quinta-feira, 9 de julho de 2015

Climatempo Instala Polo de Pesquisa em São José

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (09/07) no site do jornal “O VALE”, destacando que a empresa Climatempo instalou Polo de Pesquisa em São José dos Campos (SP).

Duda Falcão

HOME

Climatempo Instala Polo
de Pesquisa em São José

Ideia do grupo é promover parcerias com institutos
com sede na região como o CEMADEN e o INPE

Xandu Alves
São José dos Campos
July 9, 2015 - 00:03

Foto: Divulgação
Pesquisadores nas instalações da Climatempo.

Principal empresa privada de meteorologia do país, o grupo Climatempo estabeleceu parceria com o Parque Tecnológico de São José para instalar na cidade o seu setor de pesquisa e desenvolvimento e criar projetos inovadores com instituições e empresas da região.

Implantado na última segunda, o centro de pesquisa do grupo no Parque Tecnológico receberá R$ 2 milhões de investimento nos próximos dois anos e triplicará o tamanho da equipe.

Ocupando uma sala de 130 metros quadrados no centro empresarial 2 do Parque, a Climatempo tem 10 profissionais trabalhando em São José e pretende chegar a 30 até 2017, recrutando talentos formados na região.

“Decidimos vir para o Parque Tecnológico por encontrar aqui conhecimento, talentos e parceiros em um mesmo lugar”, disse Gilca Palma, diretora executiva de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação do grupo.

Parceiros - Entre as instituições que serão procuradas para parcerias estão o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e o CEMADEN (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), ambas sediadas em São José.

Além de serviços privados, a empresa pretende oferecer dados para uso público, como já faz com defesas civis e municípios. Um dos projetos do grupo na cidade é um sistema que melhorará a qualidade de alertas de tempo severo no Brasil. Para tanto, a Climatempo fez parceria com a americana Planetiq, que terá rede de pequenos satélites em 2016. “Teremos uma foto da atmosfera do país a cada cinco minutos”, disse Gilca.

Saiba mais

Grupo

A Climatempo é a principal empresa privada de meteorologia do país, com 1.100 clientes

Conteúdo

O grupo fornece conteúdo para mais de 50 retransmissoras nacionais de televisão, rádios e portais de internet

São José

Empresa decidiu instalar o setor de pesquisa e desenvolvimento no Parque Tecnológico de São José

Projetos

Meta é criar projetos inovadores e fazer parcerias com instituições locais, com INPE, CEMADEN e universidades

Parque Tecnológico Programa Expansão

São José dos Campos - A área ocupada pelo setor de pesquisa do grupo Climatempo no Parque Tecnológico de São José pode receber até 50 empresas que buscam inovação. Trata-se do centro empresarial 2, inaugurado em 28 de março deste ano.

Foram investidos R$ 18 milhões no espaço de 12 mil metros quadrados, distribuídos em dois pavimentos. Das 50 empresas que o centro pode receber, 21 já estão garantidas. Uma nova chamada pública foi aberta para preencher as vagas remanescentes.

As companhias podem escolher salas de 70 a 180 metros quadrados para abrigar seus projetos inovadores, pagando uma contribuição associativa. O valor está em revisão.

Centro 3. Segundo o diretor do Parque Tecnológico, Marco Antônio Raupp, o projeto do centro empresarial 3 já está “bem avançado”. O espaço terá um perfil diferente dos dois primeiros centros e abrigará empresas médias e grandes. O projeto está orçado em R$ 11,5 milhões


Fonte: Site do Jornal “O VALE” - 09/07/2015

Um comentário:

  1. Boa noite a todos,

    No dia 8/julho/2015 no site da fapesp.br foi atualizada uma notícia "Empresas que participarão do desenvolvimento do Sirius são selecionadas" [http://fapesp.br/9574] e felizmente a Opto Eletrônica S/A foi selecionada para o "Desenvolvimento de Processos de Fabricação e Caracterização de Componentes Ópticos de Altíssima Qualidade para Aplicação Em Sistemas de Focalização de Luz Síncrotron do Tipo Kirkpatrick-Baez" então fui pesquisar mais sobre isso na chamada pública [http://www.fapesp.br/chamadas/2014/Chamada_PAPPE_LNLS_Sirius_anexo1.pdf]
    e na página 26 diz "(...) esta
    parte do projeto é um passo fundamental no desenvolvimento do Sirius, que vai além da
    metrologia do sistema Kirkpatrick-Baez. Ela dará as condições o Brasil entrar no mercado de espelhos de
    raios-X, algo que é essencial para o sucesso do Sirius, mas que hoje é um gargalo
    tecnológico no mundo inteiro. Há pouquíssimos fabricantes de ótica de raios-X no mundo
    e os tempos de espera para um espelho de alta qualidade, como os que serão necessários
    no Sirius, podem chegar a 3 anos."

    Eu refleti um pouco sobre a notícia sobre questão da recuperação judicial postada aqui no blog em janeiro [http://brazilianspace.blogspot.com.br/2015/01/opto-eletronica-em-recuperacao-judicial.html] e talvez a Opto esteja conseguindo sair da crise, pois não dedicariam algo "essencial e fundamental para o projeto Sirius" se a empresa pudesse fechar as portas amanhã.

    Na minha opinião, a Opto irá sobreviver e ainda adquirirá esta importante e cara tecnologia!

    Hoje o site da Opto [http://opto.com.br/] está em "atualização", quer dizer que tem funcionários trabalhando, uma boa notícia também!

    Obrigado,
    Everton

    ResponderExcluir