quarta-feira, 29 de julho de 2015

Resultados da Primeira Missão no Navio Vital de Oliveira Devem Auxiliar no Alerta a Eventos Extremos

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (29/07) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que resultados da primeira missão no navio Vital de Oliveira devem auxiliar no alerta a Eventos Extremos.

Duda Falcão

Resultados da Primeira Missão no Navio
Vital de Oliveira Devem Auxiliar no
Alerta a Eventos Extremos

Quarta-feira, 29 de Julho de 2015

Dados coletados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) durante a primeira missão científica do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico (NPqHo) Vital de Oliveira contribuirão para o aprimoramento dos sistemas de previsão do tempo e clima do Brasil. As informações, que impactam principalmente a região costeira e podem auxiliar na prevenção e alerta de eventos extremos, como temporais e secas, foram obtidas natravessia da embarcação entre Cape Town, na África do Sul, e Arraial do Cabo (RJ), realizada entre os dias 27 de junho e 15 de julho.

Para estudar os processos de interação oceano-atmosfera, os pesquisadores do INPE lançaram balões com radiossondas (sondas atmosféricas que medem variáveis como umidade, temperatura, velocidade e direção do vento) simultaneamente ao lançamento de sondas oceânicas. A equipe do INPE montou ainda uma torre micrometeorológica na proa do navio para o cálculo de estimativa dos fluxos de CO2, momentum, calor latente e sensível.

“É a primeira vez que um experimento desse tipo é realizado nessa região do Oceano Atlântico, o que permite compreender o papel dos vórtices oceânicos, que se propagam no Corredor das Agulhas em direção à costa brasileira, nos processos de troca de gases de efeito estufa (CO2, H2Og). Essas coletas foram realizadas de forma contínua entre a África do Sul e o Brasil”, explica Marcelo Santini, doutorando da UFSM que integra a equipe de pesquisadores do Programa Antártico do INPE. “Durante o cruzeiroforam lançados três perfiladores para o monitoramento da evolução da estrutura oceânica durante a migração dos vórtices”.

Os pesquisadores do INPE integraram a expedição liderada por Moacyr Araújo, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que contou ainda com participantes da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), da Faculdade de Oceanografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e do Instituto de Oceanografia da Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

As medidas meteoceanográficas tomadas durante a travessia servirão para analisar a vizinhança e o interior de vórtices de mesoescala que se propagam dentro do Corredor das Agulhas, que se estende do sul da África para oeste, em direção ao interior do Atlântico Sul. Essas estruturas influenciam a dinâmica das correntes e do clima e características bioquímicas que afetam a distribuição de organismos marinhos (fitoplâncton, entre outros).

“Medições de diversas variáveis físicas, químicas e biológicas da água do mar foram obtidas, principalmente nas regiões oceânicas onde se localizavam os vórtices. Do lado atmosférico foram obtidas estimativas dos fluxos de CO2, quantidade de movimento, calor sensível, calor latente, além da realização de radiossondagens para observação dos perfis termodinâmicos”, conclui o pesquisador do INPE.

Lançamento de derivador/perfilador.
Lançamento de balão meteorológico com radiossonda atmosférica
para obter um perfil de várias propriedades da atmosfera como
temperatura do ar, umidade e outras importantes para se conhecer o
papel do Oceano Atlântico Sul na modulação da camada limite atmosférica.
Montagem e operação da torre micrometeorológica
na proa do navio.
Pesquisadores do INPE/UFSM que participaram do cruzeiro científico inaugural.
Da esquerda para direita: Marcelo Santini, Isabel Porto, Rose Freitas,
Luís F. Mendonça e Pablo S. de Oliveira.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Nenhum comentário:

Postar um comentário