quarta-feira, 17 de junho de 2015

CLBI Lança Décimo Foguete em Um Mês de Operações

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessantíssima nota publicada hoje (17/06) no site da Força Aérea Brasileira (FAB), destacando que o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) irá lançar na próxima sexta-feira (19/06) mais um Foguete de Treinamento Básico (FTB), entre outras informações sobre as ultimas atividades desse centro no último mês.

Duda Falcão

ESPAÇO

CLBI Lança Décimo Foguete
em um Mês de Operações

Além de foguetes de treinamento e de testes,
o Centro lançou seu primeiro foguete acadêmico,
produzido por estudantes da Universidade Técnica de Munique

Agência Força Aérea
Publicado: 17/06/2015 - 08:32h

O Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), localizado em Parnamirim (RN), deverá lançar na próxima sexta-feira (19/06), durante a operação Barreira XIV,  mais um Foguete de Treinamento Básico (FTB). Esse vai ser o décimo foguete lançado em pouco mais de um mês de operações.

A maratona operacional abarcou as operações Barreira XIII, que serviu para testar a modernização dos radares do centro, e Astrus, em que a empresa Avibras testou seus novos foguetes de artilharia que serão fornecidos ao Exército Brasileiro. Nesse período, também aconteceu a operação War, com o primeiro lançamento de foguete acadêmico realizado pelo CLBI, projetado e produzido por alunos de engenharia da Universidade Técnica de Munique, na Alemanha.

Segundo o Diretor do CLBI, Coronel Maurício Lima de Alcântara, a ideia de lançar um foguete acadêmico é um objetivo antigo e vai ao encontro da vocação didático-pedagógica que a organização vem concretizando nos últimos anos.

"Estamos investindo em parcerias com universidades e outras organizações tecnológicas. Nossa meta é fomentar o desenvolvimento acadêmico e despertar talentos na área aeroespacial”, explica.

Operação War

As tratativas para a execução da operação War começaram há um ano. Um dos professores do grupo de estudantes de engenharia alemão veio à Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) para ministrar uma palestra sobre combustão líquida e se interessou em conhecer a estrutura do CLBI. O projeto universitário tem 120mm de diâmetro; 2,30m de comprimento e atingiu ápice de 5 mil metros, a uma velocidade de 350m/s. Uma comitiva de 15 pessoas, entre acadêmicos e professores, acompanhou o lançamento.

O próximo passo do CLBI é a realização de uma competição de foguetes acadêmicos que deve reunir as universidades brasileiras que possuem cursos de engenharia aeroespacial, como o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

CLBI Terá Centro Vocacional Tecnológico

Com inauguração prevista para o final deste ano, será implantado no CLBI um Centro Vocacional Tecnológico (CVT). O objetivo é aproximar estudantes de ensino fundamental e médio das atividades espaciais. O projeto, que está em fase licitatória, prevê a instalação de contêineres com oficinas que ensinem os alunos sobre os processos envolvidos na construção e lançamento de um foguete.


Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

Comentário: Bom leitor analisando as atividades ocorridas neste mês no CLBI e o pouco ou quase nenhum alarde feito pela Aeronáutica em relação a estas atividades, me parece que a FAB vem agora adotando uma postura diferente com relação à divulgação do que acontece em seus centros de lançamento, o que se por um lado é positivo, por outro dificulta ainda mais a divulgação de nossas atividades espaciais para sociedade. A noticia com relação a tal “Operação War” realizada conjuntamente com a Universidade Técnica de Munique, é em nossa opinião extremamente positiva e demonstra que como defendíamos em nossos comentários os centros brasileiros podem e devem perfeitamente ser oferecidos para a comunidade internacional como acontece com a Base de Esrange, na Suécia e a Base de Andoya, na Noruega, bastando para isto ter atitude, e que aquela história de que os nossos centros ficavam longe e de que havia uma impossibilidade logística não passava de pura conversa fiada de gente que não tem interesse em se mexer. Note leitor que a tal missão apesar de positiva, só veio acontecer por um acaso, mesmo o DCTA/FAB tendo um acordo exitoso de mais de 40 anos com o DLR alemão, agência esta que tem contatos com diversas instituições universitárias, centros de pesquisas e instituições privadas europeias e de diversas partes do mundo que se utilizam para lançar seus experimentos tanto a Base da Noruega e da Suécia, bem como a longínqua Base de Woomera no Sul da Austrália. Já passou da hora de fazermos os investimentos realizados nestes dois centros darem retorno e não esperar que acasos como este aconteçam. Que bom que aconteceu e que sirva de exemplo para os “GENTE QUE FAZ” desses centros, se é que realmente existem. Fora a América Latina leitor, um grande mercado que deveria há décadas estar usando as facilidades disponibilizadas pelos centros de lançamento brasileiros. Já quanto à notícia do tal “Centro Vocacional Tecnológico”, sinceramente espero e torço que seja verdadeira, pois a ideia realmente me agrada, e se não for mais uma fantasia do presidente fantoche dessa Agência Espacial de Brinquedo (AEB), poderá marcar a gestão desse incompetente pelo menos com algo de real valor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário