quinta-feira, 29 de julho de 2010

IAE: Apoio a Pesquisa e Desenvolvimento

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada na nova edição da Revista Espaço Brasileiro (Abr. Mai. Jun. de 2010), destacando o apoio realizado pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), nas pesquisas e desenvolvimentos de tecnologias associadas a foguetes de sondagens, veículos lançadores de satélites e módulos de experimentos espaciais.

Duda Falcão


IAE: Apoio a Pesquisa e Desenvolvimento


O IAE apóia o desenvolvimento de

tecnologias, materiais e sistemas associados

a veículos lançadores de satélites, a foguetes de

sondagens e a módulos de experimentos espaciais


Raíssa Lopes/CCS

O Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) abre, anualmente, chamadas para projetos relacionados à Ação 6704 – Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) em Tecnologias Associadas a Veículos Lançadores. Os projetos devem custar até R$ 150 mil e durar entre 18 e 30 meses. Criado em 2005, a ação já contemplou 71 projetos, nas seis chamadas realizadas.

Segundo a assessora em P&D da Vice Direção do Espaço do IAE, Ana Marlene Morais, doutora em Engenharia Química pela Universidade de Campinas (UNICAMP), o objetivo é desenvolver tecnologias, materiais e sistemas associados a veículos lançadores de satélites, a foguetes de sondagens e a módulos de experimentos espaciais, como forma de se buscar autonomia por meio de execução de projetos com escopo e equipes bem definidas.

Dos 71 projetos aprovados, 35 foram concluídos, 22 estão em andamento, seis foram transferidos em função de similaridades com outras ações e oito foram cancelados. Ana Marlene diz que os projetos concluídos apresentam uma vasta gama de resultados que podem ser classificados, quanto ao seu produto, como estudo e simulações; modernizações de instalações; novas técnicas e materiais.

Em 2007, ao perceber que a maior parte dos projetos não conseguiria ser concluída no prazo previsto devido à dificuldade em adquirir materiais e serviços, o IAE criou outra categoria de projetos denominada “Projetos Pró-Grupos de Pesquisa”. O objetivo foi preparar toda a infra-estrutura laboratorial e capacitar as equipes para que os projetos fossem cumpridos no prazo. Esses projetos também foram admitidos por meio de chamadas anuais. O primeiro Projeto Pró-Grupo, denominado “Capacitação para Verificação e Validação de Software Espacial Embarcado”, foi concluído em 2009.

O IAE pretende estabelecer mais uma categoria de projetos – os “Projetos para Infusão de Tecnologias”, com o intuito de apoiar as equipes que necessitam de mais recursos para adquirir o grau de maturidade necessário para facilitar a aplicação das tecnologias desenvolvidas.



Benefícios - Ana Marlene acredita que a Ação 6704 gera grande motivação para o pesquisador, “pois assegura recursos individualizados e dá autonomia a ele”. O programa permite, ainda, a participação do pesquisador em eventos científicos e visitas técnicas a outras instituições, sempre alinhadas aos projetos desenvolvidos.

“A sistemática de trabalho está bem estabelecida e a carteira de projetos apresenta um fluxo constante de admissão e conclusão de projetos”, diz Ana Marlene. Aliada a esse processo, a Ação permitiu o fortalecimento das Atividades Científicas e Técnicas Correlatas – com destaque para as atividades relativas à gestão da informação, como a organização de seminários, edição de um periódico científico e outros processos de gestão do ambiente de pesquisa no IAE.

Ana Marlene explica que além das tecnologias desenvolvidas e disponibilizadas em prazos mais curtos, essa Ação atua de forma importante nos processos de gestão do ambiente de pesquisa no IAE. A Ação contribui, também, para implantação da cultura de gerenciamento por projetos de acordo com as normas preconizadas pelo Project Management Institute (PMI) e permite o treinamento em todas as gestões necessárias para gerenciamento de um projeto, destacando-se as gestões de aquisição, de escopo e de prazo. “O mais importante é que a Ação capacita pesquisadores para gerenciar projetos de maior porte do Programa Espacial Brasileiro”, afirma.

Os projetos aprovados são realizados por equipes inscritas em grupos de pesquisa que buscam a atualização da infraestrutura e a capacitação de seus membros para realização de projetos que disponibilizem tecnologias e conhecimento continuamente. “Os grupos de pesquisa facilitaram a interação com instituições de ensino. Esse ambiente organizado de pesquisa deu visibilidade às competências do instituto facilitando o acesso as instituições para atendimento de solicitações de novos desenvolvimentos”, completa Ana Marlene.



Fonte: Revista Espaço Brasileiro - num. 9 - Abr. Mai. Jun. de 2010 - págs. 14 e 15

Comentário: As informações dessa matéria são animadoras e já havia ouvido falar desta Ação 6704. No entanto, nos parece que os recursos repassados a mesma pelo MCT/AEB são bastante tímidos e deixa ainda muito a desejar, levando-se em conta os custos financeiros de desenvolvimento necessários para essa área que a ação se propõe atuar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário