sábado, 15 de outubro de 2016

Pesquisador do INPE Desenvolve Estudos em Parceria Com Nobel de Física

Olá leitor!

Segue agora mais uma notícia postada ontem (14/10) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), tendo como destaque a parceria do pesquisador do INPE, Dr. Enzo Granato, como o Nobel de Física o britânico John Michael Kosterlitz.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

Pesquisador do INPE Desenvolve Estudos
em Parceria Com Nobel de Física

Trabalho conjunto começou em 1982, quando o brasileiro Enzo Granato e o
britânico John Michael Kosterlitz se conheceram nos Estados Unidos. Desde
então, os pesquisadores trocam experiências na área de supercondutividade e
transições de fase em superfícies.

Por Ascom do MCTIC
Publicação: 14/10/2016 | 10:48
Última modificação: 14/10/2016 | 10:49

Um dos ganhadores do Prêmio Nobel de Física, o britânico John Michael Kosterlitz, realiza estudos sobre supercondutividade e transições de fase em superfícies no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Junto com David J. Thouless, e F. Duncan M. Haldane, ele ganhou o Nobel por descobertas teóricas das transições de fase topológicas e das fases topológicas da matéria. O anúncio foi feito pela Academia Real Sueca de Ciências em outubro.

Um dos parceiros de Kosterlitz no Brasil é o responsável pelo Grupo de Pesquisa em Física da Matéria Condensada (MatCon) do Laboratório Associado de Sensores e Materiais (LAS) do INPE, Enzo Granato. A parceria começou em 1982, quando o físico orientou o brasileiro em sua tese de doutorado na Universidade Brown, nos Estados Unidos.

"Inicialmente, a ideia era pesquisar sobre o efeito Hall quantizado, mas o chefe dessa área já estava orientando outro aluno e não quis me aceitar naquele momento. Depois, conversei com vários professores até conhecer o Kosterlitz, que me convenceu a entrar na área da pesquisa teórica de supercondutores. Ele foi bastante receptivo e me convenceu. Desde então temos essa parceria", afirmou Granato.

De tempos em tempos, John Michael Kosterlitz vem ao Brasil. A primeira visita foi em 1988. Na mais recente, em junho deste ano, desenvolveu pesquisas com a equipe do LAS em transição de fases em filmes finos supercondutores – chamada transição Kosterlitz-Thouless – e fez palestras para cientistas brasileiros. Segundo Enzo Granato, a passagem pelo país ganha um peso especial por ter sido justamente no ano em que o britânico recebeu o Nobel.

"Foi um privilégio, ainda mais neste ano. Foi realmente especial podermos ter essa oportunidade de ter um ganhador do Nobel conosco. Ele já havia sido indicado em outros anos. A comunidade científica da área sabia que esse trabalho desenvolvido nos anos 1970 tinha valor e teria aplicações no futuro", destacou o pesquisador do INPE.

John Michael Kosterlitz se mostrou surpreso com a conquista. Em uma videoconferência com pesquisadores e representantes da Universidade Brown, o físico relembrou o começo do trabalho ao lado de Thouless e Haldane. "Quando começamos, era um exercício puramente teórico. Me diverti muito fazendo isso. Acho que o impacto [da pesquisa] foi bastante grande", afirmou.


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC)

Nenhum comentário:

Postar um comentário