quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Astrônomas Cariocas Pesquisam na NASA Vulcões Espalhados pelo Espaço

Olá leitor!

Segue abaixo um artigo da Revista VEJA postado dia (28/10) no site do Núcleo de Pesquisas de Ciências (NUPESC), destacando que Astrônomas Cariocas pesquisam na NASA vulcões espalhados pelo espaço.

Duda Falcão

GALLERY

Astrônomas Cariocas Pesquisam na
NASA Vulcões Espalhados pelo Espaço

Revista VEJA
28 de outubro de 2015

(Foto: Cacá Santoro)

Muita gente confunde astronomia (ciência que estuda os corpos celestes) com astrologia (arte de desvendar o futuro por meio das estrelas) ou mesmo gastronomia (área que abrange os prazeres da culinária). Quem faz essa afirmação, após dar boas risadas, é Fabíola Magalhães, 33 anos, nascida e criada na Ilha do Governador, Zona Norte da cidade. Ela tem conhecimento de causa sobre o que diz, afinal, trabalha desde o ano passado na National Aeronautics and Space Administration, a popular NASA. Finaliza um doutorado em geofísica espacial no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (o INPE, de São José dos Campos, São Paulo). O curso inclui a experiência de um ano, patrocinada pelo programa Ciência sem Fronteiras, no JPL (sigla em inglês para Laboratório de Propulsão a Jato), um dos centros de estudos da agência espacial americana, na cidade de Pasadena, na Califórnia. A façanha dessa ilhoa que na adolescência devorava os livros do astrônomo Carl Sagan não é coisa pequena. Fabíola vem se projetando num meio que não costuma receber bem as mulheres.

Levantamento divulgado no mês passado por pesquisadores ligados ao Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e à Universidade de São Paulo (USP) indica que há uma discriminação de gênero nos laboratórios de astronomia brasileiros: 36% das cientistas disseram ter sofrido assédio sexual no trabalho; e elas respondem por só 28% das cadeiras na Sociedade Brasileira de Astronomia (veja o quadro ao lado). O curioso é que Fabíola é orientada justamente por uma mulher, também carioca (de Ipanema): Rosaly Lopes, 58 anos.

Rosaly chegou a cursar o primeiro período de astronomia na UFRJ, mas concluiu seus estudos na Inglaterra, chegando a bater ponto no Observatório Real de Greenwich. Após trabalhar em Nápoles, na Itália, foi chamada pela NASA, em 1991. Hoje a astrônoma comanda o núcleo de Ciências Planetárias do JPL, com 100 profissionais sob sua supervisão. Há um dado interessante em seu currículo: ela é a pessoa que descobriu a maior quantidade de vulcões em atividade, conforme está registrado na edição de 2006 do Guinness Book. Foram 71, e todos eles estão localizados em Io (pronuncia-se “Ío”), um dos satélites naturais de Júpiter. E é sobre isso a tese da pupila Fabíola.

As duas se debruçam sobre um tema complicado, árido para quem não é do ramo. Localizado a 800 milhões de quilômetros da Terra, Io é pouco maior que a nossa lua. Tem 4,5 bilhões de anos de idade e se destaca por ser o corpo celeste mais avermelhado do sistema solar. Io está no meio de um cabo de guerra entre Júpiter e seus outros satélites. O efeito gravitacional deles acaba fazendo com que a superfície do satélite fique num estica e puxa permanente. E essa movimentação termina gerando calor e resulta em vulcanismo. O estudo vai além. Essas erupções expelem partículas que a atmosfera de Io não tem como segurar e que, por isso, acabam escapando para o espaço. Elas formam um cinturão de matéria ao redor de Júpiter, também conhecido como toroide de plasma. O que Fabíola quer entender é como a atividade vulcânica de Io afeta essa estrutura. “Quanto mais soubermos sobre isso, melhor compreenderemos o sistema como um todo”, resume a cientista.

(Foto: Infográfico: Jonatan Sarmento)

Fabíola tem até o começo de março do ano que vem para retornar ao Brasil, onde deve apresentar sua tese de doutorado até o fim de maio. A experiência no JPL ajuda (mas não resolve) seu futuro por aqui. Por exemplo, não é garantido que a moça tenha um laboratório no INPE quando voltar. Mais certo é que terá de conseguir uma bolsa para continuar pesquisando, ou para tentar obter uma vaga numa instituição que lhe permita dar prosseguimento a seus trabalhos. Outro desafio será fazê-los sem a infraestrutura da NASA. O Brasil não tem tradição no setor, e sintoma de que as pesquisas andam rareando por aqui foi o rompimento, em julho, da parceria com a Ucrânia para o lançamento de foguetes. O lado bom dessa história é que Fabíola trará na bagagem a experiência de ter trabalhado num laboratório de ponta e, principalmente, de ter acompanhado a forma como ele é gerido. A cientista que foi para os Estados Unidos como aprendiz voltará como pioneira num assunto praticamente inexplorado por aqui. Ela não para. É uma carioca agitada como os fenômenos que estuda.


Fonte: Site do NUPESC - https://nupesc.wordpress.com

Comentário: Interessante artigo e agradeço ao Prof. Marcos Luna do Núcleo Tecnológico do Agreste (NTA) de Bezerros (PE) pelo envio do mesmo ao Blog.

Nenhum comentário:

Postar um comentário