quarta-feira, 12 de agosto de 2015

O Projeto Laser Interferometer Gravitational - Wave Observatory (LIGO) Iniciará Seus Trabalhos em Setembro

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (10/08) no site da “Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)” destacando que o projeto Projeto Laser Interferometer Gravitational - Wave Observatory (LIGO) iniciará seus trabalhos a partir do mês de setembro.

Duda Falcão

Notícias

Escola em Ondas Gravitacionais

Projeto LIGO (Laser Interferometer Gravitational - Wave Observatory)
começará trabalhos

Ricardo Aguiar
11/08/2015

Reprodução
Fotos da Escola em Ondas Gravitacionais.

No mês de setembro, o projeto LIGO (Laser Interferometer Gravitational - Wave Observatory) começará seus trabalhos para tentar detectar, pela primeira vez de maneira direta, ondas gravitacionais. Membro dessa colaboração internacional, o pesquisador Riccardo Sturani, do ICTP-SAIFR, foi um dos organizadores da Escola em Ondas Gravitacionais, realizada no instituto entre os dias 3 e 11 de agosto. Durante o evento, os alunos, provenientes de diversos países da América do Sul, tiveram palestras sobre essa recente área da Física que deverá ganhar mais destaque nos próximos anos com o início das atividades do LIGO.

“Como essas ondas ainda não foram detectadas diretamente, temos poucos dados e poucas pessoas que trabalham com isso na América do Sul”, diz Sturani. “O intuito da Escola foi divulgar a área. Através de aulas, exercícios e discussões, abordamos desde aspectos teóricos até práticos, como técnicas de análise de dados”.

A Escola contou com a presença de diversos pesquisadores internacionais de ponte na área, como Alessandra Buonanno (Instituto Max Planck, Potsdam, Alemanha), Stefano Foffa (Universidade de Geneva, Itália), Sergej Klimenko (Universidade da Flórida, EUA), Enrico Ramirez-Ruiz (Universidade Califórnia-Santa Cruz, EUA) e Walter Del Pozzo (Universidade de Birmingham, Reino Unido).

Ondas Gravitacionais

Ao se moverem, todos os corpos que têm massa produzem ondas gravitacionais. Essas ondas se propagam pelo espaço assim como uma onda se propaga na água, porém são muito fracas. Apenas sistemas com grande quantidade de matéria, como aqueles constituídos por buracos negros, por exemplo, conseguem produzir ondas gravitacionais detectáveis. Até o momento, sua existência foi confirmada apenas indiretamente, pela energia que é emitida em forma de ondas.

Explicando de maneira simplificada, a ideia do LIGO para detectá-las diretamente é baseada em um sistema de lasers e espelhos. Ao passar pelo sistema, uma onda deverá alterar o tempo que um laser leva para ir até um espelho, ser refletido e voltar a um detector. As técnicas de análise de dados para esse tipo de experimento, como explica Sturani, precisam ser específicas.

“Diferente de muitas outras áreas da Física, nossos experimentos possuem mais ruídos do que sinais verdadeiros”, afirma o pesquisador. “Em minhas palestras, falei sobre métodos que podem ser utilizados em situações como essas”.

A detecção direta de ondas gravitacionais permitiria, por exemplo, o estudo de corpos astronômicos que não emitem luz, mas que emitem essas ondas. “Nossa expectativa é que ondas gravitacionais sejam detectadas diretamente pelo LIGO nos próximos dois ou três anos”, diz Sturani.

Imagens em


Fonte: Site da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

Nenhum comentário:

Postar um comentário