sexta-feira, 1 de junho de 2018

Asteroide Caju Reforça Tese da Existência do Planeta Nove

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada ontem (31/05) no site “Inovação Tecnológica” destacando que o “Asteroide Caju” descoberto recentemente por uma equipe internacional com participação de astrônomos brasileiros, reforça a tese da existência do Planeta Nove.

Duda Falcão

PLANTÃO

Asteroide Caju Reforça Tese
da Existência do Planeta Nove

Redação do Site Inovação Tecnológica
31/05/2018

[Imagem: Juliette C. Becker et al.]
Representação da órbita do Caju (2015 BP519),
juntamente com a órbita de outros objetos
transnetunianos para comparação. Ele tem a
maior inclinação já vista em relação ao
plano dos planetas conhecidos.

Mais Um Planeta no Sistema Solar

Astrônomos brasileiros fazem parte de uma grande equipe internacional que descobriu o que eles estão descrevendo como mais uma evidência da existência do Planeta Nove.

O grupo descreve o comportamento anômalo de um corpo celeste recém-descoberto como resultado da influência de um grande planeta desconhecido.

Há cerca de dois anos, os astrônomos do Instituto de Tecnologia da Califórnia propuseram a possível existência de mais um grande planeta circulando o Sol - o que o tornaria o nono planeta conhecido em nosso sistema solar. Os astrônomos fizeram sua previsão com base em observações de pequenos corpos celestes que povoam a borda do sistema solar - suas órbitas estão claramente sendo distorcidas por uma massa gravitacional.

Asteroide Caju

Agora, Juliette Becker e seus colegas sugerem que a órbita não usual de um objeto transnetuniano pode ser explicada pela gravidade do ainda hipotético Planeta Nove.

O objeto, chamado 2015 BP519, e apelidado de Caju, foi observado pela primeira vez há cerca de três anos, mas foram necessárias novas observações para mostrar que sua órbita é muito incomum - ele fica quase perpendicular ao plano dos planetas conhecidos.

O que torna a descoberta particularmente interessante é que a equipe que propôs a existência do Planeta Nove criou uma simulação no ano passado que previa exatamente o ângulo orbital do Caju. E agora ele foi encontrado.

Segundo a equipe, depois que o Caju foi descoberto, foram feitas várias tentativas para entender sua órbita, mas todas falharam. Então eles adicionaram um grande planeta às simulações e isso resolveu as discrepâncias.

Tudo o que é necessário agora, sugerem eles, é que alguém realmente encontre o Planeta Nove.

A expectativa é que o Planeta Nove esteja muito distante de nós, tenha aproximadamente quatro vezes o tamanho da Terra, mas com 10 vezes a sua massa, e leve de 10.000 a 20.000 anos para completar uma órbita em torno do Sol.

Bibliografia:

Discovery and Dynamical Analysis of an Extreme Trans-Neptunian Object with a
High Orbital Inclination
Juliette C. Becker et al.
arXiv


Fonte: Site Inovação Tecnológica - http://www.inovacaotecnologica.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário