quinta-feira, 20 de outubro de 2016

AEB Representa o Brasil no GT de Sustentabilidade das Atividades Espaciais

Olá leitor!

Segue abaixo mais uma nota esta postada hoje (20/10) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que a Agência irá representar o Brasil no GT de Sustentabilidade das Atividades Espaciais.

Duda Falcão

AEB Representa o Brasil no GT de
Sustentabilidade das Atividades Espaciais

Coordenação de Comunicação Social – CCS
20/10/2016


A Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTIC) estará representando oficialmente o Brasil no Fórum “As Melhores Práticas Internacionais em prol da Sustentabilidade do Espaço Exterior: Progressos e Planejamento. O evento, promovido pelo Grupo de Trabalho sobre Sustentabilidade das Atividades Espaciais, acontece em Washington DC (EUA), no período de 19 a 23 de outubro, sendo o Brasil o único país em desenvolvimento convidado a mediar o tema.

O encontro reúne especialistas internacionais e dos Estados Unidos, integrantes da política Espacial de governos, indústria e academia, como Simonetta di Pippo, diretora do Escritório das Nações Unidas de Assuntos do Espaço Exterior, David Kendall, presidente do Comitê para Usos Pacíficos do Espaço Exterior das Nações Unidas, e Pedro Martinez, presidente do Grupo de Trabalho de Sustentabilidade.

O assessor de Cooperação Internacional da AEB, André Rypl, a convite do Departamento de Estado dos Estados Unidos e da organização Secure World Foundation, apresentará nesta sexta-feira (21.10) a posição brasileira no painel “Iniciativas Nacionais: Cooperação Internacional e a Implementação de Diretrizes, que integra o evento.

Segundo André, a participação da AEB no processo terá grande destaque e visa assegurar que o processo de adoção de diretrizes seja inclusivo e não discriminatório. “Teremos o cuidado para não gerar barreiras técnicas ou econômicas que possam inviabilizar as atividades do Programa Espacial Brasileiro”, afirmou.

A troca de experiências com os principais participantes do processo de negociação das diretrizes de sustentabilidade a longo prazo das atividades espaciais permitirá identificar formas e mecanismos voltados à promoção da adoção dessas diretrizes; discutir as limitações e desafios a serem enfrentados pelo Brasil e outros países em desenvolvimento nesse processo; e reafirmar a importância da cooperação internacional e transferência de tecnologia e conhecimentos entre atores espaciais desenvolvidos  e em desenvolvimento como elemento chave para a proteção da sustentabilidade das atividades espaciais.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Nenhum comentário:

Postar um comentário