DCTA Recebe Novos Servidores

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (22/07) no site do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) informando que o DCTA recebeu, ontem, 67 novos militares e servidores civis.

Duda Falcão

DCTA Recebe Novos Servidores em Atividade de Integração

22/07/2010

O Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial, em São José dos Campos, recebeu, no dia 21 de julho, 67 novos militares e servidores civis recém-chegados ao DCTA e órgãos subordinados.

Após as boas vindas do diretor-geral, tenente-brigadeiro-do-ar Ailton dos Santos Pohlmann, o grupo assistiu a palestras, dentre elas sobre os temas O DCTA e suas Organizações; Carreira Militar; e Ciência, Tecnologia e Inovação e o Campo Aeroespacial; também realizou visitas ao Memorial Aeroespacial Brasileiro e ao Grupo Especial de Ensaios em Vôo, encerrando o encontro com um tour pelo campus.

O evento, organizado pela área de recursos humanos do DCTA, foi dirigido a militares da ativa e em prestação de tarefa por tempo certo; e a servidores civis, alguns anistiados e reintegrados ao serviço público e outros concursados em 2009 para vagas da carreira de ciência e tecnologia.

Do grupo recebido, 29 são civis aprovados no último concurso; existe a previsão de uma nova atividade de integração com servidores ainda não apresentados, a ser realizada em agosto próximo.




Fonte: Site do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA)

Comentário: Grande notícia para o DCTA e espero que também para o Programa Espacial Brasileiro. Um dos grandes problemas para o desenvolvimento mais acelerado dos programas atualmente em curso no IAE, segundo o que deixou transparecer o coronel Kasemodel em sua entrevista ao blog em abril, é justamente a falta de servidores que agora parece está sendo solucionada. Vamos torcer que parte desses novos servidores possam ser encaminhados para os projetos do PEB.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial