segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Joint NASA-Brazil SPORT CubeSat Mission Will Unlock Complex Equatorial Phenomena, Lay Groundwork for Better Space Weather Prediction

Hello reader!

It follows a release published on day (08/03), in the NASA’s website, highlighting that joint NASA-Brazil SPORT CubeSat Mission will unlock Complex Equatorial Phenomena, lay groundwork for better Space Weather Prediction.

Duda Falcão

RELEASE 17-053

Joint NASA-Brazil SPORT CubeSat Mission Will
Unlock Complex Equatorial Phenomena,
Lay Groundwork for Better Space
Weather Prediction

Editor: Kristine Rainey
Aug. 3, 2017
Last Updated: Aug. 4, 2017

Credits: NASA/Jim Spann
At Brazil’s National Institute for Space Research Integration
and Testing Laboratory, the SPORT team checks out a
prototype SPORT CubeSat fabricated by Technical
Aeronautics Institute in São Paulo.

NASA and a team of Brazilian space researchers have announced a joint CubeSat mission to study phenomena in Earth's upper atmosphere -- a region of charged particles called the ionosphere -- capable of disrupting communications and navigation systems on the ground and potentially impacting satellites and human explorers in space.

Two phenomena in the ionosphere -- equatorial plasma bubbles and scintillation -- have impacted radio communication systems, satellite technologies and global positioning system (GPS) signals for decades, said Jim Spann, chief scientist for the Science and Technology Directorate at NASA's Marshall Space Flight Center in Huntsville, Alabama. Equatorial plasma bubbles are regions of comparatively low density which may elongate into towering plumes during high-intensity periods. Scintillation is a unique type of atmospheric fluctuation that can interrupt radio frequencies, much like the "twinkling" effect seen in starlight when optical frequencies are disrupted.

The Scintillation Prediction Observations Research Task (SPORT) mission, funded by NASA's Science Mission Directorate in Washington, will observe these peculiar structures in order to understand what causes them, determine how to predict their behavior and assess ways to mitigate their effects.

The joint U.S.-Brazilian team, led by Spann as principal investigator, will design and launch SPORT as a CubeSat, a compact satellite about the size of two loaves of bread. It will be launched in 2019 to an Earth orbit approximately 217-248 miles high (350-400 km). Its operational phase is expected to last at least a year.

"Degraded communications and GPS signals are known to be closely linked to these  phenomena," Spann said. It's his goal to shed new light on these phenomena and inspire new operational solutions to contend with the disturbed conditions.

Credits: The Aerospace Corporation
Research scientist Dr. Rebecca Bishop, left, and
design engineer Steve Bielat of The Aerospace
Corporation in El Segundo, California, test a sensor
set to fly on the joint American and Brazilian SPORT
Cubesat mission to study disruptive phenomena
in Earth's upper atmosphere.

Protecting Brazil's Aviation, Agriculture

The Brazilian SPORT team seeks targeted solutions as well. Otavio Durão, project manager for the team at Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) in São Jose dos Campos, a São Paulo municipality, said ionospheric responses to a space phenomenon called the South Atlantic Anomaly or the South American Magnetic Anomaly -- where space radiation dips close to Earth -- negatively impacts Brazil's busy airports. "Our country is interested in refining GPS signal processing, making takeoffs and landings safer and more precise," he said. "Because so many international flights come to and through Brazil, this should be a matter of concern for all countries."

Brazil's strong agricultural industry also is concerned about the anomaly's effects on GPS, said Durão's colleague Dr. Luís Loures, the SPORT spacecraft manager at the Instituto Tecnológico da Aeronáutica in São Jose dos Campos. "Our agribusiness is always trying to increase crop productivity," he said. "One way to accomplish this is by using automated tools. But being able to precisely position those automated tractors and field sprayers, without disruption from solar phenomena, is crucial."

"As society becomes more dependent every day on space-based technology -- cell phones, self-driving cars, secure military communications -- it's critically important we first understand the environment in which our technology resides, then learn how to operate through and preserve it from potentially disruptive or damaging interference," Spann said.

Understanding the Phenomena

Building on decades of previous ground-based studies of plasma bubbles over equatorial regions, especially intensive research in Brazil and Peru, SPORT will help researchers determine what's happening in the ionosphere to stir up the bubbles, why they form along the equator and what causes them to appear at night. Plasma bubbles and scintillation are global equatorial and mid-latitude phenomena, made worse by the South American Magnetic Anomaly, where Earth's magnetic equator dips close to Earth.

"Many of the discoveries to date have been confined to a limited number of longitudinal sectors," Spann said. "SPORT will make a systematic study of the ionosphere at all longitudes around the planet, documenting the conditions that trigger formation of the bubbles, with particular focus on the South American sector."

As multiple instruments on the ground also record data, Spann said, SPORT will probe the ionosphere from above. During subsequent passes, it will study specific sectors to identify conditions favorable for developing plasma bubbles and ionospheric scintillations. These simultaneous satellite and ground-based studies will help researchers identify how the observations are related, providing a better understanding of the results at all longitudes.

The team is confident the findings will enable researchers to use physics-based models to determine the physics of plasma bubble triggers, and thus identify the resulting scintillation of radio signals that propagate throughout the turbulent region.

Credits: NASA/MSFC
In this artist's animation, the signal beamed to Earth by a generic satellite is disrupted by phenomena in Earth's ionosphere. Regions of comparatively low density called equatorial plasma bubbles, depicted here as a shifting blue band in the upper atmosphere, combine with scintillations, atmospheric fluctuations similar to the "twinkling" effect seen in starlight when optical frequencies are disrupted, to interrupt and disperse the satellite's signal. These phenomena -- which threaten satellite communications, put human space explorers at risk and often disrupt communications and navigation systems on the ground -- are the focus of the joint NASA-Brazilian Cubesat mission known as the Scintillation Prediction Observations Research Task, or SPORT mission. Funded by NASA's Science Mission Directorate in Washington and led by NASA's Marshall Space Flight Center in Huntsville, Alabama, SPORT will be launched in 2019 for a year-long data-gathering mission.

More About SPORT

SPORT science mission data will be distributed from and archived at the EMBRACE space-weather forecasting center in Brazil's National Institute for Space Research (INPE) and mirrored at the Space Physics Data Facility at NASA's Goddard Space Flight Center in Greenbelt, Maryland.

The SPORT mission management team is led by Marshall alongside its international partners, the Brazilian Space Agency in Brasília, and the National Institute for Space Research and Technical Aeronautics Institute, both in São Jose dos Campos, São Paulo. Spann's team, which oversees the mission science, flight instruments and the CubeSat launch, includes researchers at Marshall; Goddard; Utah State University in Logan, Utah; The Aerospace Corporation in El

Segundo, California; the University of Texas at Dallas; and the University of Alabama in Huntsville. NASA's Brazilian partners are overseeing the development of the spacecraft; integration and testing; mission operations; data management and dissemination; and the ground observation network. The science analysis will be conducted by the entire team.

SPORT is part of NASA's Heliophysics Technology and Instrument Development for Science program. NASA's heliophysics mission includes research into the effects of the sun on Earth, its atmosphere and the planets of our solar system. To learn more, visit:


Learn more about NASA and Marshall's science mission online:


Molly Porter
Marshall Space Flight Center, Huntsville, Ala.
256-544-0034


Source: NASA’s website - http://www.nasa.gov

Comentário: Bom leitor, esta missão conjunta SPORT entre a NASA/INPE e o ITA (já abordada aqui no Blog), talvez nas entre linhas seja a última oportunidade dada pelos americanos ao Brasil no que diz respeitos a projetos espaciais conjuntos, buscando assim nesta missão de baixo custo saber ate aonde vai o compromisso brasileiro, já que a experiência anterior foi desastrosa na época da construção da ISS (Estação Espacial Internacional), coisa que acabou resultando na vergonhosa expulsão brasileira do projeto. Neste caso específico leitor, como é uma missão de baixo custo que utilizará uma plataforma cubesat, o risco é pequeno e qualquer pisada de bola do lado brasileiro, a própria NASA se encarregará de levar adiante o projeto, ou mesmo abandoná-lo sem grandes prejuízos, isto é, se for o caso. Aproveitamos para agradecer ao Dr. Waldemar Castro Leito Filho pelo envio desta notícia.

O Projeto Euro/Australiano HEXAFLY e o Foguete Brasileiro VS-43

Olá leitor!

No dia 04/07 passado, após um grande período de total silencio em seu site oficial, o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) publicou uma notícia que me deixou na época bastante encucado.

Tratou-se da noticia da realização por parte deste instituto da Aeronáutica de um ensaio a quente bem sucedido em banco de provas do Motor a Propelente Sólido S43, evento este denominado de “Operação Harpia” (veja aqui).

Vale dizer que o IAE não tem histórico de realizar testes como este sem ter em vista um proposito bem definido (uma missão) e não seria em tempos de vacas magras que eles partiriam para uma aventura sem sentido. Além do que, um teste como esse envolve um significado montante de recursos financeiros e alguém evidentemente teria de pagar essa conta.

Diante disto, fiquei incomodado com essa notícia que ficou então registrada em meu subconsciente cobrando de mim um explicação. Afinal testes como este precedem entre um ano e um ano meio missões científicas e tecnológicas e certamente não seria diferente nesta ocasião.

Vale lembrar que o IAE já havia anunciado para o segundo semestre deste ano a realização da “Operação Mutiti” na Base de Alcântara, sem contudo divulgar o objetivo desta missão. Porém, além do IAE divulgar também que o foguete a ser usado nesta operação seria o VS-30/Orion (muito provavelmente uma missão ligada ao Programa Microgravidade da AEB), não haveria no Brasil no momento nenhum projeto (pelo menos que se saiba) que justificasse o emprego desse foguete em uma missão, pelo menos não em território brasileiro.

Foi ai leitor que eu lembrei do Projeto SARA e também de algo que um influente militar do IAE havia me dito anos atrás, ou seja, de que a ideia do instituto para o próximo voo do Projeto SAMF (Sistema de Alimentação Motor-Foguete)/MFPL L5 (Motor-Foguete a Propulsão Líquida L5) seria realiza-lo através de um motor S43 em seu primeiro estagio. Entretanto leitor não há nenhuma movimentação dentro do instituto (que se saiba e seria difícil esconder se houvesse) que confirmasse uma dessas possibilidades.

Diante disso tudo caro amigo leitor, e também pela falta de recursos já citada, só uma explicação poderia justificar esse teste e ela é simples, ou seja, trata-se evidentemente de uma missão estrangeira. Mas qual seria ela?

Confesso que procurei no escuro na net por mais de uma semana sem qualquer resultado e assim acabei desistindo e logo depois veio o acidente que me manteve parado por um bom tempo.

No entanto leitor a vida é uma caixinha de surpresas e quando menos você espera ela pode apresentar para você a resposta para suas dúvidas, como ocorreu comigo na manhã de sábado quando navegava sem rumo pelo google.

Com tempo disponível por não ter nada de relevante a relatar no Blog, acabei encontrando um arquivo em PDF intitulado “HEXAFLY ‐ INTProject: Design of a High Speed Flight Experiment” que trata de um projeto hipersônico de parceria internacional envolvendo a Agencia Espacial Europeia (ESA), a Rússia e a Austrália, projeto este que pode ser a explicação para este teste em banco de prova do motor S43 realizado em julho passado na Usina Coronel Abner.

Acontece leitor que segundo esse artigo a carga útil desta missão internacional composta pelos experimentos EFTV (Experimental Flight Test Vehicle) e pelo ESM (Experimental Support Module) serão lançados ao espaço através do foguete de sondagem brasileiro VS-43, voo este que tem como previsão de lançamento meados de 2018, o que colocaria o mesmo, mais ou menos, dentro do prazo de um ano há um ano e meio após esse teste do motor S-43 em julho passado.

Experimentos EFTV e ESM

Será leitor? Tudo leva a crer que sim, porém será mesmo que o IAE faria o voo de qualificação deste novo foguete de sondagem com uma carga útil tão significativa (e cara) e ainda por cima (supostamente) fora do território brasileiro ???? Não sei, mas vale lembrar que todos os foguetes desenvolvidos com alguma participação alemã (VSB-30 e VS-30/Orion) tiveram os seus voos de qualificação realizados no Brasil, sendo a única exceção a essa regra o novo foguete VS-31/Orion que, talvez tenha pouca participação brasileira. Vale dizer também que não podemos descartar a possibilidade do voo ser realizado do Brasil seguindo assim os exemplos anteriores, mas neste caso quem estaria fugindo a regra seria a ESA e seus parceiros.

Ora, na realidade leitor por enquanto só são conjecturas feitas por mim, mas acredito que em breve deverá sair na mídia algo que esclareça melhor toda essa história, afinal é o mínimo que o nosso povo pode esperar do honorável Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), né verdade?

Duda Falcão

domingo, 20 de agosto de 2017

Eclipse Total do Sol Será Visto Como Parcial no Norte, Centro-Oeste e Nordeste do Brasil

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (18/08) no site do “Observatório Nacional (ON)” destacando que Eclipse Total do Sol será visto como parcial no Norte, Centro-Oeste e Nordeste do Brasil.

Duda Falcão

Eclipse Total do Sol Será Visto Como Parcial
no Norte, Centro-Oeste e Nordeste do Brasil

Publicado: Sexta, 18 de Agosto de 2017, 19h53
Última atualização em Sexta, 18 de Agosto de 2017, 19h53

Na próxima segunda, dia 21 de agosto, ocorrerá um eclipse total do Sol. O eclipse será visto como total em uma estreita faixa na parte central da América do Norte;  será visto como parcial  na América do Norte, América Central e centro-norte da América do Sul.  Assim,  parte do Brasil – incluindo toda a região Norte,  grande parte das regiões Nordeste e Centro-Oeste –  poderá ver o eclipse como parcial, entre 12h46 e 18h04, horário de Brasília.

"A observação somente pode ser feita com instrumentos especiais usados por astrônomos ou com técnica de projeção. Nunca se deve olhar diretamente para sol nem mesmo com o uso de filme de raio-x, óculos escuros ou outro material caseiro. A exposição, mesmo de poucos segundos, danifica o olho de modo irreversível", alerta a pesquisadora Josina Nascimento, da Coordenação de Astronomia e Astrofísica do Observatório Nacional.

A Agência Espacial Americana (NASA) fará a transmissão ao vivo do fenômeno. Em 2 de julho de 2019, haverá um eclipse total do Sol com faixa de totalidade passando na região sul da América do Sul, que será visto como parcial na região Sul e parte da região Sudeste do Brasil.

Confira abaixo a entrevista com a pesquisadora Josina Nascimento, da Coordenação de Astronomia e Astrofísica do Observatório Nacional.

O que é um eclipse?

Um eclipse ocorre sempre que um corpo entra na sombra de outro.

O que é o eclipse do Sol?

É um eclipse que ocorre quando  a Lua está alinhada com o Sol e a Terra, e está entre a Terra e o Sol, ou seja, um eclipse do Sol somente vai ocorrer quando for Lua Nova. O disco aparente do Sol e da Lua são quase do mesmo tamanho, por uma linda coincidência. Se o eclipse do Sol ocorre de forma que o disco inteiro seja visto atrás da Lua, é eclipse total e caso contrário é parcial.

O eclipse anular vai ocorrer quando o disco inteiro do Sol é visto atrás da Lua e o disco da Lua está menor. Isso acontece quando o eclipse ocorre com  a Lua próxima do seu  apogeu, ou seja,  próxima do ponto da órbita da Lua em que fica mais distante da Terra.
Somente uma estreita faixa da Terra, de aproximadamente 270km de largura, pode ver o eclipse do sol como total.  Essa região é chamada de “faixa de totalidade” ou “caminho do eclipse”. As regiões que distam até cerca de 3000km para norte e para sul da faixa de totalidade podem ver o eclipse como parcial.

Como fazer uma observação segura?

Nunca se deve olhar diretamente para o Sol, em hipótese alguma. Também não se deve usar filme de raio-x ou óculos escuros ou qualquer outro material caseiro. Qualquer exposição acima de 15 segundos danifica o olho para sempre.

Somente com filtros solares especiais para o uso de astronomia podemos olhar para o sol, ou com técnica de projeção.



Fonte: Site do Observatório Nacional (ON)

sábado, 19 de agosto de 2017

AEB Promove Fórum de Educação e Aplicações em Tecnologia Espacial

Olá leitor!

Segue abaixo a nota postada ontem (18/08) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que a Agencia irá promover em parceria com instituições internacionais o “I Fórum do Hemisfério Sul em Educação e Aplicações em Tecnologia Espacial”.

Duda Falcão

AEB Promove Fórum de Educação e
Aplicações em Tecnologia Espacial

Coordenação de Comunicação Social – CCS
18/08/2017


A Agência Espacial Brasileira (AEB), em parceria com o Centro Regional de Ciência e Tecnologia Espacial da América Latina e do Caribe (CRECTEALC) e o Centro Regional de Ciência Espacial e Tecnologia Educacional da Ásia e do Pacífico (RCSSTEAP), promove o I Fórum do Hemisfério Sul em Educação e Aplicações em Tecnologia Espacial.

No encontro que acontece dias 21 e 22 de agosto na sede da AEB e 23 e 24 na UnB, Campus Gama-DF, serão discutidos os avanços na formação de competências na área espacial e desenvolvimento na área educacional.

O evento conta com a parceria do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE), o Centro Regional de Ciência e Tecnologia Espacial da América Latina e do Caribe (CRECTEALC), o Centro Regional de Ciência Espacial e Tecnologia Educacional da Ásia e do Pacífico (RCSSTEAP) e a Universidade de Beihang (BUAA).

O diretor da área de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento da AEB, Carlos Alberto Gurgel, afirma que o Fórum tem intuito educativo. “O evento terá como finalidade ensinar a importância do espaço na nossa vida cotidiana para novas gerações de todas as regiões do planeta”, ressaltou.

Em visita à AEB em maio deste ano, o diretor executivo da RCSSTEAP, Weng Jingnong, falou da importância do Fórum. “Será muito útil para desenvolver o uso de tecnologias espaciais e também para compartilhar a ideia de promover o uso pacífico delas”, lembrou.

O Fórum destina-se a professores, pesquisadores, alunos e agentes públicos interessados na formação de recursos humanos para o desenvolvimento de aplicações espaciais e no debate sobre a conscientização acerca da importância da educação sobre o espaço, como promotora de desenvolvimento tecnológico gerador de externalidades positivas no meio social.

O encontro servirá de estímulo à concepção de ações específicas, despertando vocações no corpo discente e propondo mecanismos eficazes para o estreitamento de alianças locais e regionais entre stakeholders de crítica relevância para o setor (centro regionais, universidades, institutos de pesquisa e agências espaciais).

Clique aqui e confira as informações e programação completa do evento.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Engenheiro do INPE Recebe Prêmio Internacional na Área de Pesquisas em Produção

Caro leitor!

Segue agora abaixo leitor uma notícia postada ontem (17/08) no site oficial do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que Engenheiro do instituto recebeu Prêmio Internacional na Área de Pesquisas em Produção.

Duda Falcão

Engenheiro do INPE Recebe Prêmio
Internacional na Área de Pesquisas
em Produção

Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

Engenheiro do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), João Paulo Estevam de Souza foi premiado pela International Foundation for Production Research (IFPR), a principal instituição do mundo na área de Pesquisas em Produção.

Concedido a cada dois anos pela prestigiada entidade científica, o “Early Career Researchers Award” foi entregue no dia 2 de agosto durante a cerimônia de encerramento da 24th International Conference on Production Research (ICPR), em Poznan, Polônia.

O prêmio considerou suas pesquisas sobre Sistemas de Gestão da Qualidade Aeroespacial, Sistemas de Manufatura Enxuta e Sistemas de Gestão da Sustentabilidade.

Durante a conferência, João Paulo apresentou o artigo "Lean Integrated Management System: a model for sustainability improvement", sobre resultados de suas pesquisas realizadas no INPE e ITA. Ele foi convidado pela IFPR a realizar palestra no próximo evento da entidade em Chicago, Estados Unidos.

Doutor em Engenharia Aeronáutica e Mecânica pelo ITA, João Paulo Estevam de Souza atua no Serviço de Engenharia da Qualidade da Coordenação Geral de Engenharia e Tecnologias Espaciais do INPE.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Aos 17 anos, Blumenauense é Uma das Cotadas Para Representar o Brasil em Olimpíada Internacional de Astronomia no Chile

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia publicada ontem (17/08) pelo site do “Jornal de Santa Catarina” destacando que jovem Blumenauense de 17 anos é uma das cotadas para representar o Brasil em olimpíada internacional de Astronomia no Chile.

Duda Falcão

Educação

Aos 17 anos, Blumenauense é Uma das
Cotadas Para Disputar Olimpíada de Astronomia

Helena Buschermöhle integra uma espécie de "Seleção Brasileira" do assunto

Por Aline Camargo
Jornal de Santa Catarina
17/08/2017 - 07h12
Atualizada em 17/08/2017 - 10h51

Foto: Lucas Correia / Agência RBS

Olhar para o céu em noites estreladas, além de encantar, sempre dá motivos para a estudante Helena Buschermöhle, 17 anos, refletir. Encarando os astros em seu momento mais brilhante aos olhos de quem está na Terra – à exceção do Sol, é claro –, ela gosta de pensar em como as coisas funcionam. E quando o dia amanhece, ela estuda sobre como as coisas funcionam. Foi esta curiosidade que lhe garantiu um lugar na equipe de estudantes que forma uma espécie de Seleção Brasileira de Astronomia e Astrofísica e que vai disputar a Olimpíada Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica (Olaa) no Chile.

O caminho até a vaga foi longo e começou muito antes dela planejar competir usando seus conhecimentos. Helena sempre questionou o porquê das coisas e como elas funcionavam. Daí para a Física e para a Astronomia foi mais um passo:

– (A Física) É uma espécie de manual de instruções da natureza, que se torna muito divertido quando você aprende a ler. Sempre tive interesse por Astronomia, pois é quase impossível olhar para uma noite estrelada e não se maravilhar. E a Astrofísica é basicamente Física aplicada às coisas mais legais do universo.

O entusiasmo pelos astros cresceu no início do ensino médio, quando ela começou a participar da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), evento no qual ela esteve três vezes e conquistou uma medalha de ouro e duas de bronze. 

Após a classificação na OBA, Helena iniciou os testes para integrar o "time Brasil", que consistem em treinamentos e provas a cada dois meses até a seleção final, onde definem-se os 29 estudantes que vão compor as equipes principais que disputam a Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica (IOAA) – do 1º ao 5º classificados – e a Olimpíada Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica (Olaa) – do 6º ao 10º colocados. Os outros 19 estudantes formam o grupo de suplentes. Helena é suplente do grupo que vai disputar a Olaa.

Engenharia Aeroespacial Está Entre os Planos Para o Futuro

Agora aluna de um curso pré-vestibular, Helena não para enquanto espera um chamado para a competição. Para estar entre os 29 selecionados ela contou com o apoio e o auxílio não apenas dos professores, da coordenadora Silvana Silva Busetti e da diretora do Colégio Sagrada Família, irmã Ana Besel, onde estudou a vida toda. Também teve a ajuda de especialistas da área, como o astrônomo de Florianópolis Alexandre Amorim, o astrônomo Silvino de Souza, coordenador do Observatório Astronômico de Brusque, e o professor Eslley Escatena, da UFSC.

O foco é ingressar no ensino superior. Ela quer estudar Engenharia Aeroespacial ou Astrofísica e atualmente participa do processo de seleção para universidades americanas, com as quais está envolvida desde o início do ano.

– Meu sonho é estudar fora, voltar e aplicar este conhecimento aqui – conta a estudante, que vê a Ciência como forma de desenvolvimento para o país.

Informada sobre diversos assuntos, Helena acredita que a Ciência está diretamente ligada à criatividade, uma das principais características do brasileiro para ela, o que faz com que o país tenha potencial para ser um berço dos estudos e da inovação científica. Mas destaca que é preciso mais investimento para que isto, de fato, ocorra:

– É curioso que, ao mesmo tempo que temos potencial para grandes descobertas e invenções revolucionárias, temos tão pouco ou nenhum incentivo. 

Para Helena, a negligência com a educação tem relação direta com redução do campo de trabalho e causa a fuga das mentes mais brilhantes: 

– Há vários cientistas brasileiros desenvolvendo projetos importantes no mundo todo, somos muito respeitados e bem vistos na comunidade científica internacional, menos na nossa própria casa.

A busca pela formação e a vontade de fazer parte da mudança do cenário científico no país também dividem espaço com a vida de adolescente, que gosta de passar o tempo com os amigos, ir ao cinema, fazer maratonas de seriados e comer uma boa pizza. Enquanto corre em busca de seus objetivos, Helena vive cada dia, um pouco na Terra, um pouco entre estrelas.


Fonte: Site do Jornal de Santa Catarina - http://jornaldesantacatarina.clicrbs.com.br

Comentário: O Blog BRAZILIAN SPACE parabeniza esta jovem de Blumenau pela intenção de aplicar no Brasil o conhecimento adquirido durante a sua formação, exercendo assim sua cidadania e responsabilidade para com seu país e o seu povo.  Quiçá fosse assim entre a maioria dos jovens que hoje frequentam as nossas universidades defendendo bandeiras deturpadas e atitudes egocêntricas que não ajudam em nada na criação de uma verdadeira nação. Ficaremos na torcida para que a jovem Helena Buschermöhle não se deixe contaminar por esses maus acadêmicos escolhendo o caminho certo, juntando-se assim a aqueles que realmente lutam por um país melhor, missão esta que creio seja facilitada para ela pela sua intenção de estudar fora do país, onde terá a oportunidade de compreender melhor o que é CIDADANIA. Isto é, caso venha estudar em uma universidade de um país onde a mesma seja exercida em sua plenitude.

VI Encontro de Ufologia Avançada de São Paulo

Olá leitor!

Será realizado nos dias 26 e 27 de agosto, na Casa do Consolador, na capital paulista, VI edição do Encontro de Ufologia Avançada de São Paulo. Evento este que reunirá alguns dos mais importantes ufólogos do país e ainda o astro de Alienígenas do Passado canadense Brien Foerster, que apresentará as recentes descobertas de esqueletos com crânios alongados no Peru e Bolívia, e o pesquisador peruano Anthony Choy, o mesmo que está à frente das investigações da múmia extraterrestre descoberta na Cordilheira dos Andes.

Venha conhecer estas últimas novidades da Ufologia Brasileira e Mundial. As inscrições já estão abertas, mas as vagas são limitadas. Garanta a sua o quanto antes.

Informações e inscrições aqui: www.ufo.com.br/sp

Duda Falcão

Parceria Entre AEB e Governo do DF Será Fortalecida Com Novos Projetos

Olá leitor!

Segue abaixo a nota postada ontem (17/08) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que Parceria entre a Agência e o Governo do Distrito Federal (DF) será fortalecida com novos projetos.

Duda Falcão

Parceria Entre AEB e Governo do DF
Será Fortalecida Com Novos Projetos

Coordenação de Comunicação Social – CCS
17/08/2017

Foto: Valdivino/Junior/CCS

Uma parceria firmada entre a Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTIC) e a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI/DF), há quatro anos, culminou em levar o Programa Espacial Brasileiro aos alunos da rede pública e particular de ensino do Distrito Federal. As atividades são desenvolvidas no Planetário de Brasília, local onde a AEB mantém uma exposição de foguetes e satélites com a história do programa espacial.

Para dar continuidade e fortalecer essa parceria, o presidente da AEB, José Raimundo Braga, recebeu, na tarde de terça-feira (15.08), em seu gabinete, a visita do secretário de Estado, Ciência, Tecnologia e Inovação do DF, Tiago Coelho de Souza, que propôs o desenvolvimento de novos projetos a fim de ampliar mais ainda as atividades espaciais no Planetário, atraindo mais escolas e visitantes ao local.

Desde 2014, AEB mantém essa parceria com a SECTI/DF, a qual está vinculado o Planetário de Brasília. No local a AEB dispõe de maquetes de foguetes, traje espacial, exposição de alguns satélites já lançados ao espaço, além de uma réplica do Veículo de Sondagem Brasileiro VSB-30 instalada em frente ao Planetário.

O VSB-30 é um veículo suborbital de produção nacional desenvolvido em 2001. Seu primeiro voo ocorreu em 23 de outubro de 2004, no Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão. O VSB-30 foi certificado pelo Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), sendo seu primeiro lançamento em solo europeu. Hoje, o VSB-30 é utilizado por diversos países entre eles Alemanha e Suécia.

O secretário também teve a oportunidade de conhecer o projeto do Centro Vocacional Tecnológico (CVT-Espacial) será que futuramente inaugurado em Parnamirim, no Rio Grande do Norte, podendo esse projeto se estender para a capital da República e outros estados onde se concentram os projetos espaciais.

“Todos os esforços serão despendidos para que essa parceria se amplie e tenha muito sucesso”, afirmou José Raimundo. O Secretário Tiago Coelho saiu da reunião bastante otimista com a conversa e se prontificou a trabalhar para fortalecer a parceria.  Eles também trocaram ideias sobre a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2017, a ser realizada de 23 a 29 de outubro, no Pavilhão do Parque da Cidade, evento que acontece desde 2005.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Boa iniciativa da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI/DF) e do seu secretário, Tiago Coelho de Souza que, pelo visto, foi quem tomou a iniciativa. Afinal leitor esperar que esse vendedor de sanduiche levante-se de seu trono para realizar algo, é mesmo que acreditar em Bicho-Papão, ou até não, se é que você me entende. Isto só ocorre na verdade quando o mesmo sai passeando pelo mundo à custa do herbário publico e isto me faz questionar: Será que esse energúmeno se levantou para cumprimentar adequadamente o Secretário na chegada ao seu Gabinete????  Rsrsrsr. Outra coisa, a nota volta a citar o Centro Vocacional Tecnológico (CVT-Espacial) dizendo que futuramente inaugurado em Parnamirim. Futuramente quando, em 2030 ??? Falta comando galera, essa agencia de brinquedo é uma tremenda piada e infelizmente tem a frente um fantoche que é só útil ao sistema.

Parceria vai Permitir Abertura de Curso de Engenharia Aeroespacial na UFMA

Olá leitor!

Segue abaixo a nota postada ontem (17/08) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que uma Parceria entre o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) irá permitir abertura de Curso de Engenharia Aeroespacial na UFMA.

Duda Falcão

Parceria vai Permitir Abertura de Curso
de Engenharia Aeroespacial na UFMA

CLA
17/08/2017

Foto: CLA

O Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) firmaram na terça-feira (15.08) um acordo de cooperação acadêmica e técnica para a implantação do curso de graduação em Engenharia Aeroespacial na instituição de ensino superior maranhense.

Para o diretor do CLA, Coronel Luciano Valentim Rechiuti, a futura implantação do curso no Maranhão envolverá uma sinergia de experiências em prol do desenvolvimento do setor aeroespacial no país. “O principal objetivo é conseguir unir os conhecimentos que existem nas três instituições, ou seja, utilizar a experiência acadêmica do ITA e o conhecimento agregado na área espacial, o conhecimento operacional do Centro de Lançamento para que tudo isso possa ser utilizado pela UFMA. Desse modo o curso de graduação poderá trazer resultados não apenas para a UFMA, mas também para o Centro e para todo o país”, afirmou.

O acordo entre as Instituições de Ciência e Tecnologia (ICT) estabelece contrapartidas e responsabilidades dos envolvidos e prevê o apoio acadêmico e técnico do ITA, explica o professor Anderson Correia, reitor da instituição de ensino superior do Comando da Aeronáutica (COMAER) subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA). “Os técnicos do CLA ajudarão a propiciar um caráter profissional e os professores do ITA irão participar periodicamente do curso presencial ou a distância, além de recebermos alunos em São José dos Campos, no interior de São Paulo para períodos de estágios”, ressaltou o reitor.

No evento de assinatura do acordo, o diretor-geral do DCTA, tenente-brigadeiro do ar Carlos Augusto Amaral Oliveira relembrou o momento de criação do ITA e do DCTA ainda na década de 50 como um exemplo a ser seguido pelo estado do Maranhão como indutor para um polo científico-tecnológico ligado ao setor aeroespacial, como o que existe atualmente em São José dos Campos.

Os deputados federais José Reinaldo (PSB-MA) e Waldir Maranhão (PP-MA) destacaram a importância do acordo para o desenvolvimento do estado do Maranhão e do país em uma área estratégica que carece e demanda profissionais altamente qualificados, além da articulação de toda bancada maranhense na Câmara dos Deputados a fim de garantir os recursos. Por meio de emenda parlamentar proposta pela bancada do Maranhão devem ser disponibilizados inicialmente R$ 60 milhões para a implantação do curso de graduação na Universidade. O acordo entrará em vigor a partir da publicação no Diário Oficial da União (DOU) e terá prazo de vigência para os próximos cinco anos.

A assinatura do acordo ocorreu no CLA e contou com a presença dos deputados federais José Reinaldo e Waldir Maranhão, representantes da bancada maranhense na Câmara dos deputados, do tenente-brigadeiro do ar Carlos Augusto Amaral Oliveira, diretor-geral do DCTA, dos dirigentes das três instituições envolvidas no acordo, além de integrantes do governo e legislativo estadual maranhense.

Engenharia Aeroespacial na UFMA – A expectativa é oferecer o curso de graduação aos alunos interessados a partir do vestibular de 2017.  O aluno que prestar vestibular para o Bacharelado Interdisciplinar de Ciência e Tecnologia, ao final de três anos fará a opção entre as engenharias que a universidade oferece.

A professora Nair Portela, reitora da UFMA ressalta que o aluno vai participar desse processo fazendo sua inscrição a partir do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), no primeiro semestre de 2018. Ela destaca ainda que por meio da graduação é esperado fomentar a formação de recursos humanos de alta qualidade para o setor aeroespacial, disponibilizando a infraestrutura necessária, oferecendo a possibilidade de participação em pesquisas e serviços de lançamentos, rastreio de veículos espaciais e de coleta e processamento de dados de cargas úteis.

O curso será o único do Brasil na área com ênfase em centros de lançamentos, somente proporcionado por meio da interação entre a universidade e a organização militar da Força Aérea Brasileira (FAB), responsável pelo lançamento e rastreio de engenhos aeroespaciais.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Resultado de uma tremenda falta de visão, com mais de trinta anos de atraso e em um momento em que as atividades espaciais do pais agoniza na UTI. Isso deveria ter sido feito pouco após à inauguração da Base de Alcântara, isto lá no inicio dos anos 80, enfim... Como o ditado diz, antes tarde do que nunca.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Mais Rápido e Mais Alto: China Cria Novo Propulsor de Íons

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessante notícia postada ontem (16/08) no site do “Sputniknews - Brasil”, destacando que a China criou um novo tipo de propulsor de íons para Propulsão Espacial.

Duda Falcão

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Mais Rápido e Mais Alto: China
Cria Novo Propulsor de Íons

Spuynik News Brasil
16.08.2017 – 11:27

CC0 / NASA/JPL-Caltech

Os cientistas do Instituto Tecnológico de Harbin modificaram o modelo do propulsor cilíndrico a efeito Hall, utilizado em veículos espaciais, onde o propelente é acelerado através de um campo elétrico.

"O modo mais prático de alterar a dinâmica do fluxo neutral no canal de descarga é a alteração do método de injeção de gás ou da morfologia geométrica do canal de descarga", explica Liqiu Wei, um dos autores do estudo publicado na revista Physics of Plasmas, citado pelo EurekaAlert.

Graças ao software Comsol, os especialistas selecionaram uma construção do bocal de injeção que garante a densidade e alta homogeneidade do gás no canal de descarga, o que, por sua parte, permitiu aumentar o empuxo.

Os resultados do experimento realizado pelos investigadores confirmam a teoria inicial. Em particular, o impulso específico do motor foi aumentado em uns 53,5% quando a tensão de descarga estava dentro do intervalo 100-200 volts.


Fonte: Site Sputniknews - http://br.sputniknews.com/

Comentário: Hummmm, pequena mas curiosa notícia leitor que creio seja do interesse dos grupos (INPE/UnB) que trabalham com Propulsão Iônica no Brasil.

Conheça o Novo Modelo de Governança do PEB Proposto Pelo MD/COMAER

Olá leitor!

Conheça pelo link abaixo a nova proposta do MD/COMAER para mudança do Modelo de Governança do nosso Patinho Feio (PEB), apresentada pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, durante a palhaçada (Audiência Pública) realizada ontem (16/08) na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado em Brasília.

Duda Falcão