terça-feira, 27 de julho de 2010

AEB Exibe Spin Offs Brasileiros na SBPC

Olá leitor!


Segue abaixo uma notícia postada hoje (27/07) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que a AEB esta exibindo em seu estande na 62ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) alguns spin-offs desenvolvidos no Brasil.


Duda Falcão


AEB Exibe Spin Offs Brasileiros na SBPC


CCS/AEB

27-07-2010


As tecnologias desenvolvidas no campo espacial encontram inúmeras aplicações em outros setores industriais. Por esta razão, a Agência Espacial Brasileira (AEB) exibe em seu estande na 62ª reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) alguns spin-offs ( expressão inglesa usada para denominar casos nos quais as tecnologias, desenvolvidas no contexto dos programas espaciais, são usadas em atividades fora desse setor) desenvolvidos no Brasil. Confira os spin-offs que podem ser vistos no estande da AEB na SBPC:


MINI TUBO DE CALOR


Este dispositivo é uma réplica do que foi testado na “Missão Centenário”, em 2006. O experimento enviado à Estação Espacial Internacional continha dois mini tubos de calor. A principal função de um tubo deste é transportar o calor concentrado em uma região mais quente para uma região mais fria, de forma a manter o controle de temperatura sobre toda a superfície. Ele é um eficiente meio de transporte de calor para controle térmico de equipamentos em ambiente espacial.


A aplicação desta tecnologia, no cotidiano, é a utilização de tubos de calor na construção de fornos mais eficientes para padarias. Além disso, ela permite a construção de fornos energeticamente mais econômicos e com temperatura mais homogênea diminuindo desta forma a perda de matéria prima na indústria petrolífera.


Desenvolvimento: Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)


RADIÔMETRO


Os radiômetros medem a radiação solar global e foram construídos para serem utilizados em Plataformas de Coleta de Dados (PCDs). O principal elemento do radiômetro é a célula solar, cuja tecnologia foi desenvolvida no âmbito do Programa Espacial.


Atualmente, esta tecnologia é aplicada na medição da radiação ultravioleta (UV), em equipamentos urbanos que indicam o nível de radiação no local. Servem de alerta à população para possíveis danos causados pela exposição excessiva aos raios solares.


Desenvolvimento: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Laboratório de Microeletrônica da Universidade de São Paulo(LME-USP)


Comercialização: Orbital Engenharia


CATALIZADORES


Catalisadores são materiais responsáveis pela decomposição do combustível. A maior parte dos satélites em órbita utiliza o sistema de propulsão a propelente líquido para operações de correção de órbita e posicionamento.


Os catalisadores de Irídio, Rutênio e Ir-Ru suportados em aluminas especiais foram desenvolvidos no Brasil para uso no Programa Espacial. Essa pesquisa permitiu a criação de novas tecnologias empregadas em capturas de CO2 e de catalisadores para redução de outros elementos poluentes causadores do efeito estufa e de mudanças climáticas.


Desenvolvimento: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Petrobrás


PINOS, BUCHAS E SISTEMA DE ABERTURA DE PAINÉIS SOLARES DOS SATÉLITES


No ambiente espacial, os satélites não podem operar com o uso de lubrificantes e graxas convencionais devido à sua evaporação nas condições de alto vácuo.


Pesquisadores brasileiros estudaram as propriedades do diamante, em especial, o Diamond-Like Carbon (DLC), que apresenta baixíssimo coeficiente de atrito, e a solução encontrada foi utilizá-lo como lubrificante sólido para abertura de painéis solares dos satélites.


Desenvolvimento: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Empresa Fibraforte


BROCAS ODONTOLÓGICAS


Resultado direto do desenvolvimento e pesquisa para novos materiais aplicados para abertura dos painéis solares dos satélites, essas brocas odontológicas de ultra-som são, hoje, peças presentes nos consultórios odontológicos de todo o País.


Fabricante: Empresa CVDentus


FORNO MULTIUSUÁRIO PARA SOLIDIFICAÇÃO


Trata-se de um forno de solidificação multiusuários para crescimento de ligas, metais e semicondutores com pontos de fusão de até 800oc, testado em vôo suborbital, no foguete VSB-30 fabricado pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (IAE/DCTA).


O forno voou nas missões Cumã I e II e levou em seu interior um experimento piloto para solidificação em microgravidade de uma liga semicondutora com importantes aplicações tecnológicas, como detectores para a faixa do infravermelho termal (como as ondas emitidas pelo corpo humano), usados em câmeras de satélites meteorológicos.


Desenvolvimento: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)



Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)


Comentário: Bom, muito bom mesmo e um exemplo para que a sociedade brasileira entenda as razões o porquê o mundo investe pesado em pesquisas e desenvolvimento de tecnologia espacial. Esse é só um exemplo, mas basta dizer que a sociedade moderna que tanto o homem desfruta hoje com seus aparatos cada vez mais tecnológicos não existiria se não fosse o investimento em tecnologia espacial e mesmo no melhoramento em produtos tão simples como o papel higiênico. Não é uma questão de se querer investir na área, é sim uma questão de sobrevivência com uma melhor qualidade de vida para a nossa sociedade perante as outras sociedades do planeta. Acorda Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário