terça-feira, 13 de março de 2018

Brasil é Despejado de Consórcio Internacional de Astronomia

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia publicada ontem (12/03) no Blog do Herton Escobar do site do jornal “O Estado de São Paulo”, destacando que o Brasil foi despejado de Consórcio Internacional de Astronomia.

Duda Falcão

CIÊNCIA

Brasil é Despejado de
Consórcio Internacional de Astronomia

Observatório Europeu do Sul (ESO) rescindiu contrato assinado em 2010
para que o Brasil se tornasse membro do grupo, garantindo acesso de
astrônomos brasileiros a alguns do melhores telescópios do mundo e
participação do país na construção do Extremely Large Telescope, o
maior telescópio de todos os tempos

Herton Escobar
O Estado de S. Paulo
12 Março 2018 | 15h00

Foto: ESO
Radiotelescópios do Observatório ALMA, um dos
mais avançados do mundo, operado pelo ESO.

O Observatório Europeu do Sul (ESO), maior consórcio de pesquisa astronômica do mundo, finalmente se cansou de esperar pelo Brasil. Sete anos depois de assinar um acordo para admitir o país como primeiro integrante não-europeu do grupo, o Conselho do ESO decidiu rescindir o contrato com o governo brasileiro — que, nesse meio tempo, nunca fez qualquer pagamento nem chegou a ratificar em definitivo o acordo.

“Considerando ser improvável que a ratificação do Acordo de Acesso seja concluída num futuro próximo, o Conselho do ESO decidiu suspender o processo até que o Brasil esteja numa posição de completar a execução do Acordo, possivelmente por meio de uma renegociação”, diz uma “nota de esclarecimento” divulgada pelo ESO hoje. “Com apoio unânime de todos os Estados Membros, o ESO continuará aberto a acolher o Brasil a qualquer momento. Os arranjos vigentes, porém, estarão suspensos a partir de 1 de abril de 2018.”

A entrada do Brasil para o ESO foi negociada no fim de 2010 pelo então ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, como uma forma de garantir o acesso da comunidade científica brasileira a alguns dos maiores e melhores telescópios do mundo, que são operados pelo consórcio europeu nos Andes Chilenos — como o ALMA e o Observatório Paranal . O acordo também previa a participação do Brasil na construção e operação do Extremely Large Telescope (ELT), o maior telescópio do mundo, que está sendo construído agora no Deserto do Atacama.

O valor do acordo era de EU$ 270 milhões (cerca de R$ 1 bilhão), que o Brasil deveria pagar em várias parcelas até 2021. Nenhum centavo foi pago, apesar do ESO, numa demonstração de boa-fé, ter tratado o Brasil como uma espécie de membro interino durante todo esse período. Mesmo sem a ratificação definitiva do acordo, os projetos de astrônomos brasileiros eram avaliados pelo grupo — para fins de obtenção de tempo de observação nos telescópios — como se o Brasil fosse um estado membro do consórcio, o que oferecia uma série de vantagens competitivas. Agora, com a rescisão do contrato, os cientistas brasileiros que quiserem usar os observatórios do ESO terão de concorrer por tempo como representantes de um país não-membro, o que implica numa disponibilidade tempo muito menor e critérios muito mais rígidos de seleção.

“A gente perde muita coisa. O acesso aos telescópios fica bem mais complicado, o que é lamentável”, disse ao Estado o astrônomo Gustavo Rojas, professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e representante de Divulgação Científica do ESO no Brasil. Segundo ele, a exclusão vai dificultar o avanço da astronomia brasileira. “O Brasil nunca vai conseguir construir uma infraestrutura de pesquisa desse porte sozinho; ou a gente se junta a esses grandes consórcios internacionais ou vamos ficar para trás.”

Uma das principais críticas feitas ao acordo era de que ele era caro demais. Rojas lembra, porém, que ele teria custado menos do que alguns estádios da Copa do Mundo, com um alto retorno em desenvolvimento científico e tecnológico de longo prazo para o país. Só a reforma do Maracanã, por exemplo, custou mais de R$ 1,2 bilhão. “É lamentável a falta de interesse dos governantes por um projeto de ciência e tecnologia para o país”, diz.

Repercussões

Procurado pela reportagem hoje à tarde, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) emitiu a seguinte nota: “O MCTIC defende a participação do Brasil no Observatório Europeu do Sul e faz gestões junto ao Governo Federal pela confirmação da adesão a esta entidade multilateral.” Numa conversa recente sobre o assunto, o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTIC disse  ao Estado que o ministério era favorável à adesão do Brasil ao ESO, mas infelizmente faltavam recursos orçamentários para implementar o acordo.

O contrato chegou a ser aprovado pelo Congresso em maio de 2015, no primeiro ano do segundo mandato de Dilma Rousseff, e desde então faltava apenas uma assinatura presidencial para concluir o processo de ratificação. Nem Dilma nem Temer deram a canetada final.

“Como cientista, num mundo ideal, claro que eu gostaria de estar em todos os consórcios. Mas esse acordo com o ESO sempre foi algo muito difícil de ser concretizado, diante da realidade orçamentária da ciência nacional”, avalia o astrônomo Eduardo Cypriano, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP). O cancelamento do contrato, segundo ele, tem o lado positivo de acabar com uma incerteza que se arrastava há anos. “Agora podemos planejar os próximos passos da astronomia brasileira com mais segurança”, diz. “O que mais me angustiava era essa incerteza sobre o futuro. A gente usufruía, mas não contribuía; era uma situação muito incômoda.”

Cypriano é membro do conselho científico internacional do Giant Magellan Telescope(GMT), telescópio gigante que está sendo construído no Chile por um consórcio de instituições de pesquisa dos Estados Unidos, Austrália, Coréia do Sul e Brasil — representado pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), o que garante acesso apenas a projetos submetidos por cientistas de instituições paulistas. “Nos próximos anos seria muito positivo se o Brasil passasse a integrar o consórcio em escala nacional”, ampliando o acesso ao telescópio a pesquisadores de todo o país, diz Cypriano.

Além do GMT, o Brasil é membro de dois outros observatórios já operacionais: o SOAR, no Chile, e o Gemini, com telescópios no Chile e no Havaí.

Defensores da entrada do Brasil no ESO, porém, dizem que nenhum outro consórcio oferece uma variedade tão grande de telescópios e equipamentos. “Há muitas coisas que só o ESO tem”, afirma Rojas. “Vamos continuar trabalhando para tentar reverter isso de alguma forma no futuro.”

Foto: Herton Escobar/Estadão
Um dos quatro telescópios de 8 metros que compõem
o VLT (Very Large Telescope), no Observatório Paranal.


Fonte: Site do jornal O Estado de São Paulo - 12/03/2018

Comentário: Como podemos observar nesta matéria existem dentro da Comunidade Astronômica Brasileira aqueles que defendiam este acordo e os que eram contrários ao mesmo, isto devido à realidade da mentalidade politica no Brasil. De minha parte acho que os que eram contrários estavam mais próximos da realidade, mas não pela falta de recursos (temos recursos mais que suficientes) mas justamente pela falta de uma governabilidade séria e competente por parte desses energúmenos que utilizam mal os recursos públicos disponíveis fazendo politicagem, estupidez administrativa ou mesmo metendo a mão no que não lhes pertence. Aproveitamos para agradecer a nossa leitora Mariana Amorim Fraga pelo envio desta notícia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário