sábado, 18 de março de 2017

Foguete Brasileiro a Etanol Passa em Testes na Alemanha

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada ontem (17/03) no site “Inovação Tecnológica”, destacando que foram finalizados os testes da queima de um estagio superior de um foguete germano/brasileiro que supostamente se encontraria em desenvolvimento.

Duda Falcão

ESPAÇO

Foguete Brasileiro a Etanol Passa
em Testes na Alemanha

Redação do Site Inovação Tecnológica
17/03/2017

[Imagem: Airbus Safran Launchers GmbH]
Os testes serviram para a escolha do melhor projeto
de um mecanismo interno do foguete.

Foguete Verde

As agências espaciais do Brasil (AEB) e da Alemanha (DLR) deram um passo importante no desenvolvimento de um foguete alimentado por etanol, que as duas entidades chamam de "propulsão verde".

Foram finalizados com êxito na Alemanha os testes de queima do estágio superior do foguete.

"Duas cabeças de injeção com diferentes conceitos foram desenvolvidas em paralelo, a fim de encontrar a tecnologia ótima para a propulsão do futuro foguete germano-brasileiro," explicou Lysan Pfützenreuter, gerente do projeto na DLR.

"Nesta primeira série, alcançamos todos os nossos principais objetivos do teste. Foi realizado com êxito um total de 42 ignições durante um período de 20 dias. Durante estes testes, pudemos analisar de perto, entre outras coisas, o comportamento da ignição e a estabilidade do sistema durante a ignição e o arranque da câmara de empuxo. A partir daí, obtivemos conhecimentos importantes para o desenvolvimento de motores adicionais," acrescentou a engenheira aeroespacial.

Cabeças de Injeção

As duas cabeças de injeção diferem na forma como o combustível é aspergido na câmara de combustão e misturado com o oxigênio.

Um dos sistemas foi desenvolvido no Brasil, por engenheiros do Instituto de Aeronáutica e Espaço, e o outro foi desenvolvido na Alemanha pela empresa Airbus Safran Launchers, dentro do projeto SALSA, que visa construir um foguete de propulsão a álcool em substituição aos combustíveis sólidos.

Com os dados dos testes, a equipe agora definirá o melhor projeto de cabeça de injeção para equipar o motor L75, que equipará o foguete brasileiro destinado ao lançamento de pequenos satélites.

Lançador de Nanossatélites

A Agência Espacial Brasileira espera abrir mercado para o foguete de pequeno porte com o forte apelo do "combustível verde", além de conseguir atuar no emergente mercado dos nanossatélites.

Além disso, o "novo" combustível poderá reduzir significativamente o custo dos lançamentos espaciais, uma vez que o custo de fabricação, transporte e armazenagem do etanol é significativamente inferior ao da hidrazina, o composto químico mais utilizado nos foguetes de combustível líquido de pequeno e médio portes.

Em 2014, o Brasil lançou com êxito seu primeiro foguete a etanol, mas o VS-30 V13 é projetado apenas para voos suborbitais.


Fonte: Site Inovação Tecnológica - http://www.inovacaotecnologica.com.br/

Comentário: Tenha calma leitor, essa notícia me parece truncada, pois creio que o tal foguete do Projeto SALSA europeu a ser desenvolvido, não tem nada haver com o Brasil, e no que diz respeito à participação brasileira nestes testes, é somente em relação ao desenvolvimento da cabeça de injeção do motor líquido L75. Ponto. Entretanto, antes que você fique eufórico com tudo isso, vale lembrar que quando em outubro do ano passado o IAE anunciou o inicio dos testes a quente na Alemanha da câmara de empuxo desse motor, um comentário polêmico feito no Blog pelo pesquisador Fausto Ivan Barbosa (veja aqui), pesquisador este que havia participado deste projeto do IAE e até onde sei, atualmente trabalhando no ITA, gerou uma grande discussão e colocou em dúvida a viabilidade de todo o projeto. Sinceramente leitor, para mim foi um grande balde de água fria, pois foi à confirmação inequívoca de que o governo brasileiro não tem o menor interesse de conduzir um programa espacial de verdade. Ou o Pesquisador Fausto Ivan Barbosa disse besteira (o que eu duvido muito), ou o motor L75 caminha para dentro de alguns anos tornar-se peça de exposição no Memorial Aeroespacial Brasileiro (MAB) como lembrança da falta de seriedade e compromisso de um governo composto por vermes vagabundos. Portanto leitor, relaxe e não se deixe levar por essa notícia. Vale aqui um esclarecimento. O fato dos testes com o Motor L75 estarem sendo realizados na Alemanha, é explicado pela falta de instalações no Brasil para realizar testes com motores líquidos deste tipo de empuxo, e isto por si só, apos 56 anos de atividades espaciais do país, já é uma clara demonstração da falta de compromisso governamental com o Programa Espacial Brasileiro (PEB). Aproveitamos para agradecer publicamente ao leitor Marcelo Farias pelo envio desta notícia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário