sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Brasil é Promovido ao Grupo de Países da Elite Mundial em Pesquisa Matemática

Olá leitor!

Segue agora uma nota postada ontem (25/01) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) destacando que a “União Matemática Internacional (IMU, na sigla em inglês)” promoveu o Brasil ao grupo de países da elite mundial em Pesquisa Matemática.

Duda Falcão

Brasil é Promovido ao Grupo de Países
da Elite Mundial em Pesquisa Matemática

Por ASCOM
Publicado 25/01/2018 - 18h05
Última modificação 25/01/2018 - 19h15

Foto: IMPA
Anúncio foi feito na sede do Impa, no Rio de Janeiro (RJ).

O Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e a Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) anunciaram nesta quinta-feira (25), no Rio de Janeiro (RJ), o ingresso do Brasil na elite da matemática mundial. A União Matemática Internacional (IMU, na sigla em inglês) aprovou a entrada do país no Grupo 5, que reúne as 11 nações mais desenvolvidas em pesquisa na área. O Impa é uma organização social mantida por meio de contrato de gestão com o ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

No anúncio, o ministro em exercício do MCTIC, Elton Zacarias, enalteceu o fato de o Brasil estar entre as 20 nações que mais geram ciência no mundo, ao reconhecer o baixo investimento nacional na área, 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB). O patamar, segundo ele, se deve ao pouco envolvimento da indústria e da sociedade.

“O nosso país produz pesquisa básica de qualidade. O IMPA é uma instituição de excelência reconhecida mundialmente”, apontou.

O diretor-geral do IMPA, Marcelo Viana, espera que a honraria represente um passo para uma trajetória ainda mais ascendente. “Ao longo das décadas, a nossa capacidade de pesquisa e formação de pesquisadores cresceu muito, se consolidou e se disseminou”, destacou. “O fato de a matemática brasileira estar agora ao lado dos países de maior expressão e relevância global representa o reconhecimento da qualidade da pesquisa matemática feita no país.”

A mudança de classificação dos países é decidida pela IMU após recomendação de seu Comitê Executivo. São analisados dados como o número e a qualidade de programas de pós-graduação e sua distribuição territorial, o total de publicações científicas divulgadas em meios importantes e os nomes de destaque na área.

O presidente da SBM, Paulo Piccione, ressaltou a qualidade dos pesquisadores brasileiros. “São excepcionais”, avaliou.

Já a secretaria-executiva do Ministério da Educação (MEC), Maria Helena Guimarães de Castro, definiu como um orgulho para o país o trabalho feito pelo IMPA. “Precisamos formar bons professores de matemática e a pesquisa matemática pode ajudar muito a alcançarmos este objetivo”, disse.

Ascensão

A candidatura do Brasil ao Grupo 5 foi apresentada em 2017, pelo Impa e pela SBM, ao organismo que congrega as sociedades matemáticas de países de todo o mundo. Atualmente, 76 nações são membros da IMU, criada em 1920 para promover a cooperação internacional em matemática.

Os países são divididos em cinco categorias, por ordem de excelência. Além do Brasil, mais dez países integram o topo da classificação: Alemanha, Canadá, China, Estados Unidos, França, Israel, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia.

Desde 1954, dois anos após a fundação do IMPA – fundamental na consolidação do país no cenário internacional –, o Brasil passou a integrar a IMU. A ascensão ao Grupo 2 se deu em 1978; ao 3, em 1981; e ao 4, em 2005.

A promoção ao Grupo 5 é consequência da contribuição brasileira à matemática mundial e reconhece a excelência do trabalho da pesquisa nacional. Nos últimos anos, houve considerável crescimento da publicação científica do país na área, além de prêmios obtidos por nossos principais pesquisadores, como a medalha Fields, recebida por Artur Avila em 2014.

Logo após a promoção ao Grupo 4, em 2006, o Brasil representava 1,53% da produção matemática mundial, com 1.043 papers. Uma década depois, a produção nacional saltou para 2,35%, ou seja, 2.076 papers.

A entrada no Grupo 5 ocorre no ano em que o Brasil sediará, de 1º a 9 de agosto, no Rio de Janeiro, o Congresso Internacional de Matemáticos (ICM, na sigla em inglês), pela primeira vez realizado no Hemisfério Sul.

O ICM é resultado do prestígio do Brasil no cenário matemático mundial, assim como a Olimpíada Internacional de Matemática (IMO, na sigla em inglês), promovida em julho de 2017. Os eventos integram o Biênio da Matemática, de 2017 a 2018, uma série de iniciativas nacionais e internacionais para estimular, popularizar e fomentar melhorias no ensino da matemática no país, destacando sua relevância para o desenvolvimento pessoal e econômico.


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC)

Comentário: Veja você leitor como são as coisas. Fico aqui a pensar se países como a Alemanha, Canadá, China, Estados Unidos, França, Israel, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia,  tivessem que conviver com os mesmos problemas que os nossos cientistas enfrentam diariamente no Brasil, será que eles também teriam alcançado o nível cinco dessa categoria da Matemática???? Enfim... o Brasil é uma piada como país, não por não ter gente capaz e preparada para fazer a diferença (e exemplos pontuais como este comprovam isto) mas sim pela inércia, egocentrismo, hipocrisia e falta de consciência cidadã de seu próprio povo de merda (entenda classe dominante).

Nenhum comentário:

Postar um comentário