quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Reunião no CLA Inicia os Preparativos Para a Operação São Lourenço do SARA Suborbital 1

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (04/08) no site do “Centro de Lançamento de Alcântara (CLA)” destacando que reunião no CLA inicia os preparativos para a Operação São Lourenço do SARA Suborbital 1.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

Reunião no CLA Inicia os Preparativos
Para a Operação São Lourenço

Publicado: Terça, 04 de Agosto de 2015, 18h08
Última atualização em Terça, 04 de Agosto de 2015, 18h32


O Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) recebe, nesta semana, especialistas e pesquisadores da área espacial que participam da Reunião de Acompanhamento de Interfaces (RAI) da Operação São Lourenço. A atividade tem por objetivo coordenar ações visando o lançamento e rastreio do foguete de sondagem VS-40M nos meses de outubro e novembro, transportando a plataforma espacial denominada SARA, ou Satélite de Reentrada Atmosférica, ambos desenvolvidos pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), organização militar do Comando da Aeronáutica subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA). Além de integrantes do DCTA, IAE e CLA, participam também das reuniões servidores civis e militares do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) e do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI). O encontro se estende até a próxima sexta-feira (7/8) em Alcântara.


Em paralelo à RAI, o CLA também sedia uma pré-campanha da Operação São Lourenço. As atividades englobam a instalação de dispositivos mecânicos no Lançador de Porte Médio (LPM) do Centro, recentemente revitalizado, bem como o ensaio de integração de um mock-up, protótipo do foguete VS-40M em dimensões reais e sem combustível, passando pelas etapas de montagem, transporte e integração no LPM, testes com dispositivos e com o próprio Lançador e os processos inversos de retirada da plataforma de lançamento, transporte e desmontagem. “A partir da pré-campanha e RAI da São Lourenço, o CLA espera harmonizar junto à coordenação da Operação todas as ações e preparar todos os meios, de modo a realizarmos com total sucesso o lançamento do foguete VS-40M SARA em Alcântara”, afirma o anfitrião da RAI, o Coronel Aviador Cláudio Olany Alencar de Oliveira, Diretor do CLA.

Operação São Lourenço


Prevista para ocorrer no CLA de 13 de outubro a sete de novembro de 2015, a Operação São Lourenço além de visar o lançamento e rastreio do veículo VS-40M com a plataforma espacial SARA, também levará a bordo um GPS de aplicação na área de espaço em fase de qualificação e desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Para assegurar a operacionalidade de todo pessoal envolvido e dos meios do CLA, um Foguete de Treinamento Intermediário (FTI) deve ser lançado antes do VS-40M.

Ainda por meio da Operação São Lourenço, os pesquisadores do IAE/DCTA pretendem dar andamento ao projeto SARA que compreende o desenvolvimento de uma plataforma espacial para experimentos em ambiente de microgravidade destinada a operar em órbita circular baixa, a 300 km de altitude, por um período máximo de 10 dias. Com o lançamento bem sucedido, subsistemas do SARA Suborbital tais como redes elétricas, sistema de recuperação, estrutura, módulo de experimentos, gás frio e proteção térmica devem passar por qualificação em vôo. Além disso, com a qualificação das Redes Elétricas de Segurança e de Serviço feitas para o VS-40M, as mesmas poderão vir a ser empregadas no Veículo Lançador de Satélites (VLS-1). Durante o lançamento e rastreio do veículo deve ocorrer à interligação das estações de telemetria, radar e tratamento de dados de localização do CLA com as estações do CLBI, com objetivo de operacionalizar o sistema de comunicação entre estações remotas, essenciais para a manutenção da operacionalidade dos dois centros de lançamento situados em território nacional. “A missão de lançamento da plataforma SARA destaca-se por compreender um veículo, uma carga útil e uma infraestrutura de lançamento nacionais que irá possibilitar a exploração do ambiente de microgravidade permitindo diversos avanços em estudos científicos e tecnológicos”, finaliza o Tenente Coronel Engenheiro Alexandre Nogueira Barbosa, Coordenador-Geral da Operação São Lourenço.


O VS-40 já foi lançado duas vezes no Brasil, todas no CLA (Operação Santa Maria – 1993 e Operação Livramento – 1998) e uma vez na Noruega em apoio ao programa de microgravidade da Agência Espacial Européia (ESA), sendo esse o último lançamento realizado em junho de 2012. A Operação São Lourenço é a principal atividade de lançamento e rastreio de engenhos aeroespaciais previsto para este ano de 2015 no Programa Espacial Brasileiro, em coordenação com a Agência Espacial Brasileira (AEB).


Fonte: Site do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA)

Comentário: Bom leitor, antes de chamar sua atenção para o que foi divulgado nessa nota do site do CLA, gostaria de dizer que desde que retornei dos EUA em junho de 1985 observei contrariado diversos projetos significativos e mobilizadores do IAE e do INPE surgirem e desaparecerem como num passe de mágica devido à falta de comprometimento de governos irresponsáveis subsequentes, mais preocupados no estabelecimento do populismo necessário para seus objetivos nefastos, invés de buscarem o desenvolvimento de uma nação de verdade e progressista. O Projeto SARA foi um dos sobreviventes deste processo político inconsequente protagonizado por esses vermes e que agora parece chegar ao final de sua primeira etapa (são quatro as etapas previstas, sendo duas delas orbitais). Vale lembrar que como outros projetos importantes surgidos neste período, o Projeto SARA foi fruto da iniciativa de um grande brasileiro que infelizmente não se encontra mais entre nós, mas que não poderíamos (neste momento em que o SARA se aproxima de fazer o seu primeiro teste de voo) deixar de lembrar para os nossos leitores o nome deste pernambucano que marcou época como pesquisador do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), ou seja, o Dr. Paulo Moraes Jr.. Vale dizer que quando vivo o Dr. Paulo atuou também como Coordenador do Programa de Veículos Lançadores CRUZEIRO DO SUL (seu idealizador também) e por duas gestões como presidente da Associação Aeroespacial Brasileira (AAB), e aproveitando esta oportunidade neste momento faço minha singela homenagem a este grande brasileiro que tive o privilégio de conhecer pessoalmente esperando que o IAE durante a realização desta “Operação São Lourenço” possa realizar alguma homenagem ao Dr. Paulo na presença de seu familiares, em reconhecimento aos serviços prestados a este instituto por este grande brasileiro. Falando do Projeto SARA e desse seu primeiro teste de voo, chamo a sua atenção para alguns pontos leitor. O primeiro deles é que a operação de lançamento será agora realizada no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) como inicialmente previsto no projeto, e não mais no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) como vinha sendo divulgado. Outro ponto importante da nota é a notícia de que as Redes Elétricas de Segurança e de Serviço desenvolvidas para o foguete VS-40M poderão vir a ser empregadas no Veículo Lançador de Satélites (VLS-1). Esta notícia me parece significativa, já que demonstra o interesse do IAE de encontrar uma solução para acelerar o processo atrasado pela incompetência da MECTRON em entregar as Redes Elétricas do VLS-1. Entretanto leitor como um entusiasta deste Projeto SARA devo lembra-lhe o que disse no mês de maio em entrevista ao Blog o atual gerente do projeto, o Major Élcio Jerônimo de Oliveira (veja aqui), diante do nosso questionamento de quando seria uma previsão otimista para o lançamento do segundo teste de voo do projeto, ou seja, o voo do SARA Suborbital 2: “Primeiro temos que ter em mente que todos os avanços no campo científico-tecnológico dependem dos resultados dos estudos e testes realizados, além de um fluxo de caixa que garanta a execução de todas as etapas do projeto sem interrupções. Considerando, agora, que a missão suborbital 1 será bem-sucedida, e que os resultados e as lições aprendidas nos garantirão avançar para a próxima fase do projeto sem alterações muito profundas e, ainda, que haverá um aporte financeiro dimensionado para todas as etapas do projeto, acredito que no máximo em cinco anos poderemos lançar o SARA suborbital 2.”. Ora leitor, diante do que disse o Major Élcio de Oliveira e da conhecida falta de comprometimento político desses vermes, não há como acreditar neste momento de que este projeto não esteja correndo o sério risco de se tornar obsoleto antes mesmo do seu final ou até mesmo nem ser finalizado. 

3 comentários:

  1. olha as bobagens da nossa Eisten Dilma: Não vamos colocar uma meta: deixaremos em aberto e quando atingirmos ela, nós dobraremos a meta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Leonardo!

      Quando eu a taxo de debiloide não é por acaso.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. Acho que esse é o evento mais importante do ano.

    ResponderExcluir