quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Para Diretor do INPE, Brasil Pode Exportar Conhecimento na Área Espacial

Olá leitor!

Segue agora uma notícia postada hoje (04/08) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) destacando que segundo o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Dr. Leonel Perondi, o Brasil exportar conhecimento na Área Espacial.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

Para Diretor do INPE, Brasil Pode
Exportar Conhecimento na Área Espacial

Segundo Leonel Perondi, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais foi
fundamental para o país se consolidar como um player mundial em
economia espacial. Entidade vinculada ao MCTIC completou
55 anos nesta quarta-feira (3).

Por Ascom do MCTIC
Publicação: 04/08/2016 | 10:54
Última modificação: 04/08/2016 | 11:01

Crédito: Cbers/INPE
Satélite Cbers-4, construído em parceria com a China, está
em operação. Uma das imagens captadas pelas câmeras
do equipamento mostra a cidade do Rio de Janeiro (RJ).

O Brasil poderá exportar conhecimento na área espacial. A avaliação é do diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Leonel Perondi. Segundo ele, o instituto, que completou 55 anos nesta quarta-feira (3), foi fundamental para o país se consolidar como um player mundial em economia espacial. Vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o INPE é uma das principais instituições produtoras de conhecimento no setor aeroespacial – está entre as 40 mais prolíficas do mundo, segundo estudo publicado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em 2014.

"Somos uma peça importante para o Brasil se consolidar como um player mundial em economia espacial. Já temos a expertise construída em uma série de atividades relacionadas ao setor e temos também atuação forte na fabricação de satélites. Assim como produzimos aviões, podemos produzir e exportar nossos satélites e conhecimento na área espacial", afirma Perondi.

Para ele, o INPE só conseguiu alcançar este patamar porque transformou o conhecimento adquirido em produtos e serviços para a sociedade e a indústria. As principais áreas de atuação são meteorologia e mudanças climáticas; observação da Terra; ciências espaciais e atmosféricas; e engenharia espacial. "Isso é um fato muito importante. O que nós produzimos ajuda diversas atividades econômicas e a sociedade como um todo." 

Um dos serviços mais disseminados são as previsões produzidas diariamente pelo Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), que servem de base para a modelagem do clima em toda a América do Sul. Há ainda os programas de monitoramento por satélite de áreas desmatadas e de focos de queimadas. Mas Perondi destaca outra atividade: o monitoramento da ionosfera. Ele explica que variações na ionização nesta camada da atmosfera da Terra podem interferir nas telecomunicações e na área de energia.

"As ondas eletromagnéticas trafegam na ionosfera e podem gerar interferências nas comunicações e na modulação da energia. A aviação civil e as plataformas de exploração de petróleo em alto mar, por exemplo, precisam dos nossos dados para validar o posicionamento do GPS. O Operador Nacional do Sistema Elétrico também usa esses dados, porque o campo eletromagnético pode interferir na transmissão de energia elétrica", conta.


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC)

2 comentários:

  1. Como anda o projeto SARA, ainda esta valendo. Não ouvi falar mais nada a respeito desde o acidento no ano passado. Sera que vai ser mais um projeto abandonado como o 14x.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mauro!

      Não há informações sobre o SARA ainda, mas não creio que o mesmo tenha sido abandonado e muito menos o 14X. Creio que deveremos ter alguma notícia de ambos os projetos em 2017. Vamos torcer.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir