terça-feira, 30 de abril de 2013

Blog Entrevista Diretor do CLBI

Olá leitor!

Desde o inicio desse ano o Blog BRAZILIAN SPACE vem apresentando para nossos leitores uma série denominada “Entrevistas com Personalidades Espaciais Brasileiras” que já apresentou desde a sua primeira entrevista em janeiro, com o líder da equipe brasileira SpaceMETA, participante do Prêmio Google Lunar X-Prize, o Sr. Sergio Cabral Cavalcanti (veja aqui), quatro outras importantes entrevistas com profissionais atuantes nas atividades espaciais do país. Foram elas:

*  Dr. Luis Eduardo Loures da Costa (Gerente dos Projetos SARA e VLM-1 do IAE) - Fevereiro de 2013

* Prof. David Fernandes (Gerente no ITA do Projeto Microsatélite ITASAT-1) – Fevereiro de 2013

* Ten. Cel. Eng. Alberto Walter da Silva Mello Junior (Gerente do Projeto do VLS-1 do IAE) – Março de 2013

* Dr. Lamartine Nogueira Frutuoso Guimarães (Gerente do Projeto TERRA do IEAv) – Abril de 2013

Agora, neste dia em que o Blog BRAZILIAN SPACE completa quatro anos de fundado, trazemos para você leitor mais uma importante entrevista com outra grande personalidade de nosso Programa Espacial.

Trata-se do Cel. Av. Marco Antônio Vieira de Rezende, simplesmente o diretor do “Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI)” que nos atendeu gentilmente respondendo a todas as nossas perguntas com objetividade e dinamismo.

Vale dizer que entre as notícias divulgadas pelo Cel. Rezende, certamente a de maior repercussão é a de que o CLBI está no momento coordenando junto ao Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), o lançamento ainda esse ano de um foguete VS-30 com carga útil científica, aumentando assim a significância das campanhas de lançamento de foguetes previstas para o CLBI e para o CLA no ano de 2013. Afinal, até então a única campanha prevista capaz de mobilizar a atenção da opinião pública brasileira em 2013 era a “Campanha de Lançamento do VS-40M/SARA Suborbital”, prevista para o CLA, já que a “Operação Santa Bárbara do VLS-1”, prevista também para o CLA, apesar de sua importância, não passa de uma campanha simulada de lançamento.

O Blog BRAZILIAN SPACE aproveita para agradecer ao Cel. Rezende e ao CLBI pela atenção dispensada e convida seus leitores a acompanhar abaixo a entrevista com essa importante personalidade do nosso Programa Espacial, e fiquem atentos, pois vem mais por ai.

Duda Falcão

Cel. Av. Marco Antônio
Vieira de 
Rezende
(Diretor do CLBI)
BLOG BRAZILIAN SPACE: Coronel Rezende, para aqueles leitores que não o conhece nos fale sobre o senhor. Sua idade, formação, onde nasceu, trajetória profissional e desde quando o senhor está ligado ao Programa Espacial Brasileiro?

CEL. AV. MARCO ANTÔNIO VIEIRA DE REZENDE: Sou natural de Juiz de Fora, Minas Gerais, nascido em 1966. Ingressei na Força Aérea Brasileira em 1985 e fui declarado Aspirante em 1988, após a realização do Curso de Formação de Oficiais Aviadores, na Academia da Força Aérea. Servimos à Força na Aviação de Caça, na aviação de Transporte Especial (VIP), na Logística e na Inteligência e, atualmente, na área aeroespacial. Ao Programa Espacial Brasileiro estou diretamente ligado desde que assumi a Direção do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno.

BRAZILIAN SPACE: Coronel, como andam as obras de modernização das instalações do CLBI e quais seriam especificamente as obras em andamento?

CEL. REZENDE: Além de recebermos no início desta gestão o lançador  universal totalmente revitalizado com sua capacidade operacional aumentada, iniciamos a modernização dos radares Adour e Bearn, bem como da Seção de Tratamento de Dados.  Essas modernizações promoverão melhoria na interface homem x máquina e maior confiabilidade operacional.

Na Seção de Meteorologia, conforme cronograma do DECEA, está prevista a troca do gerador de hidrogênio e a aquisição de mais uma Estação DIGICORA – Estação Meteorológica de Altitude. A troca do gerador promoverá  maior segurança e melhor desempenho nas sondagens atmosféricas. Quanto à aquisição da estação DIGICORA redundante, virá a complementar o Plano de Degradação dos equipamentos meteorológicos.

BRAZILIAN SPACE: Recentemente Coronel foi divulgado que o CLBI colocaria a disposição da “Comunidade Científica Brasileira” os foguetes de treinamento FTB e FTI e possivelmente o futuro FTA para serem usados como plataforma de acesso ao espaço de experimentos em ambiente de microgravidade. Como será esse projeto?

CEL. REZENDE: Os FTB e FTI apesar de não atingirem altitudes que permitem experimentos de microgravidade, podem ser utilizados para testes de uma diversidade de equipamentos embarcados. Como os mesmos já dispõem de toda infraestrutura de telemetria, fica muito simples ao pesquisador instalar seu experimento. Considerando a natureza e diversidade dos experimentos possíveis de serem aplicados, recomendamos que os interessados procurem a Seção de Pesquisa e Inovação do CLBI/DCTA e obtenham mais informações e detalhamentos técnicos sobre o assunto.

No CLBI há uma preocupação constante em colocar à disposição os nossos recursos e estreitar as relações institucionais com a Comunidade Científica Brasileira. Durante as realizações anuais do Fórum de Pesquisa e Inovação, promovido pelo Centro, disseminamos a possibilidade de realizar o transporte dos experimentos para análises.

BRAZILIAN SPACE: Já existem instituições interessadas e caso sim, quais seriam essas instituições?

CEL. REZENDE: Há conversações bem avançadas com o Instituto Tecnológico da Aeronáutica – ITA. Além disso, recentemente houve contatos com instituição de radioamadorismo para realização de um projeto educacional.

Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI)

BRAZILIAN SPACE: Coronel existe também o interesse do COMAER em abrir o CLBI para lançamentos estrangeiros e missões conjuntas, como ocorrem com a Base de Esrange na Suécia, e Andoya na Noruega, fora é claro as missões que já são realizadas com o DLR alemão? Caso sim, já existe alguma mobilização por parte do COMAER ou mesmo da AEB em oferecer esse serviço para outras nações?

CEL. REZENDE: Essa negociação é bastante restrita ao DCTA. Assessoramos apenas quanto a possibilidade técnica e administrativa quando consultados.

BRAZILIAN SPACE: Coronel é sabido que existe nas instalações do CLBI uma plataforma de integração e lançamento que foi construída para o saudoso foguete SONDA IV e nunca mais foi utilizada. O que o CLBI e o COMAER pretendem fazer com essa plataforma?

CEL. REZENDE: Hoje, temos o Centro de Cultura Espacial e Informações Turísticas (CCEIT), localizado em frente ao Centro de Lançamento, onde todo acervo de engenhos lançados das plataformas do CLBI, desde o Nike-apache – primeiro engenho lançado no Brasil – até a família Sonda e o VSB-30, além dos equipamentos  que retratam a história das atividades realizadas na Barreira do Inferno ao longo de sua existência estão expostos para visitação do público. Há um estudo para a recuperação e transferência dessa plataforma de lançamento do SONDA IV para o espaço do CCEIT.

BRAZILIAN SPACE: O blog teve acesso à informação de que o CLBI adquiriu recentemente uma nova plataforma ‘móvel’ de lançamento. Porque houve essa necessidade e como ela será utilizada?

CEL. REZENDE: Esta plataforma móvel foi fruto de Acordo entre Brasil e Alemanha. Pelas características de ser uma plataforma móvel, esse lançador promove maior flexibilidade e mobilidade operacional, possibilitando ao Brasil lançar engenhos de qualquer parte do território nacional.

BRAZILIAN SPACE: Coronel existe por parte do COMAER a preocupação com o grande crescimento de edificações no entorno do CLBI?

CEL. REZENDE: Atualmente, a capacidade operacional do Centro está limitada aos lançamentos suborbitais em função do crescimento demográfico de Natal e a prioridade de promover lançamentos com segurança. A área sob responsabilidade da Barreira permanece intacta, pois há o comprometimento de manter o equilíbrio e a preservação ambiental.

BRAZILIAN SPACE: Esse problema não inviabilizaria as operações de lançamentos do CLBI nos próximos anos, e caso sim, o COMAER pretende ou já está tomando alguma providência para evitar isso?

CEL. REZENDE: A missão institucional do Centro está bem definida considerando os limites geográficos do Centro. A posição do Comando da Aeronáutica é manter a área em seus limítrofes atuais, a fim de manter o cumprimento da missão institucional.

BRAZILIAN SPACE: Coronel, quando voltaremos a presenciar o lançamento de um foguete brasileiro da categoria do saudoso SONDA IV do CLBI?

CEL. REZENDE: O apogeu do Sonda IV varia entre 700 e 1000 km de altura. Este alcance está fora dos limites suborbitais, portanto não previsto em nossa missão. Ressaltamos os meios e os recursos humanos estão preparados para um lançamento desta magnitude, porém por considerações de segurança – grande aumento populacional em torno do Centro – veículos com as características do Sonda IV são lançados do Centro de Lançamento de Alcântara.

Foguete VS-30/Orion em uma das
plataformas de lançamento do CLBI

BRAZILIAN SPACE: Coronel, e quanto ao primeiro lançamento do Foguete de Treinamento Avançado (FTA), já se tem uma previsão de quando e de onde mesmo será realizado?

CEL. REZENDE: Não há previsão de lançamento. Foi realizada a especificação técnica, sendo aguardado a finalização do Projeto Básico.

BRAZILIAN SPACE: Coronel como vai o projeto do GPS para foguetes que estava em desenvolvimento entre a UFRN e o CLBI, o mesmo já foi qualificado?

CEL. REZENDE: O projeto GPS continua em desenvolvimento, já tendo realizado três voos sem quaisquer problemas. No momento, o CLBI não está participando do projeto, cuja coordenação permanece com o professor Francisco das Chagas Moto, da UFRN. Há, porém, conversas em andamento para que um pesquisador do CLBI volte a integrar a equipe de desenvolvimento deste projeto.

BRAZILIAN SPACE: Coronel existe algo a mais que o senhor gostaria de destacar para os nossos leitores?

CEL. REZENDE: Gostaria de ressaltar o prazer e agradecer a oportunidade de poder dedicar algumas palavras de nossa missão institucional aos seus leitores. Percebemos uma enorme curiosidade e vontade de participar da sociedade potiguar como um todo. Com a abertura de nosso museu aeroespacial e visitas técnicas agendadas conseguimos aumentar a divulgação de nossa missão e uma maior aproximação com uma grande fatia de jovens, turistas e vibradores que diariamente nos visitam.

BRAZILIAN SPACE: Finalizando coronel, qual será a operação de lançamento mais importante do ano de 2013 a ser realizada do CLBI, e quando a mesma deverá ocorrer?

CEL. REZENDE: Todas as operações realizadas pelo Centro – Rastreios e lançamentos – são tratadas com a maior relevância e importância. Estamos em coordenação com o Instituto de Aeronáutica e Espaço para lançamento de um VS-30, com carga útil científica. Dada a sua carga útil, este seria o lançamento de maior repercussão para a comunidade científica.

Japón Ayudará a Formar Espec. Brasileños en Área Espacial

Hola lector!

Sigue abajo una noticia puesta día (24/04) en el website chino “spanish.china.org.cn” destacando que Japón ayudará a formar especialistas brasileños en Área Espacial.

Duda Falcão

Portada>Edu- Ciencia

Japón Ayudará a Formar Especialistas
Brasileños en Área Espacial

Editor:
09:03:04 - 24-04-2013 / agencia de xinhua

Japón y Brasil suscribieron un acuerdo que prevé la formación en instituciones niponas de punta de especialistas brasileños en el área espacial, informó el martes el Ministerio de Ciencia y Tecnología de Brasil.

Los términos del acuerdo fueron definidos en una reunión que autoridades del área espacial de los dos países tuvieron esta semana en la sede de la Agencia Espacial Brasileña, según el comunicado del Ministerio.

La mano de obra a ser calificada en Japón será absorbida por los diferentes proyectos del Programa Espacial Brasileño.

El acuerdo prevé el envío de ingenieros e investigadores brasileños a Japón en el marco del plan "Iniciativa Brasileña para la Formación de Especialistas en el Area Espacial".

Igualmente prevé la visita de especialistas japoneses a Brasil para dictar cursos sobre tecnologías espaciales.

En la reunión también comenzó a ser negociado un acuerdo de cooperación que permitirá el uso en Brasil de tecnologías espaciales en la gestión de los desastres naturales desarrolladas en Japón, país con amplia experiencia en el área.

La delegación brasileña en las negociaciones fue encabezada por el director de Política Espacial de la Agencia Espacial Brasileña, Petronio de Souza, y por el director de Satélites, Aplicaciones y Desarrollo de la Agencia, Carlos Gurgel.

La delegación japonesa la integraron directores de la Oficina Nacional de Política Espacial de Japón, la Agencia Japonesa de Exploración Aeroespacial (JAXA), la Agencia Japonesa de Cooperación Internacional (JICA), la Universidad de Wakayama y la Universidad Internacional para la Formación de Misiones.

Fuente: Website chino spanish.china.org.cn

O Blog Comemora Hoje Quatro Anos Com Novidade

Caro leitor!

Há quatro anos, exatamente às 23h16 do dia 30/04/2009 nascia o Blog BRAZILIAN SPACE, tendo como objetivo estimular o debate saudável entre aqueles que como eu acreditavam (apesar das dificuldades) no Programa Espacial Brasileiro (PEB).

Desde que foi criado, o blog procurou não só divulgar o PEB para Sociedade Brasileira, mas acima de tudo defender os interesses do Programa Espacial Brasileiro e de suas ciências correlatas.

Nesse período fizemos de tudo um pouco, divulgando o PEB, a Astrofísica, Astronomia, Cosmologia, Astrobiologia, Física de Partículas, o PROANTAR, enfim, sempre buscando trazer para os nossos leitores a notícia onde quer que a mesma se encontrasse, seja por via própria ou através da ajuda de nossos leitores colaboradores.

O Blog BRAZILIAN SPACE também se orgulha nesse período de ter ajudado modestamente na divulgação das atividades espaciais dos órgãos governamentais (INPE, IAE, IEAv, IFI, DCTA, AEB, MCTI, CLA, CLBI) e universitários (ITA, UnB, UFABC, UNESP, UFMG, UNIVALE, USP, UFSM, UFRN, UFPR, entre outras) participantes do PEB, como também das de pequenas empresas privadas e entidades civis, como a Edge Of Space, Acrux Aeroespace Technologies, INOTECH, AIRVANTIS, SpaceMETACoyote Rockets Company, Núcleo Tecnológico do Agreste (NTA), Auriflama Foguetes, entre outros.

Entretanto, a grande vitória alcançada pelo blog nesses quatro anos foi o respeito e o reconhecimento de nosso trabalho por parte de nossos leitores, especialmente de grandes profissionais ligados ao Programa Espacial Brasileiro e as atividades espaciais do país, como o Brig. Pantoja, Brig. Kasemodel (Diretor do IAE), o Cel. Santana Jr. (Sub Diretor de Espaço do IAE), Ten. Cel. Eng. Alberto Walter da Silva Mello Junior (IAE), Paulo Moraes Jr. (AAB/IAE), Dr. Otávio Santos Cupertino Durão (INPE), Dr. Waldemar Castro Leite (IAE), Dra. Cynthia Junqueira (IAE), Dra. Ana Marlene Freitas de Morais (Revista JATM), Eng. José Miraglia (Edge Of Space), Dr. Luis Eduardo Loures da Costa (IAE), Dr. Lamartine Nogueira Frutuoso Guimarães (IEAv), Dr. Rogério Pirk (IAE), Prof. David Fernandes (ITA), Prof. Edmar de Queiroz Figueiredo (AAB/FATEC),  Prof. Carlos Henrique Marchi (UFPR), Prof. Cândido Moura (Escola Municipal Tancrêdo Neves de Ubatuba-SP), Prof. Félix Santana (CEFEC), Sr. Oswaldo Loureda e Sr. Waldir Vieira (Acrux), Eng. Danilo Miranda (Visiona), Eng. Rene Nardi (INOTECH), Eng. João Dallamuta, Sr. Sergio Cabral Cavalcanti (SpaceMETA), Eng. Lucas Fonseca (AIRVANTIS), Sr. Carlos Cássio Oliveira (CEFAB), Prof. Marcos Luna (NTA), Sr. Wagner Brito (Coyote Rockets Company), Sr. Vando Medici Faria (Auriflama Foguetes) e tantos outros que completam o universo de leitores que diariamente fazem ou fizeram do blog nesses quatro anos de existência parte de suas vidas. Muito obrigado a todos vocês.

No dia em que o blog completa quatro anos, e com intuito de estimular os nossos leitores a nos ajudarem na manutenção online do mesmo, além da data de 30/06/2013, apresentamos para vocês uma novidade, ou seja, a nossa logomarca que a partir de agora toma o lugar da imagem do VLS-1 que marcou por quatro anos o Blog BRAZILIAN SPACE.

Gostaríamos de agradecer publicamente a Sra. Georgina Letícia Reis de Oliveira, Coordenadora de Design do CEFAB e Coordenadora-Geral da Escola Luz do Saber (localizada no Bairro de São Cristóvão em Salvador-BA) pela gentileza que teve em desenvolver para o Blog a nossa logomarca. Muito obrigado Sra. Georgina.

Também aproveitamos para agradecer ao Presidente do CEFAB, o Sr. Carlos Cássio Oliveira, pelo apoio que tem dado ao Blog desde o nosso primeiro contato.

Pois é leitor, já são quatro anos e agora é torcer pelo menos por mais quatro.

Forte abraços em todos

Duda Falcão 

Mesmo Criticado Tarso Genro Ass. Conv. Com a Elbit Systems

Olá leitor!

Segue abaixo mais um artigo este postado ontem (29/04) no site gaúcho “Opera Mundi” destacando que apesar das críticas, o Governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, assinou ontem em Telavive convênio com a Elbit Systems.

Duda Falcão

ORIENTE MÉDIO

Apesar de Críticas, Tarso Genro Assina
Convênio com Empresa Militar Israelense

Implantação de polo aeroespacial no Rio Grande
do Sul é justificativa para acordo polêmico

Breno Altman
Enviado especial a Telavive
29/04/2013 - 16h36

À frente de uma delegação de autoridades regionais e empresários, o governador gaúcho chegou ao Oriente Médio para uma inédita rodada de negócios junto à Autoridade Palestina e a Israel. Trouxe na sua pasta, ao desembarcar na capital israelense dia 26 de abril, alguns projetos de impacto.

Mikhail Frunze/Opera Mundi
A primeira etapa do périplo de Tarso Genro e convidados foi em Ramalah. Assinou convênios para importar tecnologia palestina em cultivo de oliveiras e agricultura familiar. Ofereceu, em contrapartida, assistência para microcrédito, saúde da família e desenvolvimento de projetos agroindustriais.

A atividade mais esperada de sua primeira agenda, contudo, foi a doação de 11,5 mil toneladas de arroz para a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA), compradas pelo governo federal junto aos estoques reguladores pertencente ao Rio Grande do Sul e que serão entregues ao longo dos próximos doze meses.

Mas foi o programa do outro lado da chamada Linha Verde que provocou rebuliço entre palestinos e israelenses críticos ao governo de Tel Aviv. Na tarde desta segunda-feira, dia 29 de abril, o chefe do Palácio Piratini assinou protocolo com a Elbit, companhia militar de Israel, para parceria no polo aeroespacial gaúcho. O empreendimento deverá ser a segunda base nacional para lançamento de satélites.

Várias entidades (entre as quais, Stop the wall e Coalition of Women for Peace) entregaram uma carta ao governador reclamando da iniciativa, que também constrangeu lideranças da AP. A Elbit, afinal, é denunciada por sua colaboração na construção do muro que segrega os territórios palestinos, além de fornecer equipamentos de segurança para colônias judaicas consideradas ilegais pelas Nações Unidas. Principal corporação bélica israelense, há estimativas de que fature dois milhões de dólares ao dia com os contratos que detêm nessas atividades.

A gravidade das denúncias contra essa companhia já provocou reação de países europeus, incomodados com o desrespeito às resoluções internacionais. O governo norueguês, por exemplo, obrigou seus fundos públicos a venderem todas as ações da Elbit que tinham em carteira. Processos semelhantes estão em curso na Alemanha e na Holanda. A propósito, os três exemplos são de administrações controladas por partidos de direita.

O governador Tarso Genro, em entrevista exclusiva a Opera Mundi, momentos depois de colocar sua assinatura no criticado compromisso com a empresa, refutou as restrições apresentadas. “Se isso é um problema, não é do Rio Grande, mas do governo brasileiro”, afirmou. “A colaboração na área de defesa é uma pauta nacional.”

A Elbit, segundo informou, já é sócia da Embraer em uma empresa de capital misto, que está renovando tecnologia dos aviões Bandeirantes, utilizados pela Força Aérea Brasileira. “Nosso estado tem o dever de estabelecer relações com quaisquer empresas em função de seu projeto regional de desenvolvimento”, justifica.

Tampouco hesita quando confrontado pelo registro de que a Elbit está envolvida com iniciativas consideradas ilegais pela comunidade internacional. “Os Estados Unidos também violaram resoluções da ONU, na guerra do Iraque. Nem por isso as empresas norte-americanas envolvidas nessa ação deixaram de ser parceiras”, defende-se. “Não é possível fazer opções tecnológicas, nacionais ou regionais, com base nesse critério.”

Mas não haveria uma questão ética envolvida nessa polêmica? Não seria uma contradição condenar a política expansionista de Israel e abrir espaço para a maior corporação privada envolvida na ocupação ilegal dos territórios palestinos? “A ética nas relações comerciais mundiais é definida a partir do interesse nacional”, refuta Genro. “Se esse raciocínio valesse, o Brasil não deveria se relacionar com qualquer empresa ou banco do mundo capitalista, pois todas essas companhias estão alinhadas aos interesses tanto econômicos quanto militares de seus países.”

As reclamações talvez subam de tom nos próximos dias, inclusive dentro do Brasil, onde a repercussão é polêmica. A combinação entre arroz e Elbit parece ser indigesta entre os que discordam do estrangulamento da autonomia palestina. Ainda mais por estar envolvido o patrono do Fórum Social Mundial, considerado por muitos um tradicional defensor da causa do povo de Arafat.


Fonte: Site Opera Mundi - http://operamundi.uol.com.br/

Comentário: Veja você leitor que como eu disse em meu comentário na matéria anterior (veja aqui), tem coisa nessa história. Aliás, tudo que envolve o nome da AEL Sistemas no Brasil me causa calafrios. Essa matéria é da imprensa gaúcha que coloca sob suspeita toda essa negociação e o que me causa ainda mais calafrios é saber que a AEL Sistemas esta ciscando em torno do CEITEC. Vem bomba por ai e o Brasil vai pagar um alto preço por isso. Gostaríamos de agradecer ao leitor José Ildefonso pelo envio dessa notícia.

Brazucas e Britân. Estudam Impc. das Queim. na Amazônia

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (22/04) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que Brasileiros e Britânicos estudam impacto das Queimadas na Amazônia no clima regional e global.

Duda Falcão

Brasileiros e Britânicos Estudam
Impacto das Queimadas na
Amazônia no clima regional e global

Terça-feira, 30 de Abril de 2013

Resultados dos sobrevoos que coletaram dados sobre as queimadas na Amazônia estão sendo apresentados em Manchester, na Inglaterra, por responsáveis pela missão Sambba (South American Biomass Burning Analysis), uma cooperação científica entre Brasil e Reino Unido. Durante os dias 30 de abril e 1° de maio, representantes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), da Universidade de São Paulo (USP), do UK-Met Office e de universidades britânicas discutem os próximos passos da Sambba, como o desenvolvimento de modelos de previsão da qualidade do ar e do clima.

Os modelos computacionais utilizarão informações inéditas obtidas recentemente na Amazônia. Entre 14 de setembro e 3 de outubro do ano passado, os pesquisadores passaram 67 horas a bordo de uma aeronave inglesa equipada com sofisticados medidores capazes de caracterizar plumas de queimadas, entre outros dados para o estudo. As atividades, que envolveram alunos de pós-graduação e cientistas de ambos os países, tiveram o apoio do Ministério da Defesa.

Os dados coletados nos sobrevoos amazônicos servirão aos estudos dos impactos das queimadas sobre o clima regional e global, além de avaliar melhor como as emissões interferem na qualidade do ar e no tempo.

Com as queimadas, a atmosfera recebe uma quantidade enorme de aerossóis e gases traços que altera o balanço de radiação, a microfísica das nuvens, o ciclo hidrológico e a qualidade do ar.

“As partículas de aerossol desempenham um papel importante no clima e meio ambiente da região amazônica e para a saúde e qualidade de vida dos seus cidadãos. Apesar de alguns aerossóis se formarem naturamente, muitos são gerados pela queima de biomassa durante a estação seca”, explica a pesquisadora Karla Longo, do INPE, que lidera a pesquisa.

Os novos dados são fundamentais para o desenvolvimento e validação de modelos de química da atmosfera nas escalas regional e global. O objetivo da Sambba é melhorar o entendimento científico sobre queimadas e até a capacidade de previsão das plumas de fumaça.

Além dos impactos no clima, as emissões de queimadas degradam a visibilidade e a qualidade do ar sobre extensas regiões. É crescente a preocupação sobre como isso afeta a produtividade da Amazônia, seus recursos naturais e potenciais econômicos, bem como o ciclo hidrológico na região.

As partículas de fumaça absorvem e refletem a radiação solar, provocando ao mesmo tempo o resfriamento no solo e o aumento da temperatura em níveis intermediários da atmosfera. Isso causa perturbações no mecanismo de formação das nuvens de chuva e pode alterar a distribuição geográfica da precipitação média na região amazônica e seu entorno.

O efeito dos aerossóis no balanço de radiação sobre a região amazônica ainda é pouco quantificado. Espera-se que os resultados da missão Sambba ajudem em questões relevantes para a política ambiental e pesquisa científica no Brasil, bem como no entendimento das mudanças climáticas globais.

“Embora os dados ainda estejam em fase de análise, estamos prevendo avanços científicos significativos. Somente do lado brasileiro, teremos pelo menos cinco teses de doutorado relacionadas com os dados coletados”, conclui a pesquisadora do INPE.

Aspectos da aeronave de pesquisa

Aeronave FAAM BAe146 (Facility for Airborne
Atmospheric Measurements)

Fogo no Tocantins


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

La Israelí ELBIT Montará Centro Aeroespacial en Brasil

Hola Lector!

Sigue abajo una noticia postada hoy (30/04) en el website Boliviano “opinión.com.bo” destacando que la israelí “ELBIT” montará Centro Aeroespacial en Brasil que diseñará satélite.

Duda Falcão

Ciencia y Tecnología

La Israelí ELBIT Montará Centro
Aeroespacial en Brasil Que Diseñará Satélite

RÍO DE JANEIRO / EFE
30/04/2013 - 02:20

La empresa israelí Elbit construirá un polo de tecnología aeroespacial en el sureño estado brasileño de Río Grande do Sul, que será el primero de su tipo en América Latina y que tendrá como primer objetivo el desarrollo de un satélite, informaron hoy fuentes de la multinacional en Brasil.

El llamado Polo Tecnológico de Sistemas Espaciales será "pionero en América Latina y permitirá que Brasil alcance la autosuficiencia en el sector", dijeron a Efe fuentes de AEL Sistemas, una subsidiaria de Elbit con sede en Porto Alegre, la capital de Río Grande do Sul.

Esa empresa se dedica desde 1983 al desarrollo y la producción de tecnología en las áreas de defensa, espacio y seguridad.

La creación del centro tecnológico está prevista en un memorando de entendimiento suscrito hoy en Haifa (Israel) por el gobernador de Río Grande do Sul, Tarso Genro, y los directores de AEL Sistemas.

El acuerdo formaliza el compromiso de ambas partes de "implantar un programa capaz de atender las necesidades esenciales de Brasil en el área aeroespacial", según un comunicado de la empresa.

El proyecto también envuelve a universidades y centros de investigación vinculados al gobierno de Río Grande do Sul, así como a compañías privadas de la región.

"La participación de las universidades es indispensable para la formación de la mano de obra especializada" que será absorbida por el polo tecnológico, agrega la nota.

El gobierno de Río Grande do Sul se comprometió específicamente a realizar inversiones en el Centro de Excelencia en Tecnología Avanzada (Ceitec) y en la Fundación de Ciencia y Tecnología de Río Grande do Sul (Cientec), dos instituciones en las que tiene participación, para ampliar la capacitación de trabajadores y ofrecer la infraestructura necesaria para el proyecto.

AEL Sistemas, por su parte, aportará la tecnología y la experiencia en el área aeroespacial de las empresas vinculadas a ELBIT, que es uno de las mayores fabricantes mundiales de equipos electrónicos para el área de defensa.

El primer proyecto del polo será el desarrollo de un satélite de pequeño tamaño en el que participarán AEL y diferentes universidades y empresas de Río Grande do Sul, según el comunicado.

"La creación de este polo incluirá a Río Grande do Sul en el selecto grupo de regiones del mundo que posee la infraestructura y el conocimiento para la definición de sistemas de satélite, integración de satélites y fabricación de componentes y subsistemas de uso espacial de alta tecnología y valor agregado", aseguró el presidente de AEL Sistemas, Shlomo Erez, citado en el comunicado.

El acuerdo con Elbit fue uno de los frutos de la visita a Palestina e Israel iniciada la semana pasada por el gobernador de Río Grande do Sul al frente de una misión de representantes de empresas y universidades de ese estado del sur de Brasil.


Fuente: Website boliviano opinion.com.bo - http://www.opinion.com.bo/

Comentário: Gostaria de agradecer ao leitor paulista José Ildefonso pelo envio dessa notícia.

Astrônomos Brasileiros Encontram 50 Arcos Gravitacionais

Olá leitor!

Segue abaixo outra matéria está postada ontem (29/04) no site “Inovação Tecnológica” dando destaque ao Projeto SOGRAS (SOAR GRavitational Arc Survey) de Astrônomos Brasileiros que descobriu 50 Arcos Gravitacionais.

Duda Falcão

Espaço

Astrônomos Brasileiros Encontram
50 Arcos Gravitacionais

Com informações do CBPF
29/04/2013

[Imagem: Linea/Furlanetto et al.]
Imagem de arco gravitacional gigante
descoberto pelo projeto SOGRAS.

Lentes gravitacionais

O projeto SOGRAS (SOAR GRavitational Arc Survey), iniciado em 2007 por um grupo de astrônomos de instituições de pesquisa brasileiras interessados na busca sistemática e análise de arcos gravitacionais, acaba de publicar seus primeiros resultados científicos.

Na semana passada, um artigo na prestigiosa revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society divulgou um estudo realizado com cerca de 50 aglomerados de galáxias, mostrando fortes evidências de arcos gravitacionais em pelo menos seis deles.

Arcos gravitacionais são imagens deformadas de galáxias distantes quando sua luz atravessa um intenso campo gravitacional, como aquele causado por aglomerados de galáxias, contendo, às vezes, milhares de galáxias num volume cósmico relativamente pequeno.

Esse efeito, também conhecido como lenteamento gravitacional, ocorre porque a trajetória da luz se curva na presença da gravidade muito intensa do aglomerado, que então funciona como se fosse uma lente.

Tendo sido previsto pela teoria da relatividade geral, proposta pelo físico Albert Einstein, o fenômeno que explica os arcos gravitacionais - o desvio da luz pela gravidade - foi comprovado experimentalmente em 1919, durante um eclipse total do Sol observado na cidade de Sobral (Ceará) e na Ilha de Príncipe.

Na ocasião, foi possível medir o desvio da trajetória da luz de estrelas distantes causada pelo Sol.

Por que Estudar Arcos Gravitacionais?

De grande utilidade para pesquisas em astrofísica e cosmologia, os arcos gravitacionais permitem mapear a distribuição total de matéria em galáxias e aglomerados e, portanto, "avaliar" a matéria escura, que não interage com a luz e que representa a maior parte da massa desses objetos.

Além disso, como a luz das galáxias lenteadas percorre distâncias cosmológicas, estudos com arcos permitem estudar o cosmos em grandes escalas e, inclusive, entender melhor o que é outro componente desconhecido do Universo, a chamada energia escura.


As imagens que sofrem o lenteamento gravitacional também podem ser altamente ampliadas pelo efeito, o que permite estudar galáxias muito distantes, as quais não seriam detectadas de outra forma. Ou seja, os aglomerados de galáxias funcionam como gigantescos telescópios gravitacionais.

Por todas essas razões, os astrônomos têm buscado, desde o fim da década de 1980, sistemas com arcos gravitacionais. No entanto, esses objetos são raros e muito difíceis de encontrar nas imagens astronômicas. Além disso, sua identificação exige instrumentos muito sensíveis e com grande resolução de imagens.

Selecionar e Estudar

No Brasil, pesquisadores do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade de São Paulo (USP) e Observatório Nacional (ON) - participantes do Laboratório Inter-institucional de e-Astronomia (LIneA) - juntaram-se a cientistas do Laboratório Nacional Fermi (Fermilab), nos Estados Unidos, para buscar arcos gravitacionais em aglomerados de galáxias.

A meia centena de aglomerados estudados pelo projeto foi selecionada a partir de dados obtidos pelo Sloan Digital Sky Survey (SDSS) - projeto responsável pelo mapeamento de uma grande área da esfera celeste e pela confecção da maior imagem já feita do Universo.

Para cada um desses aglomerados foram obtidas imagens em alta resolução pelo telescópio SOAR, que possui um espelho de 4 metros e está localizado no Chile, na Cordilheira dos Andes, a uma altitude de 2.700 metros, em um dos melhores sítios astronômicos do planeta.

A participação brasileira no SOAR, construído em parceria pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, e Inovação (MCTI), U.S. National Optical Astronomy Observatory, Universidade da Carolina do Norte e Universidade do Estado de Michigan, é coordenada pelo Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA).

De acordo com Martín Makler, pesquisador do CBPF (Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas) e membro do Projeto SOGRAS, o futuro das pesquisas com arcos gravitacionais deve seguir a mesma filosofia de selecionar sistemas em imagens de grande área para um estudo mais detalhado com telescópios de maior resolução.

Por isso, afirma, serão utilizados dados do Dark Energy Survey (DES), provavelmente o maior levantamento óptico para a cosmologia desta década, para identificar os sistemas.


O DES entrou em operação no ano passado e conta com uma forte participação brasileira, coordenada pelo LineA (Laboratório Inter-institucional de e-Astronomia).

O acompanhamento mais detalhado será novamente feito com o Gemini e SOAR, além de telescópios do Observatório Europeu Austral (ESO), mas desta vez utilizando um recurso inovador, conhecido com "óptica adaptativa", que permite melhorar em muito a resolução das imagens, conclui Martín.

Bibliografia:

The SOAR Gravitational Arc Survey - I: Survey overview and photometric catalogs
Cristina Furlanetto, Basilio X. Santiago, Martin Makler, Eduardo S. Cypriano, Gabriel B. Caminha, Maria Elidaiana da Silva Pereira, Angelo Fausti Neto, Juan Estrada, Huan Lin, Jiangang Hao, Timothy A. McKay, Luiz Nicolaci da Costa, Marcio A. G. Maia
Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
DOI: 10.1093/mnras/stt380


Fonte: Site Inovação Tecnológica

Comentário: Essa matéria é complementar a outra postada dia 22/04 (veja aqui) demonstrando uma vez mais o quanto a Astronomia Brasileira tem avançado nos últimos 10 anos. É realmente impressionante o que essa pequena comunidade científica tem realizado nesse período.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Presidente da AEB Participou de Reunião da ACS na Ucrânia

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (29/04) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que como havíamos anunciado o presidente da AEB participou na semana passada na Ucrânia de reunião da mal engenhada empresa bi-nacional Alcântara Cyclone Space.

Duda Falcão

Presidente da AEB Participa
da 15ª Reunião Ordinária do
Conselho de Administração da ACS


Brasília, 29 de abril de 2013 – O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Braga Coelho, esteve em Kiev, na Ucrânia, entre os dias 22 e 26 de abril, para participar da 15ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da Alcântara Cyclone Space (ACS). José Raimundo Coelho é membro do Conselho.

Segundo o presidente da AEB, a reunião seguiu de acordo com a agenda pré-estabelecida e aconteceu conforme o previsto. Entre os pontos positivos está a aprovação do governo ucraniano de capital para a recapitalização da empresa. O fato ajudará a fazer com que o cronograma de obras e de desenvolvimento do foguete Cyclone-4 e do sítio de lançamento em Alcântara não atrase. “Estamos nos preparando para que o primeiro lançamento da ACS aconteça em 2014”, conta o presidente da AEB.

A questão do acordo de salvaguarda com os Estados Unidos também foi abordada em discussões com o lado ucraniano e é aguardada com grande expectativa.

Todos os conselheiros do lado brasileiro estiveram presentes na reunião.

ACS - A binacional Alcântara Cyclone Space (ACS), com sede em Brasília, foi instituída em 2006. A empresa é responsável pela comercialização e operação de serviços de lançamento utilizando o Veículo Lançador Cyclone-4 a partir do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), localizado no Maranhão.


Fonte: Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Vergonha!!!

AEL e Governo do RS Formam Polo Tecn. de Sist. Espaciais

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (29/04) no site “www.defesanet.com.br“ destacando que a AEL Sistemas e o Governo Gaúcho formam Polo Tecnológico de Sistemas Espaciais.

Duda Falcão

COBERTURA ESPECIAL - Especial Espaço - Tecnologia

AEL e Governo do RS Formam Polo
Tecnológico de Sistemas Espaciais

Governo do Rio Grande do Sul (RS), Brasil, e AEL assinam
contrato para criação de Polo Tecnológico de Sistemas Espaciais.
Programa é pioneiro na América Latina e pretende fomentar e
contribuir para descentralização e autossuficiência do setor no Brasil

Foto: AEL Sistemas
Shlomo Eretz, AEL Sistemas, Bezhalel Machlis, presidente
e CEO ELBIT Systems e o governador Tarso Genro

Rio Grande do Sul, 29 Abril de 2013 - Uma parceria inédita foi criada na manhã desta segunda-feira (29), em Israel, para fomentar, descentralizar e desenvolver o setor espacial brasileiro. O Governo do Estado do Rio Grande do Sul e AEL Sistemas - situada em Porto Alegre e atuando no segmento aeroespacial desde 1983 - assinaram um Memorando de Entendimento durante a visita da comitiva gaúcha em missão empresarial em Israel.

O documento celebrado no Centro de Tecnologia Avançada de Haifa corresponde à formalização da intenção de seus signatários de implantar um programa capaz de atender as necessidades essenciais do país e contribuir para a autossuficiência nessa área. A iniciativa envolverá a participação do meio acadêmico (universidades), institutos, a iniciativa privada e o poder público. A participação do meio acadêmico se torna indispensável para a formação de mão de obra especializada.

O Governo de Estado estará se comprometendo em ampliar as capacitações e infraestruturas mínimas fazendo investimentos no estado, como, por exemplo, ampliar as capacitações da Fundação de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (CIENTEC) e do Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (CEITEC). A vanguarda tecnológica e a expertise serão garantidas por meio da experiência das empresas com atuação reconhecida no setor, como no caso da AEL e também de outras empresas parceiras nacionais e internacionais.

O primeiro projeto prático do polo será o desenvolvimento de um satélite de pequeno porte envolvendo as universidades, a AEL e parceiros internacionais. O objetivo será gerar interesse do meio acadêmico no segmento espacial.

Segundo o presidente da AEL Sistemas, Shlomo Erez, a assinatura do contrato simboliza a intenção da empresa de, em conjunto com o Governo do Estado, desenvolver no Rio Grande do Sul tecnologias estratégicas que irão atender necessidades essenciais do Brasil. "A criação deste polo espacial vai inserir nosso Estado no seleto grupo de regiões do mundo que dispõe de infraestrutura e know-how para a definição de Sistemas Satelitais, Integração de Satélites e Fabricação e Qualificação de Componentes, Unidades e Subsistemas de uso espacial de alta tecnologia e valor agregado", explica Shlomo.

Polo Tecnológico de Sistemas Espaciais

A assinatura do Memorando de Entendimento é considerado o primeiro passo para a concretização do Polo Tecnológico de Sistemas Espaciais. Os estudos realizados sugeriram que o polo tenha vocação mista, para continuar atraindo os investimentos da iniciativa privada e contribuir para transformar a região em polo de difusão de ciência, tecnologia e inovação, a partir de parcerias com as principais universidades do Estado, empresas internacionais, os institutos nacionais, os ministérios e a Agência Espacial Brasileira.



Comentário: Hummm essa notícia não me cheira bem, e saber que a empresa israelense Elbit Systems, através de sua subsidiaria brasileira, a AEL Sistemas, esta agora ciscando em torno do CEITEC, com a concordância do governo gaúcho, e logo depois de termos apresentado aqui no blog hoje uma matéria sobre a situação preocupante vivida por esse centro (veja aqui), me causa grandes calafrios. Tem mais coisa nessa história e não duvido nada que uma vez mais o prejudicado vai ser o Brasil. Deus, não tem jeito.