sábado, 19 de novembro de 2016

Embaixador de Portugal Propõe ao MCTIC o Fortalecimento da Cooperação Científica

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada ontem (18/11) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), destacando que o Embaixador de Portugal propôs ao MCTIC o fortalecimento da Cooperação Científica.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

Embaixador de Portugal propõe ao MCTIC
o Fortalecimento da Cooperação Científica

O ministro Gilberto Kassab reafirmou o compromisso e o entusiasmo
na parceria entre Brasil e Portugal, que inclui a participação de cientistas
brasileiros no Centro de Pesquisa Internacional dos Açores.

Por Ascom do MCTIC
Publicação: 18/11/2016 | 08:40
Última modificação: 18/11/2016 | 15:51

Crédito: Ascom/MCTIC
O embaixador de Portugal no Brasil, Jorge Cabral, foi recebido
pelo ministro Gilberto Kassab em audiência no MCTIC.

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, recebeu nesta quinta-feira (11) o embaixador de Portugal no Brasil, Jorge Cabral. Recém-chegado ao país, esta é a primeira vez que o embaixador visita o ministério. Na audiência, Jorge Cabral enfatizou que o MCTIC é, no governo brasileiro, a pasta que mais possui projetos de cooperação com Portugal e se colocou à disposição para fortalecer a parceria.

O ministro Kassab reforçou ao embaixador o forte compromisso do MCTIC em estreitar as relações com Portugal. "Estamos totalmente engajados em dar sequência, aprofundar e fortalecer todos os nossos projetos e parcerias", disse. "Estamos entusiasmados em consolidar os laços entre os países na áreas de inovação, pesquisa, tecnologia e comunicações, com a devida atenção que os temas merecem."

Nesta quarta-feira (16), Kassab assinou com o governo português um convênio para internacionalizar as startups brasileiras.

Ainda em novembro, Brasil e Portugal assinaram, em cerimônia no Palácio do Planalto, memorandos para intensificar a cooperação bilateral. Os acordos incluem o Centro de Pesquisa Internacional dos Açores (AIR Center, na sigla em inglês), que terá a participação brasileira para impulsionar as pesquisas nas áreas espacial e marinha. A solenidade foi realizada no âmbito da Cimeira Brasil-Portugal com a participação do presidente Michel Temer e do primeiro-ministro de Portugal, Antônio Costa.

Os acordos assinados entre os dois países preveem ainda o intercâmbio científico em física de partículas, astropartículas e cosmologia; o fortalecimento da cooperação em computação científica e nanociências por meio da parceria entre instituições de pesquisa; sistemas sustentáveis de energia e mobilidade, incluindo fontes de combustíveis e energias renováveis, redes inteligentes de energia e formas inovadoras de mobilidade urbana de baixa emissão de carbono; atividades de divulgação e popularização da ciência; cooperação em ciência aberta, ampliando o acesso a repositórios digitais brasileiros e portugueses; e a pesquisa em agricultura de precisão.

Proximidade

No começo de novembro, o ministro Kassab se reuniu com o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal, Manuel Heitor, e definiram os próximos passos da parceria em torno do Centro de Pesquisa Internacional dos Açores (AIR Center, na sigla em inglês), ao acertar um encontro acadêmico e empresarial na própria ilha.

Na ocasião, ainda foi proposta a realização da 1º Semana de Ciência Brasil-Portugal, com lançamento planejado para junho, no Brasil. Os ministros se encontraram pela primeira vez em 5 de setembro, em São Paulo, para celebrar os 30 anos do acordo bilateral em ciência e tecnologia. Na ocasião, a delegação portuguesa apresentou o projeto do AIR Center a representantes da Agência Espacial Brasileira (AEB), em Brasília, e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos. De localização geográfica estratégica, o centro de pesquisa tem infraestrutura para abrigar uma base espacial, instalações para medição de radiação atmosférica e um departamento de oceanografia e pesca.


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC)

Comentário: Caro Embaixador Jorge Cabral, tendo em vista que o senhor seja realmente uma pessoa séria e que veio ao Brasil com o intuito de buscar parcerias que ajude no desenvolvimento de sua sociedade e de seu país, devo-lhe dizer que vá com calma, não siga com tanta sede ao pote. O senhor esta chegando agora e não conhece como a banda toca nos bastidores de Brasília. O Ministro Gilberto Kassab é uma espécie de Rainha da Inglaterra, e mesmo que seja uma pessoa séria (algo que duvido muito) sua função é executar as politicas para o setor que representa, determinadas que são pelo Governo Central, justamente como ocorre em países supostamente sérios e organizados. Porém, com um importante detalhe, aqui não há o menor compromisso do Governo Central com o setor de C&T, até houve certo compromisso durante o Governo do humorista LULA, mas sabe-se lá há que preço e muito provavelmente jamais saberemos. Em outras palavras Ministro Jorge Cabral, o que o Ministro Kassab diz, assina, ou se compromete, não tem a menor garantia de compromisso, pois quem definirá o que deve ser ou não ser executado será o Governo Central, que como já lhe disse não tem o menor compromisso em construir nada, há não ser os seus próprios interesses nefastos de cunho populista. Tenha em mente Ministro Jorge Cabral que o Brasil é um Território de Piratas e não uma nação séria, portanto, não se deixe levar pelo seu aparente gigantismo e posição geopolítica alcançada nos últimos anos, pois é tudo pura fachada, sendo gigante apenas no tamanho, mas tendo a frente uma sociedade dominante de moral altamente discutível. Abra o olho Ministro Jorge Cabral e também a Sociedade Portuguesa, vocês podem com esta iniciativa estarem jogando décadas de desenvolvimento num atraso irreparável. Se fosse vocês procuraria um país que pelo menos tenha compromisso com o setor de C&T e espacial. Na América do Sul eu sugeriria a Argentina.

2 comentários:

  1. Embora não seja autoridade no assunto,atrevo-me a dizer que tem razão em gênero,número e caso.

    ResponderExcluir
  2. Oura coisa é que estamos fazendo tantos acordos superficiais com tanta gente que vai faltar gente e recursos até para os compromissos sociais.Estamos atirando para todos os lados e correndo atrás de todos os coelhos.Isto é apenas demonstração da nossa falta de objetividade e de seriedade.Uma parceria com os argentinos seria ótima para eles e para nós.Poderíamos somar recursos e dividir custos.Mas esta infelizmente não virá.

    ResponderExcluir