terça-feira, 31 de julho de 2012

Insc. do Conc. da Carreira de Pesquisa Se Encerram Hoje

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (30/07) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que as inscrições para o Concurso da Carreira de Pesquisa
se encerram hoje (31/07).

Duda Falcão

Inscrições ao Concurso da Carreira
de Pesquisa Se Encerram Nesta
Terça. Prazo da Carreira de
Desenvolvimento Tecnológico é Dia 9

Segunda-feira, 30 de Julho de 2012

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) encerra nesta terça-feira (31/7) as inscrições ao concurso público para contratação de 17 pesquisadores.  Há uma vaga para atuação em São José dos Campos em cada especialidade a seguir relacionada: Clima Espacial, Eletricidade Atmosférica, Aeronomia, Sensoriamento Remoto, Sol-Meio Interplanetário-Magnetosfera, Engenharia de Software-Computação Científica, Tecnologia de Plasmas, Cerâmicos, Eletromagnetismo Aplicado e Processamento Digital de Imagens-Sistemas de Informações Geográficas.

Para atuação em Cachoeira Paulista, existem vagas em Propulsão Espacial e Hidrologia, sendo uma para cada especialidade, e três em Ciências Atmosféricas. Também há uma vaga em Sensoriamento Remoto destinada ao centro regional de Belém e outra, em Telecomunicações, para Natal.

As inscrições podem ser feitas das 10 às 16 horas nas unidades do INPE de São José dos Campos, Cachoeira Paulista, Natal e Belém, independentemente do local onde o candidato realizará as provas. Confira os detalhes no edital da carreira de Pesquisa.

Técnicos e Tecnologistas

No âmbito da carreira de Desenvolvimento Tecnológico, o INPE recebe até o dia 9 de agosto as inscrições ao concurso público que oferece 22 vagas em cargos de nível superior (tecnologistas) e 40 vagas em cargos de nível médio (técnicos).

Há oportunidades para São José dos Campos, Cachoeira Paulista, Cuiabá e Alcântara, sendo que as inscrições devem ser feitas nas unidades do INPE a que se destinam as vagas. Os interessados devem consultar a página do concurso da carreira de Desenvolvimento Tecnológico.

Todas as informações sobre cronograma, descrição completa das vagas, remuneração, requisitos para concorrer aos cargos, conteúdo programático, normas e procedimentos do concurso público do INPE podem ser acessadas a partir do endereço


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

domingo, 29 de julho de 2012

Só 11 Estudantes Renovaram Bolsas Por Mais 6 Meses

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada dia (26/07) no site do jornal “O Estado de São Paulo” destacando que só 11 estudantes dos 294 bolsistas de menos de 12 meses do programa “Ciências sem Fronteiras”.

Duda Falcão

Notícias

Só 11 Estudantes Renovaram
Bolsas Por Mais 6 Meses

O Estado de São Paulo
26 de julho de 2012 - 3h 04

Dos 294 bolsistas de menos de 12 meses do Ciências Sem Fronteiras, apenas 11 tiveram aprovada sua renovação para o segundo semestre de acordo com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Após o Estado revelar que estudantes teriam de abandonar pesquisas porque as bolsas não foram renovadas, o CNPq prometeu reavaliar as situações. Mas nem todos foram informados dessa possibilidade.

Estudante da USP, Ana Luiza Losnak, de 19 anos, teve a renovação de sua bolsa na Alemanha negada. Ela não sabia do abaixo-assinado encaminhado ao CNPq por 25 estudantes e não recebeu e-mail com a reabertura de recurso. "O problema maior é a falta de comunicação", diz Ana, que faz pesquisa em computação.

Ana pediu autorização para permanecer por conta própria, mas o Ciência sem Fronteiras também negou - o programa exige que o pesquisador volte ao fim da bolsa. Ela encaminhou novo pedido, mas ainda não teve resposta.

O órgão afirma que todos podem fazer novo pedido. O CNPq diz que 67 bolsistas haviam solicitado a renovação - 56 foram negadas. / P.S.


Fonte: Site do jornal O Estado de São Paulo - 26/07/2012

Comentário: Continuamos acompanhando essa história para ver como isso vai terminar e volto a insistir com os pais dos estudantes que tem interesse nesse programa, tenham muito cuidado com o mesmo.

sábado, 28 de julho de 2012

INPE Doa Mapa de São Luís à Base de Alcântara

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (27/07) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) destacando que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) dou mapa de São Luís à Base de Alcântara.

Duda Falcão

INPE Doa Mapa de São Luís à Base de Alcântara

Texto: Ricardo Abel
Ascom  do MCTI
27/07/2012 - 22:06

Foto: Zé Luiz Cavalcanti / Ascom do MCTI
O mapa gerado por satélite

Um tapete com imagem da região de São Luís, gerada por um dos Satélites Sino-Brasileiros de Recursos Terrestres (CBERS), será doado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe/MCTI) à Base de Alcântara, no Maranhão. A imagem captada por sensoriamento remoto foi exposta nesta semana, durante a 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

A responsável pelo Centro de Visitantes do instituto, Miriam Vicente, lembra que a ideia foi usada em edições anteriores da SBPC. “Nós temos trazido esta imagem porque desperta a atenção do público. As pessoas procuram onde é sua casa, a universidade, e o interessante é que conseguem localizar”, explica. Com o término desta edição da reunião, o mapa será encaminhado para o comando da base e ficará exposto no Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA).

Os satélites de sensoriamento remoto CBERS, desenvolvidos em parceria com o governo da China, efetuam a captação de imagens em todo o planeta, colaborando para controle das queimadas e desmatamentos, pesquisa dos recursos hídricos e minerais, planejamento urbano e agricultura, entre outros fins. A cooperação Brasil-China já produziu três modelos pertencentes a essa linha, os CBERS-1, 2 e 2-b.

Está previsto para novembro o lançamento do CBERS-3, a partir de um centro do país asiático. O transporte é efetuado por um foguete com capacidade de anexar um satélite de grande porte. Os satélites 1, 2 e 2-b pesam cerca de 1.450 quilos, ao passo que o 3 deverá ter em torno de 2 mil quilos.

O CBERS possui três câmeras, cada uma delas com um grau específico de resolução, e processa imagens em cada passagem do satélite por um determinado ponto. Circula em órbita polar a 25 mil quilômetros por hora e revisita o mesmo ponto a cada 26 dias.


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) 

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Chefe de "CNPq Alemão" Critica Ciência sem Fronteiras

Olá leitor!

Segue uma nota postada hoje (27/07) no site do jornal “Folha de São Paulo” destacando que o chefe do  “CNPq Alemão” critica o programa “Ciência sem Fronteiras”.

Duda Falcão

Ciência

Chefe de "CNPq Alemão" Critica
Ciência sem Fronteiras

SABINE RIGHETTI
ENVIADA ESPECIAL A SÃO LUÍS (MA)
27/07/2012 – 11h15

O representante no Brasil da maior agência de financiamento à ciência da Alemanha (uma espécie de "CNPq alemão") criticou nesta quinta-feira o programa federal Ciência Sem Fronteiras.

De acordo com Helmut Galle, da DFG no Brasil, ainda não dá para saber como um brasileiro que, por exemplo, tenha estudado na Alemanha será reconhecido quando ele retornar ao país.

"Na Alemanha a gente manda estudantes para o exterior com um projeto de estudos muito bem definido, uma parceria já estabelecida de intercâmbio entre os países. Sabemos como o estudante vai voltar", disse.

"Aqui isso tudo é muito novo e está sendo feito muito rápido", completou.

Galle participou de uma mesa sobre o Ciência Sem Fronteiras com colegas europeus que trabalham em escritórios de intercâmbio na 64a reunião anual da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), em São Luís do Maranhão.

O especialista alemão criticou ainda a exclusão das ciências humanas nesta primeira fase do programa federal de envio de estudantes a universidades do exterior.

Até 2014, o programa pretende enviar mais de 100 mil estudantes de graduação e de pós-graduação para estudar fora, prioritariamente em exatas e em saúde.

"Uma próxima versão do programa deveria contemplar todas as áreas. Se a demanda de pós doutorado no exterior está baixa, por que não permitir que alunos de humanas participem?"

Nesta quarta-feira, o presidente da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) disse na SBPC que a demanda pelas vagas de pós-doutorado no exterior estavam bem abaixo do esperado.

De acordo com Christian Muller, diretor do DAAD no Rio de Janeiro, escritório alemão responsável pelo intercâmbio de estudantes entre Brasil e Alemanha, a oferta de cursos com recorte específico nas ciências exatas e da saúde deve ser mantido até pelo menos 2014.

"Depois disso, pode ser que incluam humanas."

Muller disse ainda estar impressionado com a atenção que a presidente Dilma Rousseff tem dado ao Ciência Sem Fronteiras.

"Sei que ela já se reuniu pelo menos seis vezes com Capes e com CNPq para saber pessoalmente sobre o programa. Eu nunca me reuni com Angela Merkel [chanceler alemã]", brincou.

INGLÊS FLUENTE

Os especialistas europeus reforçaram ainda a necessidade de estimular o ensino de línguas, especialmente do inglês, nas universidades brasileiras.

"A formação em línguas estrangeiras é o maior obstáculo do Brasil. O Ciência Sem Fronteiras deixou isso bem claro", analisou Muller.

Hoje, boa parte das universidades estrangeiras que aderiram ao programa brasileiro ministra aulas exclusivamente em inglês -mesmo que o país não tenha a língua inglesa como idioma oficial.

De acordo com Remon Daniel Boef, que é o diretor no Brasil do Nuffic, uma espécie de escritório de intercâmbio estudantil da Holanda, todas as 55 universidades daquele país têm aulas ministradas em inglês.

"E todas aderiram ao Ciência Sem Fronteiras."


Fonte: Site do Jornal Folha de São Paulo - 27/07/2012

Comentário: Veja você leitor, até mesmo os gringos começam a perceber que há algo de errado com a seriedade desse programa. Note a ironia do especialista alemão quando ele diz: "Sei que ela (presidente DILMA) já se reuniu pelo menos seis vezes com Capes e com CNPq para saber pessoalmente sobre o programa. Eu nunca me reuni com Angela Merkel (chanceler alemã)". Volto a insistir com os pais do jovens estudantes que pretendem utilizar-se desse programa, tenham muito cuidado, e busquem se prevenir financeiramente antes de enviar seus filhos, evitando assim futuros constrangimentos ou até mesmo coisa pior.

Dilma Ataca Política de Imigração da Grã-Bretanha

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada dia (25/07) no site do jornal “O Estado de São Paulo” destacando que a presidente DILMA ROUSSEFF em visita a Grã-Bretanha para acompanhar a abertura dos Jogos Olímpicos, atacou a Política de Imigração desse país relacionada com alunos do programa “Ciência sem Fronteiras”.

Duda Falcão

Ciência

Dilma Ataca Política de Imigração da
Grã-Bretanha em Relação a Alunos

Em reunião com o primeiro-ministro, presidente criticou
tratamento dado a bolsistas brasileiros
do programa Ciência sem Fronteiras

Jamil Chade e Daniela Milanese,
enviados especiais a Londres
25 de julho de 2012 - 22h 30

A presidente Dilma Rousseff desembarcou nesta terça-feira, 25, em Londres e atacou a política de imigração da Grã-Bretanha e o tratamento dado a bolsistas brasileiros do programa Ciência Sem Fronteiras. Em reunião com o primeiro-ministro David Cameron, Dilma não escondeu o mal-estar do governo em relação à dificuldade de estudantes e pesquisadores para conseguir o visto.

Jonne Roriz/AE
Dilma Rousseff visita primeiro-ministro
do Reino Unido, David Cameron,
na Downing Street
Segundo o governo, a Grã-Bretanha teria criado dificuldades para a concessão das autorizações, como impor uma prova de inglês, que, na avaliação do Itamaraty, seria usada para barrar os brasileiros. Além disso, estaria limitando o número de meses para o visto, que acabaria, muitas vezes, antes do término da bolsa. Por fim, estaria incluindo os estudantes no mesmo grupo dos imigrantes.

A irritação do governo brasileiro se dá pelo fato de os bolsistas receberem recursos dos cofres públicos e as universidades e a economia britânica serem beneficiadas, enquanto os estudantes são prejudicados. A queixa do Brasil ocorre no momento em que o Ciência Sem Fronteiras enfrenta críticas de bolsistas que não conseguiram renovar suas bolsas e terão de deixar as pesquisas que desenvolvem em universidades estrangeiras (mais informações nesta pág).

O acordo de intercâmbio do Brasil com mais de cem universidades inglesas foi assinado em 2011. Pelo entendimento, o governo paga a bolsa, a estadia dos estudantes e pesquisadores na Grã-Bretanha e as taxas cobradas pelas universidades. Em troca, o governo inglês estipularia vagas para os brasileiros e facilitaria a concessão de vistos.

O acordo chegou a ser citado pelas autoridades britânicas como um sinal de que Londres está disposta a manter um novo patamar nas relações bilaterais. Ao Estado, o Ministério de Relações Exteriores da Grã-Bretanha avaliou que o impacto dos brasileiros na economia britânica será de cerca de 170 milhões de libras esterlinas ao ano.

Afagos - A reunião entre Dilma e Cameron começou com elogios mútuos. O premiê afirmou que o fato de os dois países sediarem jogos consecutivos abre a oportunidade para negócios. Dilma classificou como “brilhante” a preparação da Olimpíada de Londres e disse que o Brasil precisa aprender com os ingleses.

Mas, quando teve início a parte privada da reunião, Dilma deixaria claro que a realidade em relação à cooperação científica é bem diferente do discurso e há um “descompasso” entre a política de imigração do país e o acordo de intercâmbio com o Brasil.

A presidente levou para o encontro com Cameron o ministro de Educação, Aloizio Mercadante. Segundo assessores da pasta, o governo já redirecionou para universidades americanas cerca de cem estudantes que haviam sido selecionados para bolsas na Grã-Bretanha e não conseguiram o visto adequado.

A política de imigração do governo desagrada as universidades britânicas, que afirmam que estão perdendo alunos para outros países. Além disso, as instituições estão reajustando as mensalidades, pois Cameron reduziu o repasse de recursos públicos para a educação, como parte da estratégia de corte de gastos e redução do déficit público.

As universidades querem aproveitar a Olimpíada para destacar o interesse em receber estrangeiros no país. De acordo com a organização Universities UK, o país é o segundo do mundo a atrair alunos de fora, atrás apenas dos Estados Unidos. Atualmente, 406 mil estudantes de outros países estão matriculados na Grã-Bretanha. Em Londres, 25% da população das universidades é estrangeira.


Fonte: Site do jornal O Estado de São Paulo - 25/07/2012

Comentário: Olha só leitor como a política é feita no Brasil. Presidente DILMA eu gostaria de lembrá-la que a pobre Comunidade Quilombola de Alcântara e o verdadeiro PEB também aguardam que a senhora intefira pessoalmente para resolver o imbróglio que já dura décadas. Lamentável! 

Brasil Aguarda Aval da Casa Civil para Ingresso no CERN

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada dia (23/07) no site “G1” do globo.com destacando que segundo o ministro Raupp, o Brasil aguarda o aval da Casa Civil para poder ingressar no Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN, na sigla em francês).

Duda Falcão

Maranhão

Brasil Aguarda Aval da Casa Civil para
Ingresso no CERN, Afirma Ministro

Para Marco Antonio Raupp, participação do país em centro é importante.
Raupp alegou ainda que projeto em Alcantâra precisaria de mais recurso.

Igor Almeida
Do G1, MA
Com G1, em São Paulo
23/07/2012 - 16h09
Atualizado em 23/07/2012 - 18h53

O Ministério da Ciência aguarda o aval da Casa Civil para que o Brasil se torne associado do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern, na sigla em francês), responsável pelo Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês).

A informação foi divulgada nesta segunda-feira (23) pelo ministro da Ciência, Marco Antonio Raupp, durante entrevista coletiva realizada em São Luis (MA), que sedia até sexta-feira (27) a 64ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, a SBPC.

“Tudo está caminhando positivamente, porém é necessário que a Casa Civil dê o aval para que possamos nos associar ao Cern. Não tem porque não fazermos isso. É importante para o Brasil, para a ciência e para os pesquisadores", declarou.

Em fevereiro, em entrevista ao G1, Raupp havia informado que o governo trabalhava em uma forma de “engenharia financeira” para conseguir a aprovação do investimento necessário para a entrada no Cern.

Se aprovado, o país teria que pagar uma cota anual para ser considerado membro do projeto -- esse valor ainda precisa ser definido pelo Cern, mas há dois anos era de aproximadamente US$ 15 milhões ao ano.

O LHC ganhou destaque no início de julho após cientistas anunciarem a descoberta de uma partícula subatômica inédita. Há fortes indícios de que se trate do "bóson de Higgs", a "partícula de Deus", única partícula prevista pela teoria vigente da física que ainda não tinha sido detectada em laboratórios, e que vinha sendo perseguida ao longo das últimas décadas.

Pela teoria, o bóson de Higgs teria dado origem à massa de todas as outras partículas. Se sua existência for confirmada, portanto, é um passo importante da ciência na compreensão da origem do Universo. Se ele não existisse, a teoria vigente deixaria de fazer sentido, e seria preciso elaborar novos modelos para substituí-la.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação,
Marco Antonio Raupp, em entrevista coletiva realizada
na SBPC. (Foto: Igor Almeida/G1)

Parceria Binacional em Alcântara

Raupp comentou ainda a questão da consolidação da base de Alcântara, no Maranhão, como polo comercial de lançamentos espaciais operado entre o Brasil e a Ucrânia.

A empresa binacional Alcântara Cyclone Space (ACS), prevê a comercialização e operação de serviços de lançamento utilizando o lançador Cyclone-4. Decreto presidencial publicado no "Diário Oficial da União" no início de julho autorizou a transferência de R$ 135 milhões do governo federal para aumentar o capital da empresa. Entretanto, segundo Raupp, ainda são necessários R$ 200 milhões em investimentos.

"Há um outro lado do projeto, o da estrutura. Só nele, estão previstos R$ 200 milhões. Contudo, não temos esse orçamento. Precisamos buscar junto ao governo uma forma de cumprir com nossas metas", afirmou o ministro, sem precisar qual tipo de estrutura o projeto necessita.


Fonte: Site G1 do globo.com

Comentário: Caro leitor, lhe pergunto: Alguém ainda acredita que esse aval venha do governo DILMA ROUSSEFF? Outra coisa, em relação a ACS, os caras ainda querem torrar mais R$ 200 milhões nesse desastre? Realmente Raupp sua atitude é verdadeiramente decepcionante.

Quilombolas e Militares Debatem na 64ª Reunião da SBPC

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada dia (23/07) no site “G1” do globo.com dando destaque que o imbróglio entre os Quilombolas e os Militares, além dos objetivos da Base de Alcântara, seriam temas de debate durante a realização da 64ª Reunião da SBPC que se encerra no dia de hoje (27/07).

Duda Falcão

Maranhão

Quilombolas e Militares Debatem na
SBPC Objetivos da Base de Alcântara

Centro da Aeronáutica é alvo de polêmica desde a instalação, no Maranhão.
Encontro anual de ciência teve início neste domingo e segue até sexta-feira.

Do G1 MA
23/07/2012 - 08h00
Atualizado em 23/07/2012 - 08h01

Instalação do CLA em Alcântara
afetou várias comunidades
(Foto: Douglas Junior/O Estado)
A relação conturbada entre quilombolas e militares responsáveis pelo Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA), instalação da Aeronáutica que cuida de projetos aeroespaciais do Brasil, será foco de debates realizados na 64ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, a SBPC, que teve início no domingo (22).

Programada para esta segunda, às 10h30, a conferência "A base espacial e os quilombolas de Alcântara" vai reunir representantes quilombolas de Alcântara e cientistas para tratar temas como cultura, educação e direitos.

A tentativa de diálogo va contar com a presença de Danilo da Conceição Serejo Lopes, representante do Movimento dos Atingidos pela Base Espacial de Alcântara (Mabe), e o mestre e doutor em Antropologia Social, Alfredo Wagner Berno de Almeida.

O objetivo é discutir as mudanças implementadas na vida das comunidades locais desde a década de 1980, quando se iniciou o processo de instalação da base. “Há um conflito fundiário desde a criação da base aérea, com a violação de vários direitos das comunidades”, disse o representante. Segundo ele, já houve por diversas vezes a cobrança pelas titulações do território, principalmente para os quilombolas. Foram criadas sete agrovilas, com moradores remanejados para a construção da base.

“O governo federal tem afirmado que não haverá remanejamento de comunidades, mas nesses anos, durante a implantação do projeto, houve descumprimento de acordos, o que nos deixa com sentimento de incerteza”, explicou Danilo, que também é acadêmico de Direito em Goiás.

Lançamento de foguete em Alcântara
(Foto: Centro de Lançamento de Alcântara)
Experiências em Educação

Outro espaço de discussão na SBPC será o debate “O projeto alma e o diálogo entre os saberes tradicionais e a universidade”, programada para o último dia da conferência científica.

A mesa será composta por lideranças de quatro comunidades quilombolas da região, o diretor do CLA, coronel engenheiro Cesar Demétrio Santos, além do gerente socioambiental da empresa binacional brasileiro-ucraniana Alcantara Cyclone Space (ACS), Josildo Portela.

Coordenadora do debate, a professora da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Herli de Sousa Carvalho, lembra que apesar da existência de um confronto no início do projeto de Alcântara, atualmente a relação está melhor.

“Os representantes das comunidades afirmam que foi ruim terem sido remanejados para outras terras, mas hoje eles possuem acesso a serviços como água, energia e escola”, disse. “Nosso objetivo é ser essa ponte, para que o CLA possa participar.


Fonte: Site G1 do globo.com

Tanques do Cyclone-4 São Retirados do Porto do Itaqui

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (27/07) no jornal “O Estado do Maranhão”, destacando que os tanques de combustíveis do Cyclone-4 foram retirados na tarde de ontem do Porto do Itaqui no Maranhão.

Duda Falcão

Portos

Tanques do Cyclone-4 São
Retirados do Porto do Itaqui

Cilindros de combustível líquido e equipamentos do
foguete Cyclone-4 que estavam no Porto do Itaqui
foram instalados em carretas para o transporte até
o Centro de Lançamento de Alcântara; a logística
da operação também inclui ferry-boats

O Estado do Maranhão
27/07/2012

Divulgação/Emap
Cilindros de combustível do Cyclone-4 içados por
guindastes no cais do porto e instalados em carretas

Os 15 tanques de combustível do foguete Cyclone-4, que foram desembarcados no Porto do Itaqui no dia 13 deste mês, foram retirados do cais na tarde de ontem. A operação envolveu 22 carretas e guindastes com capacidade para içar até 40 toneladas.

Os cilindros de combustível do Cyclone-4 foram trazidos da Ucrânia no navio Socol 3, que chegou à Baía de São Marcos no dia 8 e atracou no berço 103 do Itaqui no dia 13. São os primeiros equipamentos terrestres de grande porte que vão propiciar o lançamento do foguete, no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA).

De acordo com informações da Alcântara Cyclone Space (ACS), empresa fruto da parceriaBrasil-Ucrânia para o desenvolvimento de foguetes espaciais, o comboio de carretas tinha previsão de partida do Itaqui para as 20h de ontem, com destino ao Terminal Ponta da Espera, para embarque em ferry-boats.

Até o início da noite de ontem, de acordo com a ACS, os tanques e demais equipamentos ainda estavam sendo carregados nas carretas. A travessia marítima (em ferry-boats) demora cerca de uma hora até Alcântara, distante cerca de 22 milhas náuticas (aproximadamente 40 quilômetros).

Foguete - O primeiro voo do Cyclone-4, tecnicamente chamado de voo de qualificação, está previsto para o fim de 2013. O prédio (TC-100) para a montagem, integração e teste da carga útil, situado no complexo técnico do sítio de lançamento, está entre as partes mais adiantadas da obra. No local, serão preparados os satélites que sairão já encapsulados da unidade de carga útil para se acoplarem aos estágios propulsores do Cyclone-4.

As obras do sítio de lançamento do foguete são de responsabilidade das empresas Odebrecht e Camargo Corrêa e deverão ser concluídas até outubro deste ano. Cerca de 1,3 mil pessoas, entre trabalhadores fixos e empregados temporários, atuam nas obras.

Outra obra adiantada é o TC-200, que será usado para montagem, integração e teste do veículo lançador. Nessa área, será montado o Cyclone-4, que tem 40 metros de comprimento, três metros de diâmetro e coifa (ponta) com quatro metros de largura. O foguete é capaz de alcançar até 500 km de altitude.

Especiais - De acordo com informes da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), gestora do Itaqui, o desembarque dos tanques de combustível do foguete Cyclone-4 é mais uma operação portuária diferenciada (denominada tecnicamente de cargas de projeto) voltada ao atendimento logístico de novas plantas industriais que estão sendo instaladas no Maranhão em áreas como mineração, geração de energia, petróleo e gás natural, papel e celulose e transporte de carga.

No Porto do Itaqui, até junho deste ano, já foram movimentadas mais de 7 milhões de toneladas de carga. Desse total, 32.601 toneladas são de carga de projeto. São equipamentos, peças e acessórios destinados às novas plantas industriais, a exemplo da construção do Píer IV, da Vale; instalações da fábrica de celulose da Suzano em Imperatriz; das pesquisas de gás e petróleo da OGX na Bacia do Parnaíba e da Unidade de Tratamento de Gás Natural da OGX e da MPX em Santo Antônio dos Lopes; e a empresa binacional Alcântara Cyclone Space (ACS), na cidade de Alcântara.


Mais



O foguete Cyclone-4, que será lançado no Maranhão, vem de uma série desenvolvida na Ucrânia desde 1969 e teve 227 lançamentos, dos quais 222 foram bem-sucedidos e apenas cinco tiveram problemas de inserção, mas sem nenhum acidente. Para ser construído, foram gastos US$ 50 milhões.


A Ucrânia é projetista de 67 tipos de satélites e de 12 sistemas de lançamentos especiais, incluindo uma série de mísseis balísticos intercontinentais, entre eles, o SS-18, além do Kosmos, Dnepr, Zenit e Cyclone. Projetou, também, 17 tipos de motores de foguete e sistemas de propulsão de satélites.


Fonte: Jornal O Estado do Maranhão - pág. 12 - 27/07/2012

Comentário: Pois é leitor, é o fim da picada, mas é a realidade dos fatos. O PEB está completamente sem rumo e sem qualquer luz no final do túnel. Aproveito para agradecer ao leitor maranhense Edvaldo Coqueiro pelo envio dessa matéria.

Argentina y China Firman un Acuerdo de Coop. Aeroespacial

Hola Lector!

Sigue abajo una noticia publicada hoy (19/07) en el website “www.infoespacial.com” informando que la Argentina y China firman un Acuerdo de Cooperación Aeroespacial.

Duda Falcão

Noticias

Nueva Atena se Instalará en Neuquén

Argentina y China Firman un
Acuerdo de Cooperación Aeroespacial

26/07/2012

(infoespacial.com) Buenos Aires.- Argentina y China son oficialmente desde el miércoles 25 de julio socias en materia espacial tras haber firmado un acuerdo de cooperación para “desarrollar actividades de exploración interplanetaria, observación astronómica, el seguimiento y control de satélites en órbita y adquirir datos científicos".

El convenio fue firmado por la Comisión Nacional de Actividades Espaciales de Argentina (CONAE) y la Agencia China de Lanzamiento y Control de Satélites (CLTC).

El objetivo del contrato es "fijar las pautas y parámetros para el establecimiento de instalaciones de seguimiento terrestre, comando y adquisición de datos" según detalla un comunicado de la Cancillería argentina del que informa la agencia EFE.

Pero no solo eso. El documento rubricado por Argentina y China sienta las bases de la colaboración futura, que incluirá la instalación de una antena para investigación del espacio lejano en la provincia argentina de Neuquén, en el sur del país, precisó la nota oficial.

Como recuerda la agencia de noticias, para el Ejecutivo argentino la magnitud del proyecto y la colaboración bilateral que se requiere para asegurar la instalación y operación de esta instrumentación de última generación representa "una oportunidad única de demostrar su capacidad en el campo de la tecnología de avanzada”.

NUEVO LANZADOR

El reciente tratado con China en materia aeroespacial es solo un paso más de los que el país presidido por Cristina Kirchner está dando en este campo. Entre otras cosas, Argentina pretende construir un lanzador de alta precisión para ser capaz de poner en órbita sus propios satélites.

Según informó Tiempo Argentino el lanzador llevará por nombre Tronador II, su desarrollo estará liderado por la empresa VENG, y tendrá una precisión diez veces mayor a la disponible a día de hoy.

“Este lanzador será diez veces más preciso que los que existen actualmente, porque tendrá la capacidad de poner cada segmento en órbita con un margen de error bajo, de forma que todos los instrumentos funcionen en conjunto como una constelación, sea que estén a metros o kilómetros de distancia entre sí”, explicó Juan Cruz Gallo, gerente general y técnico de VENG.


Fuente: Website www.infoespacial.com

Comentário: Pois é caro leitor, dizer o que? Enquanto o nosso Programa Espacial caminha em direção a horizontes cada vez mais sombrios, o programa espacial dos hermanos argentinos segue avançando, agora inclusive com um acordo com a China que prevê até exploração interplanetária.  Confesso que estou cansado disso tudo (acompanho o PEB desde meus 7 anos de idade e hoje tenho 48 anos), dessa falta de atitude e de interesse político por parte do governo, da incompetência desses energúmenos, do uso da imagem do PEB visando outros interesses, de acordos desatrosos motivados por interesses políticos como o que gerou essa aberração chamada  Alcântara Cyclone Space (ACS), de promessas vazias, de prazos nunca cumpridos e de tantos outros erros cometidos por diversos governos após o governo do ex-presidente José Sarney, único presidente civil que realmente deu alguma contribuição para o PEB. Assim sendo, após muito refletir sobre toda essa situação e chegar a conclusão que não existe mais luz no final do túnel, resolvi que caso esse ultimo prazo divulgado na mídia para o lançamento de do VLS-1 (final de 2013) não seja cumprido, em 31 de dezembro desse mesmo ano o blog “BRAZILIAN SPACE” estará encerrando suas atividades. Aproveitamos para parabenizar aos hermanos argentinos, ao seu governo e principalmente aos seus pesquisadores e técnicos pela visão, seriedade e compromisso com que tens conduzido o seu programa espacial nacional. Parabéns a todos vocês.

Traducción para el Español:

Comentario: Pues es caro lector, decir lo que? Mientras nuestro Programa Espacial camina en dirección a horizontes cada vez más sombríos, el programa espacial de los hermanos argentinos sigue avanzando, ahora inclusive con un acuerdo con a China que prevé hasta explotación interplanetária.  Confieso que estoy cansado de eso todo (acompaño el Programa Espacial Brasileño desde los míos 7 años de edad y hoy tengo 48 años), de esa falta de actitud y de interés político por parte del gobierno, de la incompetencia de esos energúmenos, del uso de la imagen del PEB visando otros intereses, de acuerdos desatrosos motivados por intereses políticos como lo que generó esa aberração llamada  Alcântara Cyclone Space (ACS), de promesas vacías, de plazos nunca cumplidos y de tantos otros errores cometidos por diversos gobiernos después del gobierno del ex-presidente José Sarney, único presidente civil que realmente dio alguna contribución para el PEB. Así siendo, después de mucho reflejar sobre toda esa situación y llegar la conclusión que no existe más luz a finales del túnel, resolví que si ese ultimo plazo divulgado en la mídia para el lanzamiento de de el VLS-1 (final de 2013) no sea cumplido, en 31 de diciembre de ese mismo año el blog “BRAZILIAN SPACE” estará concluyendo sus actividades. Aprovechamos para parabenizar a los hermanos argentinos, a su gobierno y principalmente a sus investigadores y técnicos por la visión, seriedad y compromiso con que has conducido su programa espacial nacional. Enhorabuena a todos vosotros.

INPE Participa de Exposição na 64ª SBPC

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (26/07) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o INPE participa até hoje (27/07) de exposição na 64ª Reunião da SBPC.

Duda Falcão

INPE Participa de Exposição na 64ª SBPC

Quinta-feira, 26 de Julho de 2012

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) apresenta alguns de seus principais projetos na ExpoT&C, que comemora 20 anos como uma das mais importantes mostras de Ciência e Tecnologia do país. A exposição, ligada à 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), começou no último dia 23 e termina nesta sexta-feira (27) na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), em São Luís.

O estande do INPE, que integra o pavilhão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), tem foco no Programa Espacial, em especial no CBERS-3, satélite desenvolvido em parceria com a China cujo lançamento está previsto para o final de 2012.

Estão expostas maquetes com detalhes de equipamentos do satélite sino-brasileiro e do SCD, satélite de coleta de dados lançado em 1993 que foi o primeiro desenvolvido pelo Brasil. Além das maquetes, um tapete com a imagem da cidade de São Luís registrada pelo satélite CBERS provoca interesse e admiração.

Entre o material distribuído pelo INPE durante a exposição, a cartilha "O Futuro que Queremos" tem sido uma das mais solicitadas pelos visitantes, principalmente por professores que pretendem utilizá-la em sala de aula. No estande é apresentado um vídeo institucional que desperta o interesse do público pela engenharia espacial, sensoriamento remoto e meteorologia, entre outras áreas de atuação do INPE.

Muitos participantes também buscam informações sobre os cursos de pós-graduação oferecidos pelo INPE e sobre o concurso público, que oferece 10 vagas em Alcântara, no Maranhão.

Mais informações sobre a 64ª Reunião Anual da SBPC e a ExpoT&C no site do evento: http://www.sbpcnet.org.br/saoluis/home/

Painel da ExpoT&C

Visitantes observam o mapa de São Luís e as maquetes no estande do INPE

Mirian Vicente e Patrícia Leite, representantes do INPE
na 64ª SBPC. No centro, Dr. Arquimedes Diógenes Ciloni,
Subsecretário de Coordenação das Unidades de Pesquisa do MCTI


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).