quarta-feira, 1 de agosto de 2018

CEMADEN Usa Tecnologia Para Monitorar a Seca no Semiárido

Olá leitor!

Segue agora uma nota postada dia (27/07) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) destacando que o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN) apresentou durante a “70ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)”, o uso da tecnologia de Monitorização da Seca no Semiárido.

Duda Falcão

CEMADEN Usa Tecnologia Para
Monitorar a Seca no Semiárido

São 595 plataformas de coleta de dados espalhadas pelos 9 estados do Nordeste,
que reúnem informações como umidade, temperatura do solo e radiação solar.

Por ASCOM
Publicado 27/07/2018 - 12h36
Última modificação 27/07/2018 - 12h38.

Foto: Ascom/MCTIC
Coordenadora de Relações Institucionais do CEMADEN,
 Regina Alvalá, fala sobre as ferramentas para
 monitoramento da seca na SBPC

A tecnologia é uma importante aliada para o monitoramento da seca no semiárido brasileiro, e o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN) possui uma série de ferramentas para fazer este acompanhamento. Os recursos foram apresentados nesta sexta-feira (27) na 70aReunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência em Maceió (AL).

Segundo a coordenadora de Relações Institucionais do CEMADEN, Regina Alvalá, há 595 plataformas de coleta de dados (PCDs) espalhadas pelos nove estados do Nordeste, que reúnem informações como umidade e temperatura do solo e a quantidade de radiação solar incidente. Além disso, o CEMADEN utiliza dados de satélites que agregam informações sobre a cobertura vegetal.

"Reunimos todos esses dados e rodamos nossos modelos climáticos para entender o grau de seca que acomete essa região do Brasil. É importante termos atenção a ela, pois já entra no sétimo ano com características de seca no semiárido como um todo. E a tecnologia nos permite auxiliar as populações dessa região, principalmente na questão da água, que é um recurso escasso e fundamental", explicou Regina.

As informações coletadas pelo CEMADEN ajudam, por exemplo, os agricultores. Por meio de um aplicativo chamado Seca-Wiki, agricultores familiares da região enviam fotos e dados sobre o cultivo e o manejo agrícola. Esses dados são cruzados com os coletados pelas PCDs e por satélites. Após análise, os especialistas do CEMADEN emitem alertas de quando será necessário irrigar a plantação, evitando a quebra de safras e auxiliando no desenvolvimento econômico.

"Juntamos tudo isso e conseguimos inferir o índice de estresse hídrico para a agricultura.

Assim, repassamos a informação para o agricultor saber quando irrigar, para que ele não desperdice esse recurso tão importante e escasso na região.

As informações compiladas pelo CEMADEN são disponibilizadas mensalmente no Relatório de Secas e Impactos do Semiárido. O material pode ser acessado nesta página


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC)

Nenhum comentário:

Postar um comentário