sexta-feira, 1 de junho de 2018

IEAv Recebe Comitiva da 6ª Sub-Chefia do EMAER a Fim de Discutir Desafios Tecnológicos e Propor Novos Projetos

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada recentemente no site do “Instituto de Estudos Avançados (IEAv)” destacando o instituto recebeu comitiva da 6ª Sub-Chefia do EMAER a fim de discutir desafios tecnológicos e propor novos projetos.

Duda Falcão

Instituto de Estudos Avançados Recebe Comitiva da 6ª Sub-Chefia do EMAER a
Fim de Discutir Desafios Tecnológicos
e Propor Novos Projetos

IEAv


A capacidade de antever o futuro é atributo fortemente requerido por toda instituição que semeia para o porvir. Vislumbrar o cenário desejado, alocar metas convergentes, modelar atitudes de perseverança e de disciplinamento intelectual são requisitos que levam à obtenção de resultados consistentes, que permitem dotar de realidade o futuro concebido.

É nesse intento que o Instituto de Estudos Avançados (IEAv) formula os seus Roadmaps e o seu Plano Estratégico, os quais aglutinam metas estruturantes, agregam valor aos combatentes, geram elevada assimetria de Poder Aeroespacial e difundem poder e capacidade, baseados em capacidades e competências, para o futuro, passando sempre por realizações presentes. O desenho de futuro que perseguimos e buscamos todos os dias guarda identidade com a celeridade de nossa própria evolução e conquistas.

Foi buscando realizações nesse contexto que o IEAv recebeu em abril a visita de uma comitiva da 6ª Sub-Chefia do Estado-Maior da Aeronáutica, composta pelo Exmo Sr MB do Ar Almeida, Cel Int R1 Modesti, Ten Cel Av Wagner e Maj Av Ricardo, a fim de conhecer os projetos estratégicos desenvolvidos no Instituto e poder conferir, “in loco” nos laboratórios, o andamento e resultados das pesquisas.

Na ocasião, o Cel Av Lester de Abreu Faria, Diretor do IEAv, fez uma apresentação inicial mostrando os avanços de cada um dos projetos, os óbices, custos e possíveis ganhos tecnológicos para a FAB e para o Brasil, visto que, na sua maioria, os projetos têm  aplicação dual.


Após a apresentação, a comitiva foi encaminhada para os laboratórios a fim de ouvir pessoalmente do Gerentes de Projetos e Pesquisadores a evolução de suas linhas de pesquisas e possíveis aplicações em prol da Força Aérea e das empresas brasileiras na área de CT&I.

Segundo o Cel Av Lester de Abreu Faria, Diretor do Instituto, eventos como este mostram que o IEAv está claramente alinhado e atendendo às expectativas expressas na Concepção Estratégica da FAB, a qual ressalta a importância da Ciência e Tecnologia para os objetivos da Nação, bem como a necessidade de que os recursos alocados para esta área sejam adequadamente empregados em prol da independência tecnológica de nossa Força e do Brasil.



Fonte: Site do Instituto de Estudos Avançados (IEAv)

Comentário: Bom leitor, espero realmente que o que foi discutido entre o IEAv e esta “6ª Sub-Chefia do EMAER” seja colocado em prática com eficiência, comprometimento e dinamismo. Vou ficar na torcida, mas sinceramente, não acredito. Chamo a sua atenção leitor para a segunda foto que acompanha esta matéria. Nela aparece pela primeira vez uma pequena maquete do sistema do primeiro voo atmosférico do 14-X, além é claro de uma outra maquete do próprio 14-X em escala maior, esta por demais conhecida. Segundo o que foi divulgado pelo IAEv tempos atrás, este sistema de voo seria composto por um foguete VSB-30, uma espécie de estagio acoplador e o próprio o veiculo 14-X, coisa que pela foto se nota ser esta mesma configuração. Complementado leitor, foi divulgado recentemente que a previsão desse voo atmosférico seria entre (se não estiver equivocado) 2020 e 2021, porém o IEAV já fez tanta projeção furada desse voo que, o melhor seria não gerar muitas expectativas. Entretanto é bom ver que esse projeto pelo menos já passou das apresentações de Power Point para uma pequena maquete, o que gostemos ou não é já um avanço, rsrsrsrsrs.

Um comentário:

  1. Engraçado mesmo é que nesses anúncios se vê um monte de gente uniformizada, engravatada e pompa daqui e acolá, mas esses projetos feitos pelo Brasil levam tanto tempo pra sair do papel que parece até que são feitos por uma pessoa apenas kkkk... Acho que quando um enjoa, repassa pra outro recomeçar tudo do zero novamente, com sorte alguém termina o 14-X antes da aposentadoria kkkk.
    Brincadeiras a parte, o 14-X tem até estudo aerodinâmico em túnel de vento, vamos torcer pra que haja de fato algum teste em 2020, até lá já tará se passado uns bons 13 anos de desenvolvimento! Antes tarde do que nunca...

    ResponderExcluir