quarta-feira, 29 de julho de 2015

Brasil e Rússia Negociam Complexo de Lançamentos Para Angara

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada dia (28/07) no site da versão em português da “Gazeta Russa” destacando que Brasil e Rússia negociam Complexo de Lançamentos para Angara.

Duda Falcão

Ciência e Tecnologia

Brasil e Rússia Negociam Complexo
de Lançamentos Para Angara

Porta-foguetes seria lançado da base de Alcântara. Brasília oficializou
na segunda-feira (27) fim de acordo para lançamentos com Ucrânia.

Por MARINA DARMAROS,
GAZETA RUSSA
28 de julho de 2015

Foto: Mikhail Voskresenski / RIA Nóvosti

Rússia e Brasil estão conduzindo negociações para criar um complexo de lançamentos para o porta-foguetes Angara na base de Alcântara, no Maranhão, de acordo com Aleksandr Medvedev, construtor que está preparando esse equipamento no Centro Khrúnitchev, em Moscou.

"Houve considerações e propostas para a construção de um complexo de lançamento separado para o Angara na base de Alcântara, no Brasil. Lançar da linha do Equador é uma alternativa interessante. Tem muita  chance de gerar concorrência. Agora, estão sendo conduzidas negociações", disse Medvedev à agência Tass.

O Brasil oficializou na segunda-feira (27) o fim de um acordo com a Ucrânia para lançamento de foguetes Cyclone 4.

Apesar de rumores sobre a quebra do acordo terem se iniciado já em abril deste ano, somente no final de julho a decisão foi publicada no Diário Oficial da União.

Os prejuízos com o fim do acordo Brasil-Ucrânia podem chegar a R$ 1 bilhão.

Medvedev também afirmou que o futuro porta-foguetes Angara-A3 poderá ser usado no projeto Sea Launch (ver box), junto ao russo-ucraniano Zenit.

Sea Launch

É um serviço de lançamento de foguetes espaciais que usa uma plataforma marítima, a Odyssey, especializada em foguetes Zenit 3SL. O projeto foi uma joint-venture entre EUA, Rússia, Ucrânia e Noruega, mas hoje a maior parte dele pertence à estatal russa Enérguia.


"Por enquanto, essa ideia ainda se mantém. Devemos esperar algumas resoluções, e depois disso pode ser que isso seja levado para frente", disse.

No início deste, divulgou-se que o Brasil poderia abrigar o projeto Sea Launch, responsável por lançar alguns Zenit. Os lançamentos da plataforma marítima foram suspensos em 2014, divulgou-se a suspensão de lançamentos.

Aperfeiçoamento

O construtor explica que o aperfeiçoamento do porta-foguetes Angara-5 para o lançamento de naves espaciais tripuladas custará em torno de 10 bilhões de rublos (US$ 170 milhões), sem contar os gastos na infraestrutura terrestre.

"Planejamos realizar em torno de 2021 o primeiro lançamento do porta-foguetes Angara-5, que poderá colocar cosmonautas em órbita. Os primeiros lançamentos serão não tripulados, já que será preciso confirmar a segurança desse porta-foguetes em lançamentos reais", disse Medvedev.

Além disso, ele diz que os custos dos lançamentos do Angara em 2025 será quase 20% abaixodos do Proton-M.

"É preciso ter em mente que o preço de custo para a preparação do Angara-5 irá diminuir com o aumento da quantidade de artigos fabricados", explica.

Em dezembro do ano passado, o presidente russo Vladímir Pútin participou, por videoconferência, da cerimônia do primeiro lançamento experimental de um porta-foguetes Angara A-5.

Em meados de maio deste ano, o Ministério da Defesa da Rússia apelou ao Tribunal de Arbitragem de Moscou com um pedido de pagamento de 1,8 bilhão de rublos pelo Centro Khrunitchev.

O motivo do pedido não foi divulgado, mas sua relação com o recente acidente do porta-foguetes Proton que levou à perda do satélite mexicano MexSat-1 foi descartada, já que a ação foi iniciada antes do ocorrido.

Com material do jornal Vzgliad, do portal Rossbalt e da agência Tass.


Fonte: Site da versão em Português da Gazeta Russa - http://gazetarussa.com.br/

Comentário: Pois é leitor, já havíamos postado aqui no BLOG em abril que durante a LAAD os russos haviam apresentado essa proposta ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI (veja aqui). Entretanto, como disse em meu comentário na época, apesar de sempre ter defendido que a Rússia era o país certo e não a Ucrânia para uma cooperação espacial nesta área de foguetes, não só pelo seu histórico no espaço, seu compromisso com o seu Programa Espacial, o real desejo russo em se associar ao Brasil, bem como os exemplos bem sucedidos de parceria entre os russos e outras nações do mundo, sinceramente com os atuais debiloides que nos representam nessas negociações e os que os motiva não acredito que esta seja uma boa ideia, acho que o melhor para o Brasil seria focar no projeto do VLM-1, na finalização da parte baixa do VLS-1, nas tecnologias sensíveis em desenvolvimento na área de foguetes (como por exemplo, propulsão líquida, sólida, híbrida, nuclear, hipersônica e de tecnologias inerciais) do que se envolver num projeto como este capitaneado por esses energúmenos. Mas enfim... Aproveitamos para agradecer ao leitor Fabrício Tavares o envio desta notícia.

7 comentários:

  1. Acho que o governo não acredita muito na capacidade dos servidores que estão atuando, de terminar o VLS, por isso aposta em parcerias internacionais.

    ResponderExcluir
  2. Acho que o Governo está interessado em algo em que tire alguma vantagem e não no projeto espacial brasileiro.

    ResponderExcluir
  3. O Brasil foi convidado para o projeto Angara desde o início, as relações com a Rússia são boas.
    O programa espacial da Coréia do Sul é baseado no Angara.
    Se pessoas competentes e com conhecimento participarem das negociações inclusive com transferência de tecnologia, teremos ótimos resultados.

    Miraglia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Eng. Miraglia!

      Eu concordo contigo, o problema é que essas negociações não tem possibilidade nenhuma de serem motivadas pelas questões certas e muito menos de serem conduzidas por profissionais competentes e comprometidos. Em resumo, seria uma nova barca furada.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space).

      Excluir
  4. Angara em Alcântara ?
    Xi, acho bom a quilombozada reforçar o teto dos barracos.

    ResponderExcluir
  5. O problema no Brasil é que tudo vai bem até os políticos entrarem na jogada. Se se cria um projeto bilionário, em breve ele é loteado entre a corja de Brasilia.

    ResponderExcluir
  6. Angara em Alcântara ?
    Xi, acho bom a quilombozada reforçar o teto dos barracos.

    rs , rs , rs , se esse Foguete for Implantado mesmo em Alcântara será um Super Foguete de nível Alto, não vai ficar um quilombozada por perto , e quanto o teto dos barracos , não vai ficar um si quer barraco em pé , quanto mais os tetos dos mesmo ! .

    ResponderExcluir