terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Nanosatélite ITASAT é Lançado da Base de Vandenberg, na Califórnia (EUA)

Olá leitor!

Segue abaixo a nota oficial postada ontem (03/12), no site da Força Aérea Brasileira (FAB), tendo como destaque o lançamento bem sucedido do nanosatélite brasileiro ITASAT-1, ocorrido no dia de ontem da Base de Vandenberg, na California (EUA).

Duda Falcão

ESPAÇO

Nanosatélite ITASAT é Lançado da Base
de Vandenberg, na Califórnia (EUA)

Este é o primeiro satélite brasileiro a levar a bordo o software
de controle de atitude totalmente projetado no Brasil

Por Ten. Raquel Alves
Revisão: Capitão Landenberger
Edição: Agência Força Aérea
Publicado: 03/12/2018 - 18:00

Lançamento do ITASAT ocorreu nesta segunda-feira (03).

O nanossatélite ITASAT, desenvolvido pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), foi lançado, nesta segunda-feira (03), da Base de Vandenberg, na Califórnia, Estados Unidos, às 16h30, horário de Brasília. Durante o lançamento, a mais de 20 mil quilometros por hora, o foguete Falcon 9, veículo lançador, levou a bordo um cubesatélite brasileiro.

No Brasil, autoridades e pesquisadores ligados ao projeto acompanharam, em tempo real, o lançamento. “Nossos projetos sempre trazem excelentes resultados, pois criam condições para nossas equipes trabalharem com veículos reais na área espacial. Sinto-me realizado vendo mais um nanossatélite lançado com sucesso”, destaca o gerente do projeto e professor do ITA, Luis Eduardo Loures.

O projeto, fomentado pela Agência Espacial Brasileira (AEB), foi configurado em 2012 para o padrão CubeSat, um tipo de satélite em miniatura usado para pesquisas espaciais, e, em 2016, foi totalmente integrado para voo, mas devido a falhas ocorridas nos lançadores teve seu lançamento adiado para 2018.

ITASAT acoplado ao foguete Falcon 9.

O ITASAT é o primeiro CubeSat 6U desenvolvido pelo ITA e surgiu com a finalidade primária de formação de recursos humanos para o setor aeroespacial. O projeto foi bem-sucedido em todas as etapas de desenvolvimento, sobretudo por formar profissionais que atualmente trabalham em instituições como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), ITA e indústrias do setor aeroespacial.

O satélite tem como cargas úteis um transponder de coleta de dados desenvolvido pelo INPE de Natal (INPE/CRN); um receptor GPS desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em parceira com o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); uma câmera comercial com resolução de 80m por pixel no espectro visível; e um experimento de comunicação com a comunidade de radioamadores. Experimento este que permite o armazenamento e posterior envio de mensagens de radioamadores.

O ITA foi o responsável pelo desenvolvimento da plataforma, bem como pela integração e testes das cargas pagas. O ITASAT é o primeiro satélite brasileiro a levar a bordo o software de controle de atitude totalmente projetado no Brasil. Com o ITASAT, a equipe de desenvolvimento do ITA ganhou maturidade para propor o desenvolvimento de uma plataforma de CubeSat para aplicação em projetos futuros.

Sobre a Missão de Lançamento

O veículo lançador levou 15 microssatélites e 56 cubosats de entidades comerciais e governamentais, dos quais mais de 30 são de organizações internacionais de 18 países: Estados Unidos, Austrália, Itália, Holanda, Finlândia, Coréia do Sul, Espanha, Suíça, Reino Unido, Alemanha, Jordânia, Cazaquistão, Tailândia, Polônia, Canadá, África do Sul, Brasil e Índia. Entre as cargas a bordo, 23 são de universidades, 19 são satélites de imagens, 23 são demonstrações de tecnologia, duas são exposições de arte e uma é de ensino médio.


Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

Comentário: Pois é eleitor, o Blog BRAZILIAN SPACE gostaria de parabenizar a todos os professores/coordenadores (David Fernandes, Eloi Fonseca e por ultimo o leão Luís Eduardo Loures da Costa) e a todos os alunos que participaram deste projeto ao longo de quase 10 anos. Parabéns e ficamos aqui na torcida para que essa equipe possa alçar objetivos cada vez maiores no desenvolvimento de satélites. Sucesso com os próximos projetos SPORT (uma parceria com o INPE e a NASA) e a tão esperada sonda lunar Garatéa-L.

2 comentários:

  1. Parabéns a todos. Espero que o Brasil nos próximos anos saia do marasmo tecnológico e se tornar competitivo internacionalmente.

    ResponderExcluir
  2. vamos aguardar 2019 , testes no motor S-50 entre abril a maio de 2019 e um lançamento no final do ano de 2019 do VS-43

    esperamos que 2019 o nosso PEB consiga dar essa grande salto para o tão esperado vôo Orbital Brasileiro , que desde 1957 , consiga o Brasil repetir o que o Russos fizeram no século XX , nossssaaaa! , como demorou ! , ou melhor ainda vai demorar, eu acho tudo isso um grandíssimo absurdo, mas antes muito tarde , do que nunca.

    ResponderExcluir