sexta-feira, 7 de abril de 2017

Brasil Quer Testar nos Próximos Anos Velocidade Hipersônica em Voo

Olá leitor!

Veja abaixo uma nota postada hoje (07/04) no site da Força Aérea Brasileira (FAB), destacando que o Brasil pretende testar nos próximos anos velocidade hipersônica em voo.

Duda Falcão

LAAD 2017

Brasil Quer Testar nos Próximos Anos
Velocidade Hipersônica em Voo

Estima-se que a tecnologia possa permitir cargas úteis com
até 15% do peso da decolagem de veículos espaciais

Por Ten Jussara Peccini,
Fonte: Agência Força Aérea,
07/04/2017 - 09:00h


Demonstrador do 14-X usado nos testes no túnel de vento.

Está previsto para iniciar em 2020 o teste em voo com o demonstrador tecnológico 14-X, protótipo usado pelo Instituto de Estudos Avançados (IEAV), em São José dos Campos (SP), para desenvolver estudos de um motor que possa atingir velocidades de 12 mil km por hora ou 3 km por segundo. Uma velocidade dez vezes mais rápida que o som.

“Queremos hoje sair do nível laboratorial e dar o grande salto que é para o nível de qualificação em voo dessas tecnologias”, afirma Israel Rêgo, gerente do Laboratório de Aerotermodinâmica e Hipersônica do IEAV. No local está instalado o maior túnel de vento (T3) da América Latina, onde são realizados os testes. Os registros são feitos com uma câmera de alta velocidade.

A tecnologia de propulsão hipersônica aspirada, que utiliza o ar atmosférico para a combustão, está entre os projetos apresentados pela Força Aérea Brasileira (FAB) na maior feira de segurança e defesa da América Latina. A tecnologia é nova e está em desenvolvimento por países como Estados Unidos e Austrália.

O objetivo é projetar, construir e ensaiar em solo e em voo duas tecnologias: a de uma aeronave – em que é estudado o efeitowaverider ou de sustentação hipersônica que permite voar na atmosfera – e a de um motor hipersônico – conhecido na comunidade científica comoscramjet, capaz de fazer voar a aeronave.


Pesquisadores estimam para 2020 início
de ensaios da propulsão hipersônica.

De acordo com o pesquisador, o projeto é estratégico para a FAB, pois pode revolucionar a propulsão de veículos espaciais. “O projeto Prohiper irá, dentro de 10 anos, oferecer à Força Aérea Brasileira um produto de defesa que permita realizar voos rumo ao espaço de maneira mais barata e levando mais carga útil”, analisa o pesquisador.

“O grande desafio com relação ao motor é conseguir demonstrar a operacionalidade da combustão hipersônica que é a fonte de energia para realização do voo”, complementa.

Como funciona - Um dos pesquisadores do projeto, o engenheiro aeroespacial Tenente Norton Assis, explica que o motor-foguete convencional tem de levar no seu interior tanto o combustível (álcool, hidrogênio ou querosene) quanto o oxidante (geralmente o oxigênio).


Laboratório de termodinâmica e hipersônica do IEAV.

Já o princípio de ação da combustão hipersônica utiliza o próprio ar como oxidante para a queima do combustível. A principal vantagem é que um motor aspirado precisa levar no interior apenas o combustível.

Estima-se que a nova tecnologia possa permitir cargas úteis com até 15% do peso da decolagem de veículos espaciais. Atualmente, são utilizados motores-foguete de múltiplos estágios não reutilizáveis, baseados em combustão química em que são necessários carregamentos de combustível e oxidante. Com essa configuração, o peso da carga útil, ou satélite, por exemplo, fica limitado a cerca de 5% do peso total do veículo lançador.

“O oxidante pode ser retirado do ar atmosférico, como um carro”, compara o engenheiro. “Isso reduz o peso total do veículo que será lançado e faz com que a carga útil possa ser mais pesada. Uma vez que ele não leva o oxidante no interior, o veículo torna-se mais seguro e essa redução de peso agrega mais eficiência”, ressalta.


Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

Comentário: E aí quando chegar em 2020, o que acontece, muda a previsão para 2025? Leitor, isto é uma grande fantasia infelizmente, não há compromisso na FAB para fazer esse projeto sair do papel. Não quero dizer com isso que os profissionais diretamente envolvidos não sejam sérios e capazes de realizar esta façanha, mas não há por parte de quem toma as decisões o firme proposito de realizar esta missão, se houvesse, ela já teria ocorrido. Vale lembrar que o voo atmosférico do veículo hipersônico 14X estava inicialmente previsto para 2011 como fartamente anunciado na mídia na época, depois passou para 2013 e desde então à FAB não fez mais qualquer previsão até este momento. Quando estive em 2010 visitando as instalações do Laboratório de Aerotermodinâmica e Hipersônica Prof. Henry T. Nagamatsu do Instituto de Estudos Avançados (IEAv), sair de lá muito impressionado com o que me foi apresentado, mas um pouco cético quanto a realização deste projeto, pois não sentir nos pesquisadores esta confiança. Agora a FAB aproveita a LAAD 2017 para jogar esta nova previsão ao vento??? Tenha dó, essa gente deveria ter mais responsabilidade com que divulga, estão seguindo pelo mesmo caminho do jogo de desinformação utilizado por esses vermes populistas de merda. Lamentável!

5 comentários:

  1. Bem que no Brasil poderia ter um desses bilionários pirados que adoram torrar dinheiro em algo que não de lucro a pequeno e médio prazo que nem o Elon Musk, apesar do mesmo exagerar nos prazos que ele dá, faz falta uma pessoa assim. Querendo ou não ele esta fazendo algo co a SpaceX e incentivando outros a correrem atrás

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mano, se eu fosse bilionário eu teria coragem de fazer essas coisas kkkkkkk o problema é que estou devendo até pro cheque especial kkkk

      Excluir
  2. 2020 é o ano "X" pra todos projetos que estão sendo feitos hahahaah. Pena que é tudo fantasia.

    ResponderExcluir
  3. A FAB é o paraíso dos cajuzinhos, brigadeiro lá é raro...
    O que esperar de uma instituição que o próprio patrono (Eduardo Gomes) tentou destruir o CTA no nascedouro.
    Duvida ? Leia o livro Montenegro de Fernando Moraes.
    A FAB tem 1 Montenegro e 1 Piva para cada 1000 cajuzinhos.

    ResponderExcluir