! Foi projetado como veículo lançador. É claro que a tecnologia é dual e esse é o motivo do embargo americano. Se ele fosse para não lançar nada, não teria destruído 2 satélites nas duas primeiras tentativas de lançamento.
      O que estou dizendo é devido ao fato de que fui eu quem ajudou a projetá-lo, testá-lo e lançá-lo.

      Excluir
  6. Fazer o que? O Brasil gosta de ser colônia e parece que não mudaremos. Então, boa sorte pra quem ainda acredita.

    ResponderExcluir
  7. pái Ossóxi de Ogum , São Paulo - SP foto de um Motor-Foguete verdadeiro do VLM S50
    .
    https://www.google.com.br/search?q=motor+foguete+VLM&biw=1164&bih=547&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=mECdVaWZBcmNwgS3jJqAAQ&ved=0CAYQ_AUoAQ#imgdii=abKDcHSK96Bo6M%3A%3BabKDcHSK96Bo6M%3A%3BYUwWVjxvs_H5hM%3A&imgrc=abKDcHSK96Bo6M%3A

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pai de Ossóxi de Ogum!

      A foto que você mostra nessa matéria que aliás foi escrita por mim mostra o "mock up (maquete)" do motor-foguete sólido S50 em desenvolvimento do IAE (ate o momento naõ passou disso). Na realidade a maquete do Modelo de Engenharia do motor. A foto do artigo acima mostra o tanque de combustível de um motor menor que na realidade fica dentro do envelope motor que na foto do S50 seria a parte preta que envolve
      um tanque semelhante ao do artigo acima, apesar de bem mais comprido, entende? Bom é isso.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  8. A Alemanha não pode e não tem nenhum motor a propelente líquido. Assim acho difícil que seja um tanque de combustível líquido. Se fosse seria de um foguete enorme.
    É uma pena q a discussão esteja em torno dessa foto e não do assunto central do texto, que independe da mesma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sr. Heisenberg!

      Verdade amigo, parece que não entenderam qual era o assunto central do texto. Mas enfim...

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Stone Vox!

      Diâmetro, não comprimento, que no S50 é bem maior. Leia com calma para que possa entender e não fazer julgamentos precipitados.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  10. justin oliveira - São José dos Campos - SP
    .
    A minha esperança está no VLM ( o teste ainda está confirmado para 2018), pois o teste do VLS foi adiado por tempo INDETERMINADO ou seja foi cancelada para 2016 e NÃO há esperança de que seja realizado em 2015, INFELIZMENTE .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Justin Oliveira!

      Nada com relação ao VLM está confirmado, bem como nenhum dos projetos do PEB como um todo tem prazos reais. Há unica coisa certa do PEB é que não há nada certo.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  11. "IAE E DLR ASSINARAM O TERMO DE INTENÇÕES: QUEM É O "CHUPIM" ? SER OU NÃO SER.....EIS A QUESTÃO !"

    "A verdade dos outros merecem meu respeito. Nem sempre minha adesão".
    O mundo da tecnologia espacial não é sempre dos espertos. É dos pesquisadores honestos, patrióticos e verdadeiros, como características alusivas ao Dro. Luis Loures, a qual gentilmente foi meu cicerone, quando visitei o IAE, inclusive, no interior da sala de protótipo do projeto SARA. Autorizada, claro! pelo meu instrutor e mentor, do projeto "foguete á água pressurizada" , Engº José Bezerra. Isso já faz, mais de 14 anos. A esperteza dos pesquisadores algozes, um dia é descoberta e vira vergonha. A Honestidade se transforma em exemplos eternos, para as futuras gerações. Há um grande diferença, uma corrompe a vida em poucos minutos, a outra enobrece a alma eternamente.
    O Mundo é dos espertos, ou melhor dizendo, o mundo é dos hipócritas.
    Hipocrisia essa que reina em todos os cantos, sorriso fingido pra cá, elogio falso pra lá, e assim todos vão vivendo. São poucas as pessoas que podemos chamar de "amigo prestativo", "AMIGO ALTRUÍSTA "adjetivo raro hoje em dia. Amigo: Aquele que prova que está com você pelo que você é, pelas suas qualidades, seus valores e não pelo que você tem.
    Infelizmente são poucos os verdadeiros a nossa volta, mas são muitos os que me decepcionaram, me apunhalaram pelas costas, tentaram subir na vida a todo custo através de mentiras, falsidades, desonestidades, atrasam seus sonhos, deixando de lado sua ética e moral.
    Infelizmente o mundo é esse, cheios de frustados e EGOÍSTAS, mundo dos hipócritas, sorte desse planeta ainda existir pessoas sinceras e autênticas, sem falso moralismo, sem hipocrisia, pessoas essas que fazem o mundo não ser tão ruim, trazendo a esperança de dias melhores para suas vidas e principalmente para o nosso PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO - PEB.
    O tal " CHUPIM", nada mais é que um pássaro. É conhecido pelo habito de colocar seus ovos no ninho de outras aves, para que as mesmas possam chocá-los e alimentá-los como filhotes. Por isso acabou virando sinônimo de APROVEITADOR.
    Em fim, o que NÃO se compartilha com sinceridade, tudo se perde com as más intenções.


    ResponderExcluir
  12. Concordo com o anônimo. O Brazilian space, talvez seja o melhor site de espaço do país. Contudo, as opiniões pessoais do autor, "estragam" o blog. Já expressei a mesma opinião antes, no entanto a "teimosia" do autor; o impede de concordar. Talvez seja efeito da idade. Em tempo; tenho 53 anos.Desculpe Duda: Você mereceu.

    Eng. Ageu Alves

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Eng. Ageu Alves!

      Obrigado pelo reconhecimento do meu trabalho. Quanto as minhas opiniões elas são minhas e ninguém é obrigado a aceitá-las. Se as mesmas em sua opinião estragam o Blog, sinta-se a vontade em buscar um outro espaço onde as opiniões do seu autor estejam mais do seu agrado, pois de minha parte jamais esperei agradar a todos, afinal nem Cristo conseguiu esta façanha, né verdade? Enfim...

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  13. A verdade é que tratam estrangeiro como "amiguinho", e acham que ele só quer cooperar e não levar conhecimento nenhum! Ou então sabe-se e colabora-se com esse "amiguinho" em troca de alguma vantagem. Vai saber né!!! DUDA concordo em tudo que você disse!

    ResponderExcluir
  14. Me desculpe, mas onde está escrito que este tanque pertence ao DLR? (e Não.. não é possivel por uma olhada saber se é para motor Sólido ou Líquido)...
    Até onde é de dominio publico, os europeus estão desenvolvendo os novos motores do VEGA, onde já se direciona ao uso de fibra de carbono... e a Airbus Safran Launchers também está, com contrapartida francesa, a desenvolver propulsores sólidos...
    A europa tem sim esta capacidade de desenvolvimeno... Só pq o Br comecou agora a pensar nisso, nao significa que somos os pioneiros e inovadores... Vejam a serie de motores "Epoxy" produzidos pela Alliant Techsystems... Isso esta com cara de mau entendido apenas...

    ResponderExcluir