segunda-feira, 17 de julho de 2017

UnB Realiza Teste de Motor-Foguete Híibrido

Olá leitor!

O Blog recebeu neste final de semana um release do Prof. Artem Andrianov (de origem ucraniana) do Laboratório de Propulsão Química da Universidade de Brasília (UnB),descrevendo o recente teste realizado por este laboratório de um motor-foguete híbrido. Vale a pena conferir.

Duda Falcão

Teste do Motor Foguete a Propelente
Hibrido Com Tempo de Operação
Acima de 40 Segundos

Prof. Artem Andrianov
UNB

No dia 11 de julho de 2017 a equipe do Laboratório de Propulsão Química da Universidade de Brasília (https://fga.unb.br/cpl) efetuou o teste de queima do motor foguete a propelente hibrido de baixo empuxo de 500 N. O tempo de operação do motor foi 41 segundos.
O teste faz parte do projeto cientifico-tecnológico financiado pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF) com objetivo final de proporcionar um tempo de operação a motores foguete a propelentes híbridos de pequeno porte, aplicando materiais de isolamento térmico desenvolvidos e manufaturados de forma customizada. Esses materiais são responsáveis pela proteção de componentes estruturais do superaquecimento do motor, proporcionando um elevado tempo de operação.

Para teste de longa duração foi usado o motor de testes modular a propelente híbrido, que tinha sido desenvolvido pela equipe do laboratório para o sistema de auxílio a reentrada da plataforma SARA (Satélite de Reentrada Atmosférica). O tempo de operação do motor de testes com combustível sólido de parafina, oxidante liquido de óxido nitroso e empuxo mínimo de 1 kN era de 12-14 segundos. O estudo experimental de isolantes térmicos foi motivado pela necessidade de aumentar o tempo de queima do motor de testes de cerca de 40 a 50 segundos. Neste caso como grão solido do motor deve ser usado material com baixa taxa de regressão, e a equipe aproveitou polietileno de alta densidade com o mesmo oxidante de oxido nitroso.

Vários tipos de isolantes térmicos em forma de materiais puros e compósitos reforçados pelas partículas ou fibras foram muito bem estudados e testados nos motores a propelente solido, onde o grão de propelente preenche quase todo volume do involucro, faz parte de proteção térmica, e assim, finalmente, permite melhorar condições de funcionamento do isolante térmico. A complexidade de aplicação dos isolantes térmicos nos motores a propelente híbrido de concepção amplamente proposta reside no fato de presença da pré- e pós-câmara em involucro de motor, cujos volumes não são preenchidos com propelente solido. Então o isolamento térmico do motor a propelente hibrido entra em contato com gases de combustão de alta temperatura e velocidade imediatamente após a ignição do motor. Têm outras dificuldades que a equipe do laboratório encontrou no projeto como, por exemplo, incapacidade de colar polietileno, alta taxa de regressão do polietileno no sentido axial do motor etc.

A equipe do laboratório por enquanto não divulga a composição do material compósito do isolamento usado no teste, desde que o projeto está em andamento e alguns objetivos não foram atendidos. Mas é importante acrescentar que este material não foi fabricado na base da resina fenólica, que é isolante eficiente por causa de sua alta resistência a temperatura e erosão, mas mesmo assim pode ser perigoso na hora de fabricação devido a toxidade de seus componentes. Os componentes do material de isolante testado são facilmente disponíveis no mercado comercial do Brasil, não são tóxicos e se caracterizam com propriedades tecnológicas boas. O componente da base de compósito tem boas propriedades mecânicas e térmicas e foi testado em 1950-1960 com sucesso nos motores de propulsão solida. Mas desde que apresentou problemas tecnológicos de baixa adesividade, o material não achou alta aplicabilidade como isolante térmico. Com colas modernas este problema foi resolvido.

Exame dos resíduos de isolante térmico após queima mostrou que o tempo de operação pode ser aumentado com uso de isolantes da mesma composição. O fator que limitou tempo de queima no teste era superaquecimento da tubeira de grafite, que tinha sido embutido no involucro de aço inox sem proteção térmica adicional. O teste foi parado quando temperatura na superfície externa cilíndrica da tubeira de grafite atingiu 800°C. A queima prolongada será possível após ajustar do desenho da parte traseira do motor, mas isso não é previsto pelo projeto. É necessário acrescentar que o Laboratório de Propulsão Química da Universidade de Brasília é mais um passo perto a desenvolvimento do motor foguete a propelente hibrido praticável.

Veja abaixo o vídeo desse teste:

2 comentários:

  1. Muito interessante!

    Duda, você sabe de algum e-mail que eu possa entrar em contato para questioná-los sobre o andamento do projeto SARA?

    Att,
    Everton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Everton!

      Veja bem, não tenho autorização para lhe passar este contato, e além do mais não creio que eles tenham essa resposta, e mesmo que tenham dificilmente eles lhe diriam algo. Entretanto, como eles devem estar acompanhando essa postagem, pode ser que eles lhe respondam. Vamos aguardar.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir