sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Nanosatélite SERPENS Será Levado a Estação Espacial na Segunda-Feira (17)

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota da postada hoje (14/08) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que o Nanosatélite SERPENS será levado à estação espacial na Segunda-Feira (17).

Duda Falcão

Nanossatélite SERPENS Será Levado a
Estação Espacial na Segunda-Feira (17)

Coordenação de Comunicação Social (CCS)

Foto: Valdivino Jr/AEB
Modelo de engenharia do SERPENS.

Brasília, 14 de agosto de 2015 – O satélite de pequeno porte SERPENS, sigla do projeto Sistema Espacial para Realização de Pesquisa e Experimentos com Nanossatélites, criado pela Agência Espacial Brasileira (AEB), será levado para a Estação Espacial Internacional (ISS), na segunda-feira (17).

Desenvolvido por estudantes da Universidade de Brasília (UnB) em parceria com alunos de outras instituições de nível superior nacionais e internacionais, o cubsat nacional partirá do Centro Espacial de Tanegashima, no Japão, em direção à ISS, de onde será colocado em órbita em outubro.

Ele é o terceiro cubesat nacional a ser colocado no espaço, e testará conceitos simples do uso cubesat para o recebimento, armazenamento e retransmissão de mensagens por sistema de rádio.

O engenheiro mecatrônico e bolsista da AEB, Gabriel Figueiró explica que o projeto SERPENS tem como foco principal fomentar a educação espacial do país. “Outro objetivo fundamental da missão é a capacitação de recursos humanos, fator primordial para o desenvolvimento e consolidação dos novos cursos de engenharia espacial brasileiros, requisito importante para o Programa Espacial Brasileiro”, afirma.

Ele ainda informa que um nanossatélite mede, basicamente, a partir de 10cm x 10cm x 10cm, pesando cerca de 1kg. O SERPENS mede 10cm x 10cm x 30cm com quase 3kg de peso.

Participam do projeto as universidades federais do ABC (UFABC), de Santa Catarina (UFSC), de Minas Gerais (UFMG) e o Instituto Federal Fluminense (IFF). Do exterior estão envolvidas, as universidades de Vigo, da Espanha, Sapienza Università di Roma (Itália) e as norte-americanas Morehead State University e California State Polytechnic University.

Segundo Figueiró, esta primeira missão do programa foi coordenada pela UnB, mas a proposta é que cada uma das instituições envolvidas coordene a produção, o lançamento e a missão dos próximos artefatos.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Pois é, diferentemente do que foi divulgado anteriormente pela AEB, o dia do lançamento agora é 17/08. Avante SERPENS-1.

15 comentários:

  1. olá ! , Duda Falcão , do Brazilian Space , hoje Eu vi uma foto e gostaria da sua opinião sobre a mesma em relação dessa torre de Lançamento , me parece que é no CLFBI , assim como você eu tbm gosto do assunto,

    a foto está na contagem de 2:26 em um vídeo de total de 3:12

    se possível dê uma olhada e me esclareça a razão .

    parece-me que o Foguete é um Sonda IV ou um VS-30

    eu tenho dúvidas sobre essa Foto do Vídeo

    https://www.youtube.com/watch?v=adYGbPB8yh8

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo!

      A foto é de um Sonda IV que está ligado a torre de lançamento do veículo e no seu lado esquerdo aparece a plataforma de integração do foguete, semelhante a TMI do VLS-1. Essa plataforma foi desenvolvida para integração do Sonda IV (montagem do foguete) e hoje ela se encontra ainda no local de sua instalação, ou seja, no CLBI sem uma definição por parte da FAB de quando ou se a mesma será utilizada novamente. Inclusive eu até cheguei a sugerir há um tempo atrás de que se não há interesse da FAB em utiliza-la novamente, ela deveria ser desmontada e transferida para o Museu Aeroespacial Brasileiro (MAB) antes que acabe enferrujando. Enfim...

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. olhando a sequencia das fotos do Vídeo , contatei que se trata do VS-40 e a torre de Lançamento é do CLFBI , eu tinha ficado na dúvida se era no CLA ou no CLFBI

    até hoje não tinha visto uma foto dessa Torre Aberta !

    https://www.youtube.com/watch?v=adYGbPB8yh8

    eu achava que o Brasil só tinha uma Torre de Lançamento , no caso a do CLA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo!

      Na realidade é o Sonda IV como eu disse acima. Entretanto o VS-40 aparece também no vídeo, mas no caso desse foguete ele utiliza um sistema de lançamento diferente chamado de LPM (Lançador de Porte Médio), lançador este que é o mesmo utilizado pelo VSB-30. Vale dizer também que hoje nós temos um LPM tanto no CLA quanto no CLBI.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  3. não repare minha maneira de escrever " CLFBI " eu sei que se escreve " CLBI " mas eu gosto de usar a maneira bem antiga , da época que só existia um Centro de Lançamento no Brasil.

    o que me espantou foi a Foto , foi a 1° vez que vi a tal torre aberta, das outras vezes , eu a via , mas não imaginava que fosse uma torre (TMI ) - (montagem do foguete) , por não conhecer a fundo do assunto , eu apenas imaginava que fosse apenas uma Caixa dágua , mas valeu pelo esclarecimento , como ela foi construída para o Sonda IV , hoje não é mais usada.

    eu gostaria de encontrar outras Fotos com mais detalhes sobre essa Torre de Lançamento, eu procurei e não achei fácil , mas pelas duas fotos do Vídeo , deu para perceber que ela é maior que o Foguete Sonda IV , me corrija se estou errado em relação ao tamanho da Torre.

    ResponderExcluir
  4. estou Ampliando as duas Fotos da plataforma de integração (TMI ) - (montagem do foguete) e mi parece que tem entre 3 a 4 Andares , e como o Sonda IV só tem 2 Estágios

    - Primeiro nível
    Motores 1 motor S40
    Propulsão 203 kN
    Tempo de queima
    Combustível Sólido
    ---------------------------------
    Segundo nível
    Motores 1 motor S30
    Propulsão 120 kN
    Tempo de queima
    Combustível Sólido
    -------------------------------
    então a plataforma de integração (TMI ) - (montagem do foguete) do CLFBI foi feita para Foguetes do Grau do Sonda IV e até uma configuração até maior , exemplo de 3° e/ou 4° Estágios .
    .
    então minha curiosidade são essas citadas, gostaria de sua Opinião, é muito importante para mim e outros aqui da minha cidade que estuda o assunto e acompanha diariamente seu Blog.

    ResponderExcluir
  5. Duda Falcão - (Blog Brazilian Space) , sou um tanto curioso , mas essa plataforma de integração do foguete do CLBI , ela é Móvel ou é Fixa ?

    seria parecida com a do CLA , ti pergunto isto , porque não temos Fotos ou Vídeos da atuação da mesma.

    gostaria de mais detalhes se possível, eu sempre vi fotos do CLBI , e percebia esse artefato ao observar as tais fotos, mi parecia um Prédio, ou uma Caixa dàgua da cor Branca, por eu nunca ter vista a mesma sendo usada , não tinha como imaginar que seria uma plataforma de integração do foguete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo!

      Ela é sim maior que o Sonda IV e isto ocorre devido ao fato do próprio foguete ser montado dentro dela como ocorre com o VLS-1 e a TMI. Quanto o foguete está montado ela é arrastada para trás ficando só o foguete ligado a plataforma lançadora para o lançamento, como também é o caso do VLS-1 e a TMI, tá certo amigo?

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  6. Duda Falcão - (Blog Brazilian Space) , mais uma vez , eu e minha equipe de estudos , percebemos que o Sonda III e o Sonda IV , no passado usaram essa plataforma de integração do foguete, eu certo ? , ou apenas o Sonda IV a que usou , o Sonda III , não fez uso dessa plataforma de integração do foguete ?

    eu vou pesquisar sobre Fotos de Lançamentos do Sonda III , para tirar essa dúvida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anonimo!

      Essa plataforma foi desenvolvida naquela época especificamente para a integração e lançamento do foguete SONDA IV, já visando testar este sistema de integração e lançamento até então não utilizado no Brasil, já que a TMI do VLS-1 utilizaria esse mesmo sistema de integração e lançamento. O SONDA III era lançado pelo LPM, bem como também ocorre hoje com o VS30, o VSB-30 e o VS40, todos eles se utilizam do LPM (Lançador de Porte Médio).

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  7. o LPM é um (Lançador de Porte Médio) - Universal ?

    então , hoje essa plataforma de integração do foguete não efeito de uso , e como você disse antes , deveria está em um Museu , para não se perder com a ferrugem , sem uso !.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo!

      Também acho, mas a FAB até agora infelizmente não pensou assim ou então tem algum plano para a mesma ainda não divulgado.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  8. ESBOÇO HISTÓRICO DA PESQUISA ESPACIAL NO BRASIL

    Adalton Gouveia

    http://mtc-m12.sid.inpe.br/col/sid.inpe.br/jeferson/2003/07.02.08.39/doc/publicacao.pdf

    ResponderExcluir
  9. Lançamento do SERPENS adiado para o dia 19/08 ( mal tempo) ....

    ResponderExcluir
  10. Downlink frequency of SERPENS?
    145.980MHz 1200bps AFSK / 437.365MHz 9600bps FSK ?
    Tetsu
    JA0CAW
    Japan
    MY Blog : http://blog.goo.ne.jp/ja0caw-je0mzi

    ResponderExcluir