quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Diretor Destaca Papel do INPE Como Indutor do Setor Espacial Brasileiro

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (22/12) no site do “Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)” destacando que o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) se reuniu ontem em Brasília com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera.

Duda Falcão

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Diretor Destaca Papel do INPE Como
Indutor do Setor Espacial Brasileiro

Leonel Perondi se reuniu com o ministro Celso Pansera nesta
terça-feira (22) e destacou capacidade do País em desenvolver
e sustentar o ciclo de satélites, além do avanço tecnológico na área.

Por Ascom do MCTI
Publicação: 22/12/2015 | 18:03
Última modificação: 22/12/2015 | 18:24

Crédito: INPE/Divulgação
Satélite CBERS-4 passou para o comando operacional
do INPE em novembro deste ano.

O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCTI), Leonel Perondi, se reuniu nesta terça-feira (22) com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera. O dirigente destacou ao titular do MCTI que o Inpe tem o papel de ser um dos indutores do desenvolvimento do setor espacial brasileiro, além de elencar os avanços feitos pelo Instituto em 2015 e os desafios esperados para 2016.

Os satélites do programa CBERS, desenvolvidos em parceria com a China, são um exemplo desta prerrogativa, segundo Perondi. Ele ressaltou que o Brasil, agora, obtém o conhecimento de todas as etapas necessárias para que os equipamentos cheguem ao espaço e possam fornecer dados. Em novembro, o comando de operações do CBers-4 passou para o INPE. O equipamento já fornece imagens do território brasileiro que podem ser utilizadas para diversos fins.

"Estamos chegando na fase operacional de um programa que levou dez anos para que nós concluíssemos e que tivemos todo o ciclo, desde a parte inicial, da concepção, chegando ao projeto, fabricação, lançamento e, agora, operação em órbita desse satélite. Então, o Brasil, com o CBERS-4 operacional, demonstra que adquiriu a capacitação para desenvolver o ciclo de vida completo do sistema espacial no País, com grande participação da indústria espacial", afirmou Leonel Perondi.

O programa com os chineses será continuado em breve, com a construção do CBERS-4A. O equipamento será montado com peças sobressalentes dos satélites anteriores CBERS-3 e CBERS-4. A expectativa é que ele possa ser lançado ao espaço em até dois anos. "É um projeto que nós esperamos que tenha impacto sobre a indústria espacial no Brasil, na sua capacitação", explicou.

Amazônia-1

Leonel Perondi destacou ainda o projeto Amazônia-1. O satélite de órbita polar vai gerar imagens da Terra a cada quatro dias e permitirá a melhora nos dados de alerta de desmatamento na Amazônia em tempo real.

"O Amazônia 1 encontra-se em andamento. Ele foi projetado no âmbito do INPE com apoio da AEB [Agência Espacial Brasileira] e também contrata indústrias. A previsão é que a fabricação, o término e seu lançamento aconteçam até 2018. Esse é um dos grandes projetos sobre os quais falamos com o ministro nesse período", disse Perondi.


Fonte: Site do Ministério da Ciência,Tecnologia e Inovação (MCTI)

Comentário: Por mais que o Dr. Leonel Perondi tenha tido boas intenções nesta reunião, infelizmente pouco ou nada resultará, afinal falou com a pessoa errada. Em países desenvolvidos e sérios os Ministros são na verdade em geral em sua maioria profissionais do setor auxiliares do responsável pelo governo (presidente, rei, primeiro ministro) tendo como função apresentar a este mesmo responsável quais são os objetivos e metas do setor que ministra e assim obter o apoio deste representante liberando os recursos e estabelecendo e gerenciando a logística necessária que permita desenvolvimento daquele setor. No Brasil, os ministérios são ocupados por políticos, usados como moeda de troca e os seus ocupantes são obrigados a seguir a vontade de seu padrinho, que em nosso caso como sabemos é uma madrinha com deficiência mental e formação política discutível, ou seja, uma completa debiloide e irresponsável. Muito tenho ouvido de minhas fontes de que o Dr. Leonel Perondi é um profissional sério e competente, mas devo dizer que até o momento não pude observar neste profissional a garra e a fibra necessária para lutar pelos interesses do seu instituto e do PEB. Em momento algum o Dr. Perondi foi a público explicar de forma clara e objetiva (estabelecendo responsabilidades) a Sociedade Brasileira o porquê de tantos atrasos nos projetos de satélites do instituto e de suas tecnologias sensíveis e associadas. Até o momento o Sr. Perondi se preocupou apenas em falar das dificuldades enfrentadas de forma soft e indireta, o que me leva a crer que esteja tentando apenas se manter no cargo. Uma pena, pois se fosse a publico como diretor do INPE e expusesse não só as dificuldades (muito maiores das até aqui divulgadas), mas também todos problemas de boicote e desinteresse político que tem enfrentado, poderia ate perder o cargo, mas desencadearia certamente um incidente politico que poderia ajudar mais do que esta viajem perdida a Brasília. Precisamos trazer a Sociedade Brasileira para o nosso lado, caso contrario esses vermes continuarão ignorando o PEB. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário