sexta-feira, 3 de julho de 2015

Universidades e Escolas Preparam Dispositivo Para Viagem ao Espaço

Olá leitor!

Segue agora uma nota postada dia (01/07) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) destacando que Universidades e Escolas preparam dispositivo para viagem ao Espaço.

Duda Falcão

AEROESPACIAL POPULARIZAÇÃO DA C,T&I E MELHORIA DO ENSINO DAS CIÊNCIAS

Universidades e Escolas Preparam
Dispositivo Para Viagem ao Espaço

Consórcio em torno do projeto reúne instituições de ensino de Alto Paraíso (GO),
Brasília (DF), Florianópolis (SC), Mauá (SP) e São Caetano do Sul (SP).

Por Ascom do MCTI
Publicação: 01/07/2015 | 16:50
Última modificação: 02/07/2015 | 19:04

Um consórcio de três instituições de ensino superior associadas a três escolas públicas começa a desenvolver, neste mês, um dispositivo eletrônico a ser levado pelo primeiro brasileiro civil a viajar para o espaço, o estudante de engenharia elétrica da Universidade de Brasília (UnB) e bolsista da Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTI) Pedro Nehme, de 23 anos. O Programa Microgravidade, da AEB, selecionou o experimento no primeiro semestre.

A princípio, o 5º Anúncio de Oportunidade escolheria apenas uma instituição de ensino superior e outra de educação básica, mas, como três propostas apresentaram características complementares, a AEB optou pelo consórcio, formado pelas universidades de Brasília (UnB) e Federal de Santa Catarina (UFSC) e o Instituto Mauá de Tecnologia (IMT), em parceria com a Escola Municipal Povoado de São Jorge, de Alto Paraíso (GO), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC), de Florianópolis (SC), e a Escola Técnica Estadual Jorge Street, de São Caetano do Sul (SP).

"Nenhuma proposta era igual à outra e, em linhas gerais, identificamos que tinham bastante sinergia", explica o diretor de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento da AEB, Carlos Alberto Gurgel. "Ficamos satisfeitos pelo fato de termos, dentro do prazo, três candidaturas interessantes, que refletiam bastante o que esses grupos estão fazendo. A equipe da UFSC é muito focada no monitoramento do coração, a de biomedicina da UnB estuda reações musculares e a do Instituto Mauá tem condições de integrar as tecnologias."

Conforme previsto pelo edital, as universidades devem oferecer oficinas didáticas sobre o tema com as escolas associadas, a fim de disseminar entre os estudantes as técnicas a serem utilizadas na concepção do dispositivo. "A gente quer que esses jovens troquem experiências e acompanhem tudo o que será feito", diz Gurgel. "As turmas vão participar de maneira efetiva do projeto, entendendo o processo, com encontros permanentes e visitas a laboratórios, sem falar que as próprias crianças podem ser monitoradas em testes."

Ineditismo

A companhia XCOR Space Expeditions, responsável pelo veículo Lynx Mark 2, autorizou o embarque de um dispositivo eletrônico compacto, portátil e wearable, ou seja, integrável ao corpo do espaçonauta. A AEB definiu, no edital, que a futura tecnologia seja capaz de avaliar diversos parâmetros fisiológicos relacionados à exposição humana ao ambiente de microgravidade, antes, durante e depois dos cerca de cinco minutos de voo suborbital.

"Essa oportunidade de ter uma pessoa comum fazendo esse tipo de voo tem um ineditismo muito grande no contexto mundial", comenta o diretor. "Se o Pedro for realmente o primeiro turista espacial, todo esse projeto ganha um pioneirismo ainda maior, porque vai propiciar uma combinação daquilo que ele relata e aquilo que efetivamente aconteceu como reação do organismo dele."

Segundo Gurgel, "com ajuda das universidades e das escolas", a AEB planeja divulgar as respostas do experimento em artigos científicos. "A partir daí, todo mundo que entrar nesse negócio [de turismo espacial] poderá adotar nossos dados como uma referência das possíveis reações do organismo, incluindo aspectos cerebrais, como, por exemplo, o efeito do medo, uma atividade psicológica que eventualmente provoque impactos no nível de adrenalina."

Oportunidade

Já bolsista da AEB, em 2013, Pedro Nehme conquistou a vaga para a viagem espacial ao vencer concurso promovido pela companhia aérea holandesa KLM, diante de 129 mil participantes de vários países. O desafio consistia em adivinhar em qual ponto estouraria um balão de alta altitude monitorado por câmeras e GPS. Ele foi o candidato que mais se aproximou do resultado final.

O diretor ressalta que o propósito da seleção era aproveitar a chance gerada pela vitória do bolsista na competição: "Na medida em que o Pedro foi agraciado, pela competência dele, para um voo dessa natureza, nós imaginamos a possibilidade de lançar um Anúncio de Oportunidade para que um dispositivo fosse embarcado junto com ele, em contato com ele, para entender o que acontece, não só no momento em que se estaria em ambiente de microgravidade, mas em todo o trajeto, desde a decolagem até o retorno."

Criado em 1998, o Programa Microgravidade tem por objetivo oferecer à comunidade científica nacional períodos de imponderabilidade aparente, situação também conhecida como microgravidade. A ideia é prover meios de acesso e suporte técnico e orçamentário para a viabilização de experimentos que necessitem dessas condições de ausência de peso. "Se você acender uma vela, o formato da chama difere daquele que está acostumado", exemplifica. "Essa é uma prova concreta de que algo está distinto."

Gurgel recorda o investimento do País para que o primeiro astronauta militar brasileiro, Marcos Pontes, chegasse à Estação Espacial Internacional, em 2006. "Essa viagem custou dinheiro ao Governo Federal, e o mesmo ocorreria se tivéssemos que desenvolver um veículo de sondagem como o Lynx Mark II."

Na última semana, representantes do IMT, da UFSC e da UnB se reuniram na AEB para discutir a fusão de suas propostas de dispositivo e definir objetivos comuns e formas de viabilizar o trabalho. Antes do voo suborbital, a agência espera qualificar o experimento com Pedro em um caça da Força Aérea Brasileira (FAB), que, nas palavras do diretor, consegue replicar possíveis manobras do Lynx Mark 2, com exceção do ambiente de microgravidade.


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)

Nenhum comentário:

Postar um comentário