segunda-feira, 5 de outubro de 2015

INPE Investiga Formação de Cratera Aberta Por Meteoro em Ubatuba, SP

Olá leitor!

Segue abaixo mais uma matéria sobre a tal cratera aberta por meteoro em Ubatuba-SP postada no Blog em setembro (veja aqui) que está sendo investigada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), matéria esta com novas informações postadas ontem (04/10) no site “G1” do globo.com.

Duda Falcão

VALE DO PARAÍBA E REGIÃO

INPE Investiga Formação de Cratera
Aberta Por Meteoro em Ubatuba, SP

Cratera mede cerca de 1,3 quilômetro e 300 metros de profundidade.
Bordas do buraco gigante tem 5,3 milhões de anos.

Do G1 Vale do Paraíba e Região (*)
04/10/2015 - 11h36
Atualizado em 04/10/2015 - 11h36

(Foto: Divulgação/INPE)
Imagem de satélite mostra que cratera tem formato quadrado
e está localizada na serra do mar em Ubatuba.

Uma cratera, possivelmente aberta por um meteoro, é investigada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) há cerca de um ano. A cratera tem formato quadrado, cerca de 1,3 quilômetro em cada lado e 300 metros de profundidade.

O buraco gigante fica na Serra do Mar, em Ubatuba (SP), e o que intriga os pesquisadores e é alvo do estudo é a idade da formação. Isso porque as bordas da cratera existem há cerca de 5,3 milhões de anos - idade da formação da serra - mas o interior dela tem sedimentos que remontam entre 30 mil e 40 mil anos atrás.

Para avaliar o espaço, os geólogos estão juntando imagens de satélites, em alta e média resolução. “O que foi possível de ser observado é que a estrutura é totalmente diferente com relação à geomorfologia da região da Serra do Mar”, disse Paulo Roberto Martini, geólogo e pesquisador do INPE.

Ele disse que fez uma visita de campo na cratera. “Fizemos uma visita ao campo buscando acesso por terra, mas o local estava muito encharcado e não conseguimos entrar nos limites das estruturas”, explicou. Segundo Paulo, como a cratera está em uma reserva estadual, também não é possível entrar na área sem licença.

(Foto: Divulgação/INPE)
Cratera tem formato quadrado e cerca de 1,3 quilômetro
em cada lado e 300 metros de profundidade.

“Pretendemos, então, abordar a cratera via Rio Poruba, que margeia o sítio e talvez podemos encontrar algum córrego que adentre o local. Nossa tentativa será encontrar amostras com deformações ou mineralogias típicas de impacto nos aluviões [areia, cascalho e/ou lama] das margens e mesmo do fundo do Rio”, explicou.

Segundo Martini, outros pesquisadores mapearam a área da formação e não conseguiram identificar uma origem tectônica da formação geológica, o que aumenta a chance de se comprovar o impacto de um asteroide.

“O impacto aconteceu depois que a morfologia da Serra do Mar foi estabelecida há cerca de 5,3 milhões de anos. A cratera tem 300 metros de profundidade, considerando-se uma boa aproximação de deposição de 1 metro de sedimentos a cada 100 anos ,chegariamos à idade 30 mil ou 40 mil anos atrás. Sabe-se que a cratera do Arizona (EUA), com formato muito semelhante a de Ubatumirim foi datada com 50 mil anos”, disse.

A cratera está recheada de sedimentos originados das montanhas ao redor, mas também pode existir sedimentos marinhos."Se for este o caso, o impacto aconteceu depois do último grande levantamento do nível do mar que ocorreu há 7 mil anos. São hipóteses que estão sendo estudadas”, completou.

Investigação

Os geólogos ainda estão analisando as imagens e estudando os tipos de abordagem adequados ao local para posteriormente começar uma expedição no local. “Uma boa ideia seria percorrer a estrutura com um avião pequeno de asa alta e tomar imagens aéreas de baixa altitude. Alguns perfis do local tomados com filmadoras e máquinas digitais dariam bons produtos para se trabalhar”. Ainda não há previsão para que as expedições sejam feitas.

(*) Colaborou Camilla Motta


Fonte: Site “G1” do globo.com – 04/10/2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário