segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Brasil Concentra Seu Investimento Tecnológico em Um Novo Acelerador de Partículas

Olá leitor!

Segue abaixo um artigo muito interessante sobre o Projeto Sirius publicado hoje (09/01) no site “Defesanet.com” destacando que o Brasil irá concentrar o seu investimento tecnológico neste novo acelerador de partículas.

Duda Falcão

TECNOLOGIA

Brasil Concentra Seu Investimento Tecnológico
em Um Novo Acelerador de Partículas

Revista Época
09 de Janeiro, 2017 - 10:40 ( Brasília )


Quem circula pelo polo de alta tecnologia de Campinas, no interior de São Paulo, cruza estradinhas bucólicas pontuadas pelos campi de algumas grandes empresas. São, na maioria, instalações de concreto, cercadas por imensos estacionamentos e quase monótonas quando vistas pelo lado de fora.

Um prédio branco salta à vista: parece um estádio de futebol construído em um lugar improvável. "Aqui do meio é que você tem uma noção do real tamanho do prédio", diz o engenheiro Oscar Vigna, um homem alto e vermelho, queimado das muitas horas passadas sob o sol, supervisionando as obras do prédio que vai abrigar o Sirius, um equipamento que funciona como um microscópio gigante.

A máquina tem um nome complicado: acelerador de partículas do tipo síncrotron. É a ferramenta que os cientistas usam para entender a estrutura atômica das substâncias com as quais vão trabalhar.

Algo importante para o desenvolvimento de novos medicamentos, para o aprimoramento de materiais usados na construção civil, na exploração de petróleo e em uma infinidade de outras áreas. Uma máquina imensa, usada para desbravar universos em miniatura. Quando estiver pronto, o Sirius acumulará números parrudos.

O prédio de 68.000 metros quadrados abrigará um equipamento com formato de anel e circunferência de 500 metros. Para proteger as pessoas da radiação liberada pelo funcionamento da máquina, planejada para ser a mais avançada desse tipo em todo o mundo, o conjunto será blindado por 1 quilômetro de paredes de concreto. Uma barreira com 1,5 metro de espessura e 3 metros de altura.

Dos números do Sirius, o que mais impressiona é o preço: R$ 1,5 bilhão. É o projeto científico mais ambicioso já levado a cabo no Brasil. Ou é essa a esperança de seus construtores. Sua construção ainda está em andamento.

Espera-se que esteja pronto em 2019. E, com a crise econômica e política que aflige o Brasil, o gigantismo do projeto parece ameaçado. "O Sirius é prioritário, mas seria ingenuidade nossa dizer que não há preocupação", afirma o físico António José Roque, diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (Laboratório Nacional de Luz Síncrotron), que encabeça o projeto.

Desde que o Sirius começou a ser discutido em Brasília, em 2008, a ciência nacional foi do melhor ao pior dos mundos. Entre 2000 e 2013, as verbas para fazer ciência no Brasil cresceram a patamares inéditos para depois despencar, levadas pelos reveses econômicos do segundo governo Dilma. Cientistas deixaram o país e projetos foram postos de lado.

O Ministério da Ciência não admite que o Sirius esteja ameaçado: "Num momento como o atual, um projeto como o Sirius traz oportunidades que ajudam o Brasil a sair da crise", diz a Pasta em nota. Manter as obras dentro do cronograma exigirá repasses de RS 500 milhões em 2017, nos cálculos do pessoal do LNLS. Mas a primeira versão de 2017, encaminhada pelo governo ao Congresso, fala em destinar apenas R$ 365 milhões. Em 2016,0 orçamento proposto pelo governo - R$ 270 milhões - já sofrera reduções. Fechou em RS 182 millhões.

O Brasil já conta com um acelerador de partículas, o UVX, também localizado em Campinas. O projeto começou em 1985, por iniciativa dos físicos Ricardo Lago e Ricardo Rodrigues. Foi inaugurado em 1997 com pompa e a presença do então presidente Fernando Henrique Cardoso.

Era o início do LNLS, uma instalação com tecnologia avançada e - coisa inédita no Brasil -aberta para ser usada por pesquisadores de qualquer universidade ou empresa do país e do mundo. Seus construtores entraram para a história do laboratório como heróis improváveis: em um país assolado pela inflação, puseram de pé um equipamento único em toda a América Latina e raro no mundo inteiro.

Mas, no começo dos anos 2000, a máquina dava sinais de cansaço. A tecnologia avançara e o UVX ficara obsoleto, em comparação a outros síncrotrons espalhados pelo mundo."Nós sabíamos que precisávamos construir um acelerador novo", diz José Antônio Brum, diretor do LNLS entre 2001 e 2008. "Era isso ou fechar as portas." Em 2008, Brum pediu à equipe do laboratório que desenhasse um pré-projeto do novo acelerador. A proposta foi entregue ao então ministro da Ciência, o físico Sérgio Rezende, durante uma visita ao laboratório.

As avaliações preliminares adiantavam que seria um projeto caro, de RS 600 milhões. Rezende não se incomodou: "Eu disse ao Brum: "Vá em frente, que a gente arruma o dinheiro" afirma o ex-ministro.

A ciência brasileira vinha de uma sequência de anos bons. A virada que tornaria o Sirius possível começara em 1999, quando o governo FHC criou os fundos setoriais para ciência e tecnologia. Alimentados por impostos cobrados a certos setores industriais, eles abasteceriam o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) -hoje, a principal fonte federal para financiamento de pesquisas. Na época, a maior parte do valor do fundo estava contingenciada.

O bloqueio cairia aos poucos, em grande parte graças à pressão de Eduardo Campos, que comandou a Pasta entre o inicio de 2004 e meados de 2005. Em 2004, o contigenciamento chegava a 57% do fundo. Em 2010, o valor integral estava disponível para ser aplicado. O orçamento do Ministério da Ciência crescia - com uma ligeira regressão em 2011."Havia recursos para todo o sistema", diz Rezende. "Estávamos em posição confortável para aprovar bons projetos."

Os esforços do país durante a primeira década do século haviam ganhado reconhecimento internacional. A revista Science publicou, em 2010, um artigo que destacava os bons resultados dos cientistas brasileiros: o número de crescia.

Com o apoio do governo, o projeto do Sirius engrenou. Em 2009, o físico Antônio fosé Roque, professor da Universidade de São Paulo, assumiu a direção do LNLS, Entusiasmado, tornou a construção do Sirius a prioridade do laboratório.

Conseguiu, inclusive, trazer o pioneiro Ricardo Rodrigues para o projeto - em 2001, depois de se desentender com a direção da instituição, Rodrigues deixara o LNLS. Turrão, convencê-lo a voltar consumiu três almoços distribuídos ao longo de um mês, "Poucas pessoas no mundo construíram um acelerador do começo ao fim" diz Roque.

E Rodrigues era uma delas. Em 2012, o projeto estava maduro, e a equipe convidou um comitê internacional para avaliar a qualidade do trabalho. Na mesma época, na Suécia, o governo começava a construção de um síncrotron de quarta geração — uma máquina que estaria anos à frente do UVX ou mesmo do Sirius.

Para não perder a corrida tecnológica, a equipe de físicos aceitou o desafio de mudar o projeto. ""Sabíamos que dava para fazer algo melhor", diz Liu Lin, líder da equipe de física de aceleradores. "Aquele era o pretexto que faltava." Durante um mês, a equipe de Lin trabalhou em ritmo de maratona, das 9 às 22 horas.

Chegaram a um projeto que tornaria a máquina brasileira a mais brilhante do mundo - até mais que a sueca. Mas o custo cresceu. O Sirius custaria R$ 1,5 bilhão. Em 2012, a cifra não assustou o Ministério da Ciência e Tecnologia. O Sirius sairia do papel, ainda que o Brasil destinasse menos à pesquisa e ao desenvolvimento do que a média mundial.

Naquela época, na soma dos investimentos privados e públicos, chegávamos a 1,62% do PIB contra 2,13% em média no mundo. Mas os recursos federais, crescentes nos anos anteriores, garantiam financiamento constante para pesquisa. "A ciência brasileira vive aos soluços e 2013 foi nosso último ano bom", diz Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

As dificuldades que se seguiram foram resultado de uma mistura infeliz de problemas econômicos e planejamento ineficaz. A partir de 2014, mudaram as regras para a distribuição dos royalties do petróleo - parte dos recursos foi redirecionada ao Fundo Social, que não tem relação com ciência. Em meio às dificuldades, a comunidade científica se ressentiu da decisão do governo de usar recursos do FNDCT para financiar o programa Ciência sem Fronteiras.

Originalmente, o programa — que bancava o intercâmbio de alunos de graduação em universidades estrangeiras — deveria receber recursos de um fúndo próprio. Para a comunidade acadêmica, ele ca-nibalizava o dinheiro disponível para a ciência. Como forma de conter gastos, o governo diminuiu o orçamento do Ministério da Ciência. Para piorar, afetadas pela crise, as agências financiadoras estaduais - que tiram uma percentagem dos impostos arrecadados pelos Estados - também ficaram na penúria.

Em 2016, numa iniciativa que pegou desprevenida a comunidade brasileira de pesquisadores, o presidente Michel Temer fundiu o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação com o Ministério das Comunicações.

Hoje, os cientistas do país temem os efeitos do teto de gastos no volume de verbas destinadas a pesquisa. Mesmo nesse contexto de penúria nacional, as obras do Sirius prosseguiram porque, em 2015, quando o Ministério da Ciência já amargava seu menor orçamento em nove anos, o então ministro Aldo Rebelo garantiu a inclusão das obras do Sirius no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Para o governo, o projeto deveria ser tratado como prioridade.

Em meio a uma crise econômica, faz sentido apostar tão alto?"É importante que o Brasil tenha objetivos ambiciosos", diz Caetano Penna, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e especialista em política científica. "O Sirius é um desafio tecnológico que exige o envolvimento de empresas inovadoras", diz Penna. A construção do Sirius depende da colaboração do LNSL com, ao menos, 40 empresas nacionais. Elas terão de fabricar os componentes que vão compor o acelerador - peças complexas, cuja fabricação exigirá que invistam no desenvolvimento de novas tecnologias de produção. "O mais perto disso já visto no Brasil foi a conquista das águas prolundas pela Petrobras", diz Penna.

Há um consenso entre os pesquisadores brasileiros de que o acelerador deve ser concluído. Na maior parte do mundo desenvolvido existe uma vaga noção de que investimento em ciência significa crescimento econômico futuro. Em 2009, quando a economia americana patinava, o presidente Barack Obama anunciou que destinaria US$ 21 bilhões adicionais para atividades de pesquisa e desenvolvimento científico, como parte de seu plano de recuperação da economia.

Não há um consenso quanto ao retorno desse esforço - os economistas não sabem dizer se US$ 1 aplicado em ciência resultará em US$ 1 ou mais no futuro. Mesmo assim, na esteira da crise de 2008, países como Austrália, Canadá, Alemanha e Suécia seguiram o exemplo americano e aumentaram o financiamento para pesquisa.

O Brasil não faz isso. Reduziu investimentos científicos na crise. Mas, se o Sirius for até o fim, isso poderá talvez indicar que o país passou a ver ciência como investimento, e não despesa.


Fonte: Site Defesanet.com - http://www.defesanet.com.br

Comentário: Pois é leitor, eu acho esse projeto fantástico e não resta dúvida nenhuma que pode realmente ajudar a Ciência Brasileira dar um salto muito grande nos próximos anos. Inclusive nas áreas de pesquisas e desenvolvimento espacial. Quando o projeto foi apresentado à Sociedade Brasileira eu sinceramente não acreditava que o mesmo saísse do papel, mas a construção do acelerador seguiu e atingiu até agora um estagio que eu não acreditava que fosse possível. Porém, a continuidade de sua construção é uma grande incógnita e eu duvido muito que o mesmo fique pronto em 2019 e ao preço que foi orçado inicialmente. Enfim...

2 comentários:

  1. Então acredite Duda, o pessoal do LNLS são uma das classes de cientistas mais sérias do Brasil, eles são respeitados no mundo inteiro. Tenho acompanhado a construção desse projeto dia a dia e posso afirmar que é impressionante a rapidez em que eles subiram o prédio desde o zero em janeiro de 2015.
    Deixo Aqui o link da câmera ao vivo do local para acompanhar as obras a quem interessar, é só atualizar a página constantemente


    http://timelapse.cnpem.br/timelapse.jpeg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rodrigo!

      O problema não são os cientistas, estes certamente estão comprometidos. O problema são os políticos que tem o poder de a qualquer momento secar a fonte e colocar tudo a perder. Exemplos não faltam para este temor.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir