sexta-feira, 23 de julho de 2010

PEB é Indispensável para o Desenvolvimento Nacional

Olá leitor!
Segue uma notícia postada dia (21/07) no site da “Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE)” destacando que durante o debate ocorrido esta semana nessa secretaria com a participação de representantes do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), o ministro Samuel Pinheiro Guimarães disse que o programa espacial é indispensável para o desenvolvimento nacional.
Duda Falcão
Destaque - Notícias

Programa Espacial é Indispensável
para o Desenvolvimento Nacional

Brasília, qua, 21-07-2010

Foto: Samuel Pinheiro Guimarães ao lado
Whitney Lacerda de Freitas e Luiz Alfredo Salomão

O ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), Samuel Pinheiro Guimarães, disse hoje que o Programa Espacial Brasileiro é indispensável para o desenvolvimento do país. Para o ministro, o debate em torno deste tema entre os diferentes organismos da administração pública e do setor privado é importante para que o programa tenha a dimensão necessária no Brasil.
O programa aeroespacial hoje, segundo o ministro, esbarra em dois desafios. A obtenção de recursos humanos e de recursos financeiros. “Como formar os técnicos e professores, como atrair os jovens para que se dediquem a essa atividade, e como dispor dos recursos, uma vez que essa atividade está vinculada a equipamentos de custo muito elevado”, questionou.
Guimarães destacou as condições favoráveis da localização geográfica brasileira da Base de Alcântara para o lançamento de satélites e lembrou que da mesma forma que em outros setores como o agrícola e o industrial, é preciso haver a mobilização de grupos de interesse para garantir a alocação orçamentária adequada para esta área.
Segundo o ministro, ainda há dificuldade para a inclusão dos projetos voltados para o programa aeroespacial na aquisição de recursos ou mesmo por meio do sistema financeiro. “Tendo em vista a nossa localização privilegiada, o mercado que existe, as questões de segurança e a utilização para a atividade econômica, precisamos refletir sobre a importância de dispomos os recursos necessários”, destacou.
O ministro chamou a atenção para a necessidade de levar o programa espacial ao conhecimento das autoridades dos poderes executivo e legislativo e destacar a importância dos recursos empregados no desenvolvimento nacional.
De acordo com Guimarães, o Programa Espacial Brasileiro envolve questões de interesse do governo e da sociedade, como o desenvolvimento científico e tecnológico na utilização de satélites. “No espaço se pode realizar uma série de experiências relativas a materiais que não podem ser realizadas em condições do solo”, afirmou.
O ministro citou ainda o sistema de comunicação civil e militar do Brasil, que funcionam por meio de satélites controlados por companhias estrangeiras. “Isso implica em um risco de segurança civil e militar. Portanto, há a necessidade de dispor de satélites de comunicação controlados por empresas ou pelo estado brasileiro”, disse.
O Programa Espacial Brasileiro faz parte do Plano Brasil 2022, e define como meta a colocação em órbita de dois satélites geoestacionários brasileiros e o lançamento do primeiro veículo lançador de satélites (VLS) até o ano 2022, quando o país completa o bicentenário de sua independência.
A reunião técnica teve como objetivo discutir o Programa Espacial Brasileiro em dois painéis que tiveram como assunto central os veículos lançadores de satélites, a infraestrutura e as aplicações.
Durante o debate, que contou com a presença de oficiais das Forças Armadas, acadêmicos, representantes de organismos públicos e especialistas, temas como o desenvolvimento de satélite para meteorologia, navegação, vigilância e monitoramento ambiental; alternativas de financiamento e parcerias internacionais estratégicas; e estratégias de fomento, formação, capacitação e treinamento operacional estiveram na agenda.

Fonte: Site da Secretária de Assuntos Estratégicos (SAE)
Comentário: Interessante o que o ministro Samuel Pinheiro disse, mas na realidade o PEB vai completar 50 anos ano que vem e nesse período outros como ele também disseram a mesma coisa, também apontaram as mesmas dificuldades, problemas e soluções e a verdade é que nada foi feito de concreto para se mudar essa situação. São reuniões intermináveis, cansativas, repetitivas e sem resultado prático nenhum. Além disso, a informação dele de que o prazo para VLS ficar pronto é até o ano de 2022, demonstra falta de conhecimento sobre o projeto ou mesmo uma mudança de planos do DCTA/IAE e do governo, já que o prazo para o quarto e ultimo vôo de qualificação do foguete estava marcado para 2014 (sinceramente espero ter compreendido o texto de forma errada). Se realmente houve essa mudança de planos como parece demonstrar o ministro (seria inadmissível o ministro de assuntos estratégicos cometer um erro como esse) não restaria nada mais a dizer, ou seja, estão brincando de fazer programa espacial nesse país. Esticar o desenvolvimento do VLS-1 para o ano de 2022, não é só um absurdo, mas também algo inimaginável, mesmo nas cabeças menos favorecidas. Esse programa foi iniciado em 1984 e completará em 2014 trinta anos de desenvolvimento, o que é algo sem precedente na história da Astronáutica mundial. Note leitor que a maioria dos recordes alcançados pelo PEB desde a sua criação são negativos e comicamente (pra não dizer o contrário) o ministro Manuel Pinheiro parece divulgar que espera poder concluir o projeto até ano de 2022. Isso demonstra que o programa espacial brasileiro está condenado ao fracasso e as gerações futuras da sociedade brasileira a pagar um alto preço pela incompetência e falta de visão de nossos governantes. Aproveito para agradecer publicamente a leitora Gloria (creio que alguém ligada ao IAE) por ter enviado por e-mail ao blog essa notícia.

4 comentários:

  1. Com mil maneiras de dizer desculpas, aliás mil perdões a todos, mas o resumo do texto acima é de total falta de seriedade a sociedade brasileira.
    A AEB é uma fantasia, um cabide de empregos hà mais do governo.

    Ponto final.

    Vou da um dica ao senhor ministro..em breve pequenas empresas americanas estarão substituindo a nasa para pelo menos 50% das missões, a um custo de 50% do atual por kg enviado ao espaço.Sem contar que novas tecnologias ja estao começando a surgir.

    Alem de que essa mera reunião sem necessidade, já por sí só custou alguma grana aos cofres publicos.

    ResponderExcluir
  2. Olá Benito!

    Levando-se em conta que eu tenha entendido de forma correta a colocação do ministro, concordo contigo em gênero, número e grau. Realmente é desanimador observar essa falta de seriedade para com o programa espacial brasileiro. Lamento profundamente ter de divulgar notícias como essa aqui no blog diariamente enquanto outros sites e blogs mundo afora divulgam o grande avanço desse setor alcançado por diversas nações. É extremamente desanimador e frustrante, e a continuar assim poderemos perder em breve a hegemonia também na área de foguetes para os argentinos, coisa que já ocorreu na área de satélites.


    Abs


    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Olá, tenho um meteorito de 818gr encontrado na região de São José dos Campos, provavelmente caiu na mesma época desse caso de Varre Sae, tenho fotos e gostaria de saber o que fazer

    ResponderExcluir
  4. Olá Duplaface,

    Sugiro que procure o mais breve possível em uma universidade de sua região informações de como proceder e leve as fotos do meteorito para que possa ser analisada pelos academicos. De acordo como for, quando tiver tudo oficialmente certinho, ai você mostra a pedra. Seria bom que também a imprensa (jornal e TV) de sua região também fosse de alguma forma envolvida nessa história. Mande fotos da pedra para o blog pelo e-mail: brazilianspace@gmail.com .

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir